Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Tira a mão do corta-unhas

por João Miguel Tavares, em 15.04.13

Eis o meu texto de ontem na revista do CM:

Num dos últimos fins-de-semana implorei à excelentíssima esposa que me tirasse os miúdos de cima durante um par de dias, para ver se eu conseguia despachar trabalhos em atraso e burocracias pendentes, que me andavam a dar cabo do juízo. Super-fofinha, ela acedeu ao meu pedido, e partiu com os quatro filhos para a província. Mas não só: além dos quatro filhos, levou também o meu corta-unhas.

Ora, se no que diz respeito aos miúdos eu estou sempre mortinho por ter uma folga, já no que diz respeito ao corta-unhas gosto bastante de o ter ao pé de mim. É uma presença que não incomoda e com a qual tenho uma relação feliz há muitos anos. Além de não chatear ninguém, é um competentíssimo corta-unhas, afiado e preciso, nada parecido com os tamancos que pululam pelos supermercados. Eu sei disso. E a excelentíssima esposa também sabe.

Vai daí, com o correr do tempo, o meu corta-unhas foi-se transformando no seu corta-unhas. Quando eu não estava a ver, a esposa efectuava raides ao esconderijo do corta-unhas, punha-o ao seu serviço durante uns minutos, e depois... Bom, e depois é assim: no início dos seus ataques furtivos, a esposa devolvia rapidamente o corta-unhas à procedência, e eu até achava a coisa romântica – éramos literalmente unha com carne, estão a ver? Só que a pouco e pouco, o regresso do corta-unhas a casa foi-se tornado mais desleixado: às vezes ficava fora do sítio, outras vezes eu tinha de perguntar por ele, até chegarmos a este ponto em que vai viajar para o interior de Portugal sem autorização do seu legítimo dono.

Confrontada com este gravíssimo rapto, a esposa respondeu: “Ias passar o fim-de-semana a trabalhar em casa, não pensei que fosses precisar do corta-unhas.” Como se as unhas só crescessem nos dias úteis. Mas o que isto, na verdade, revela é duas concepções da vida divergentes. Eu sou um individualista liberal: apesar de casado continuo a acreditar nas virtudes da propriedade privada. Já a Teresa é uma bolchevique doméstica: dentro de casa, o que é meu é teu, pois viver em família significa partilhar. E nisto andamos, há mais de 20 anos, comigo entrincheirado no WC, procurando resistir às terríveis investidas do comunismo familiar. Resultado: dei o corta-unhas perdido para o Kremlin e foi ao supermercado comprar um novo. Não é tão bom como o antigo. Mas – por enquanto – é só meu.


A ilustração é do José Carlos Fernandes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:14


9 comentários

Sem imagem de perfil

De oidiodavideira a 16.04.2013 às 14:22

Ok, sofro do mesmo problema!
tenho um EXCELENTE corta-unhas que, ressalvo foi adquirido previamente ao matrimónio.
volta e meia dou por ele nas mãos alheias da esposa a servir para aparar "unha alheia".
este comportamento abusivo ainda não chegou ao meu canivete suiço...mas temo por esse dia.
Sem imagem de perfil

De xaxia a 16.04.2013 às 10:53

Não há respeito! Levar assim o corta-unhas. Não se faz...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.04.2013 às 10:00

Hmm, sou só eu que acho estranho partilharem-se corta-unhas?? Eu acho que é o tipo de objecto "pessoal e intransmissível". Lá em casa cada um tem o seu.
Sem imagem de perfil

De Jose Calado a 16.04.2013 às 08:49

Ola chamo-me José Calado, tenho 4 filhos e acredite, que aprendem cedo, mas è maravilhoso,o ultimo criei-o sozinho desde os 10 dias de idade, hoje tem 5, sou o pai mais feliz do mundo. Não são manhas, è o aconchego, experimente a pô-lo na caminha dele quando estiver a dormir, e a colocar uma almofada leve ou uma mantinha, encostado a ele para ele sentir que não esta sozinho, habitue-se a cantar ou a falar com ele quando ele,mal sinta que ele està a acordar, tente com massagens leve no rabinho, e depois ponha novamente, um peso muito leve sobre o sitio onde tinha a mao,mas manter sempre a rotina da alimentação. um bem haja.:)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.04.2013 às 17:02

Ó deuses!, não sou a únicaaaa ... individualista liberal. Detesto que mexam nas MINHAS coisas. Peçam-mas e levem-nas emprestadas, mas!, mas!, caso as subtraiam sem conhecimento aqui da dona sujeitam-se a um dia, no mínimo, de mau feitio. :)
Sem imagem de perfil

De Bruxa Mimi a 15.04.2013 às 15:02

Eu li o comentário sem ver de quem era e pensei: como é que este leitor/a sabe que só há pouco tempo é que o pai João se iniciou a cortar as unhas aos filhos? Eu perdi algum post?? Depois vi que era a mãe Teresa a comentar e percebi que sabia em 1ª mão! :-)
Sem imagem de perfil

De Rui Ribeiro a 15.04.2013 às 14:28

Hmmm, acho que não se queixou do uso que a mãe dá, mas sim do rapto, acto passível de processo criminal, descarado !
Sem imagem de perfil

De Teresa Mendonça a 15.04.2013 às 13:14

É preciso ter muita lata! Fala o pai que se estreou recentemente a cortar as unhas aos filhos. Durante oito anos nem uma vez e ainda se queixa da mãe da casa dar uso ao mais afiado cortador das redondezas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.04.2013 às 11:24

Tenho um bebe com mês e meio. Tendo vocês 4 filhos e uma mãe médica, gostaria de um post com a vossa experiência sobre p-los a dormir, nesta idade tão precoce! Com esta idade já têm manhas? Habituam-se a dormir connosco tão pequeninos ou é próprio que sintam esta necessidade? Como habituá-los, em bebes, à cama deles?? Obrigada!!!
Sandra

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D