Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Quem foi o gajo que inventou os bichos da seda?

por João Miguel Tavares, em 29.04.13
Como se não bastasse ter de arrastar quatro putos até ao litoral alentejano, num monovolume com malas até ao tecto, eis que a nossa última viagem em família foi acompanhada de uma caixa de sapatos furada. Com o quê lá dentro? Eu sei que vocês já adivinharam. Sim, bichos da seda.


Eu adorava bichos da seda quando era pequenino. Mas entretanto aprendi a odiá-los, desde que se tornou obrigação dar-lhes hospedagem doméstica a cada Primavera. Primeiro, era só em casa. Mas agora também já fazem excursões: eis a nossa simpática família de 10 bichos da seda, em pleno Zmar. Ainda bem que eles foram introduzidos clandestinamente na nossa Zvilla - de outra forma, cobrar-nos-iam a estada.

E pergunta o caro leitor muito inteligentemente: mas por que raio foram vocês acartar com uma dezena de lagartas para o Alentejo? Boa pergunta. Fomos acartar com lagartas porque sexta à tarde já não havia mantimentos para os bichos, que são muito dados ao alimento. Donde, não os pudemos deixar à míngua durante dois dias inteiros. E assim, na sexta-feira, antes de sairmos de Lisboa, a excelentíssima esposa e o excelentíssimo esposo tiveram de andar à cata de folhas de amoreira, já com os putos todos enfiados no carro.


Ora, eu percebo tanto de árvores como de bilhar às três tabelas (minto: percebo mais de bilhar às três tabelas), de modo que preciso sempre de ser assistido nessa nobre tarefa de descobrir que raio é uma amoreira, antes que envenene os bichos com uma folha de qualquercoiseira. Felizmente, a excelentíssima esposa não só parece ter descoberto o que era uma amoreira após investigar o assunto (nem imaginam como acho isso admirável), como vislumbrou um espécimen perdido a um quarteirão da nossa casa.

Claro que quando chegou a altura de atacar a folha da única amoreira na zona da Avenida de Roma, adivinhem a quem coube a tarefa? Ah, pois. E então, estava eu em pleno processo de gamar folhas de amoreira, já juridicamente indeciso se aquilo era legal ou não (ó juristas que visitam o Pais de Quatro: a malta pode roubar folhas a árvores públicas ou incorremos num qualquer delito?), quando sou verbalmente atacado por uma senhora muito velhinha, acabada de sair de um prédio vizinho da maltratada amoreira.

E a senhora velha começa logo a queixar-se, brandindo a bengala. Que as pessoas estragavam a pobre amoreira, que aquilo era uma vergonha, coitadinha da árvore, tão raquítica e tantas vezes transformada em banco alimentar. Eu pedi imensa desculpa e tentei confundir a velhinha com um paradoxo existencial: está bem que a árvore não gosta que lhe tirem as folhas, mas se as folhas não lhe forem tiradas, do que é que se alimenta um bicho da seda? O que vale mais aos olhos da Deus: uma família de bichos da seda famintos ou uma amoreira aliviada de uma dúzia de folhas?

Mas já se sabe: as velhinhas, embora com certa queda para a filosofia, não são muito dadas a este género de reflexões. Razão pela qual ela se afastou a resmungar e a chamar-me nomes. Resultado: como se já não me bastasse ter a casa invadida por bichos vegetarianos e bulímicos, ainda vou ter de passar por humilhações sempre que for à procura de comida para eles, espreitando por cima do meu ombro, a ver se não me aparecem mais senhoras velhas. Se ser pai de quatro já é lixadíssimo, por que raio tenho ainda eu de andar a criar lagartas? Que caraças. É que no meio de tanta gente e de tanto bicho, quem está a precisar mais de construir um casulo sou mesmo eu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08


20 comentários

Sem imagem de perfil

De Sara Profissão Mãe a 19.06.2016 às 03:15

Sabes que existem de diversas cores e raças?
http://bichosdaseda.com/
Sem imagem de perfil

De José Maria Sá a 16.06.2014 às 11:38

É muito estranho que uma pessoa tão pouco polida e agressiva tenha estado ligada à criação de bichos-da-seda, geralmente associado a algum interesse científico (as metamorfoses) a beleza (as larvas nas suas formas e seus movimentos, os casulos, etc.) e ao interesse lúdico e educativo de crianças que se estimam.

Lamento, mas como classificar expressões como: "arrastar quatro putos", "aprendi a odiá-los", "por que raio", "tentei confundir a velhinha",
"ser pai de quatro já é lixadíssimo", "por que raio tenho ainda eu de andar a criar lagartas? Que caraças".
Eu também estou a tentar passar uma nova geração de bichos-da-seda, pelo que compreendo o problema deste senhor mas não como o enfrenta nem a forma como o expõe, em grande parte a linguagem que usa.
Proponho-lhe que aceite este comentário como "crítica construtiva" e nada mais que isso.
Sem imagem de perfil

De Rui a 10.04.2015 às 21:46

Ó Sheldon... chama-se sarcasmo. :)
Sem imagem de perfil

De Teresa a 05.05.2013 às 18:44

O que me ri com este post!! Essa dos bichos da seda,deve tocar a todos os pais!!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.05.2013 às 09:48

Muitos Parabéns, pelo maneira como escreve e pelo peculiar humor que tem.
Susana
Sem imagem de perfil

De Viajante a 30.04.2013 às 23:09

Pois eu, bióloga que sou e gostando imenso de animais, desde sempre, pronto, dos restantes seres vivos também e tentando sempre sensibilizar todos em redor a não gostarem apenas dos bichos "queridinhos" devo dizer que de-tes-to e sempre detestei bichos da seda. Pronto, cada qual com os seus pecados.
Sem imagem de perfil

De Maria Alves a 30.04.2013 às 23:00

Por aqui no Parque das Nações há uma amoreira que pede encarecidamnte que a "desfolhem". Troco a sua localização por 2 bichinhos (ou um que seja, pois já não aturo a miúda). Quando quiserem venham até cá.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.04.2013 às 20:04

Nada se compara com a minha experiencia e a do meu filho com bichos da seda:
O rapaz tinha 2 cxs com 100 bichos cada e gostava tanto deles que queria dormir com eles no quarto...mas como temos gatos achei pouco seguro e ele sem dizer a NINGUEM arranjou um quartinho seguro... a despensa.Eu andava farta das traças das batatas e nesse dia toca apôr bolinhas de naftalina e um pouco de spray nas prateleiras ( com tudo tapado e sem perigo).
Na manhã seguinte aparece-me o meu filho muito choroso e sem perceber o que aconteceu aos bichinhos pois tinham EXPLODIDO...era bolas verdes nas cxs...e ele incrédulo !!!
Tinha 11 anos hoje tem 17 e ainda está TRAUMATIZADO... e eu também ainda me sinto mal.

Boa Sorte para os vossos e tudo de bom para a v/simpática familia.
Sem imagem de perfil

De Gigi a 30.04.2013 às 14:58

Ora bem, não é que esta sábado, andava eu a passear no parque das nações, na zona norte, ali quase por baixo do inicio da ponte vasco da gama e encontrei uma amoreira e lembrei-me que quando era miúda o que eu não teria dado por aquela árvore tão vistosa, cheia de folhas para alimentar os meus bichos.

Para o leitores que andem à procura destas árvores, há mais 3 exemplares, na estrada nac. 10, entre Alverca e Alhandra, em frente ao Max Mat (passo a publicidade).

Boa sorte para a criação.

Sem imagem de perfil

De mysupersweettwenty a 30.04.2013 às 14:07

eu adorava os casulos e até os bichos, mas depois as borboletas eram uma desilusão, tão feias e sem graça :s
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.04.2013 às 12:53

Na minha humilde residência, essas criaturas já foram quatro e agora, .... ja lhes perdi a conta. Já penso em comprar uma amoreira para a varanda :(

PS - As velhinhas que já me encontraram a "Roubar" as folhas foram exactamente ao contrario, acharam graça e disseram que também já tinham tido essa tarefa quando os seus filhotes eram pequenos.

Andreia

Comentar post


Pág. 1/2




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D