Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Sobre a hipersexualização das crianças

por João Miguel Tavares, em 19.09.13
O Público traz hoje uma notícia interessantíssima sobre a tentativa de interditar em França os concursos de beleza para miúdas com menos de 16 anos. A medida já foi aprovada pelo Senado francês e terá agora de ser votada favoravelmente pelos deputados da Assembleia Nacional para entrar em vigor. A iniciativa é de uma antiga ministra e actual senadora, Chantal Jouanno, que tem vindo a levantar a questão da “hipersexualização” das crianças, sobretudo depois da enorme polémica envolvendo a jovem francesa Thylane Lena-Rose Blondeau e a sua produção fotográfica para a Vogue de Dezembro 2010/Janeiro 2011.

Sendo eu um liberal, considero que todas as interdições devem ser profundamente ponderadas, até porque está aqui em causa uma limitação à liberdade dos pais, e eu desconfio sempre que um qualquer Estado nos quer ensinar como nos devemos comportar com os nossos filhos. Mas neste caso, estou tentado em concordar com a medida de Jouanno. Felizmente, em Portugal não existe aquela tradição americana (e, pelos vistos, francesa) dos concursos de beleza infantil - os child beauty pageants -, que mais parecem inacreditáveis freak shows para polir o ego dos paizinhos de meninas loiras e de olhos azuis. Mas a questão da hipersexualização das crianças é uma realidade incómoda, e o exemplo da produção de Thylane Blondeau nas páginas interiores da Vogue, feita quando ela tinha nove anos, é um bom exemplo. Isto, mesmo para um liberal, é ir além dos limites do bom gosto:





Claro que eu odeio fundamentalismos nesta matéria, e há um politicamente correcto mais ou menos obsessivo, muitas vezes alimentado pelos casos de pedofilia, que a única coisa que serve é para escamotear a complexíssima questão da sexualidade no fim da infância e na entrada da adolescência. O tema é, aliás, tão sensível, que é quase impossível debatê-lo no espaço público sem se ser acusado disto ou daquilo. O caso da jovem Thylane Blondeau é particularmente interessante, porque é como se a tal hipersexualização não lhe pudesse ser arrancada da pele, mesmo quando está apenas a olhar para a câmara, como nesta foto (ainda que a posição daquele ombro não seja propriamente inocente por parte do fotógrafo):


Mas isto é conversa para outra altura. O que interessa aqui é que, complexidades etário-sexuais à parte, há códigos de imagem na moda que estão bem estabelecidos, e objectos que por si só estão hipersexualizados - e que por isso não faz qualquer sentido serem usados por uma criança em sessões fotográficas: lençóis com peles de leopardo, vestidos dourados com decotes intermináveis, sapatos com saltos agulha, baton vermelho-sangue. Sim, esta foi uma produção de muito mau gosto da Vogue. E no entanto, bastava a revista ter feito no interior aquilo que fez nesta capa:


Isto é uma criança a fazer de criança. Aquilo lá em cima é uma criança a fazer de sex symbol para adultos. Tal como pô-la em cima de um palco a competir com uma dúzia de meninas pelo troféu de A Mais Bonita é uma transferência das categorias estéticas dos pais para cima de miúdos que se estão naturalmente nas tintas para tudo aquilo se não forem espicaçados pelos progenitores. Portanto, proíba-se. As crianças têm o direito de ser apenas crianças.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.09.2013 às 01:16

Subscrevo!
Sem imagem de perfil

De Melissa Lopes a 25.09.2013 às 21:44

O grande problema reside no facto de as mães olharem para as filhas como a a grande oportunidade de ter/ser aquilo que sempre quiseram e nunca conseguiram: visibilidade pública, fama, dinheiro através da moda (pseudo moda neste caso).
Sem imagem de perfil

De Antónia a 22.09.2013 às 17:19

Esse filme é maravilhoso. Lembrei-me, também, ao ler o post.
Sem imagem de perfil

De vidasdanossavida a 22.09.2013 às 16:36

Claro que sim! E se os pais das crianças não as sabem defender e proteger e deixar ser simplesmente crianças alguém tem o de fazer.
Sem imagem de perfil

De dona da mota a 20.09.2013 às 16:07

Concordo com tudo, mas em relação a isto: "desconfio sempre que um qualquer Estado nos quer ensinar como nos devemos comportar com os nossos filhos" olhe que por vezes devia ser feito muito mais... infelizmente!
Bom texto!
Sem imagem de perfil

De Sara a 20.09.2013 às 15:15

Eu sou mulher e vejo mais do que uma menina a vestir as roupas da mãe. Muito mais. Há uma insinuação na pose e há uma seriedade que meninas de 9 anos a vestir roupas da mãe, não têm. Esta seriedade, esta pose, a maquilhagem perfeita (coisa que é impossível em meninas a brincar com as roupas da mãe) é que deixam a insinuação no ar e essa insinuação é que é (perdoem-me o excesso) nojenta.
Agora ponham as coisas se fosse um rapaz de 9 anos: um rapaz de nove anos a brincar com as roupas do pai pode ser engraçado. Agora um rapaz de 9 anos de boxers do pai, a fazer os olhares e poses que é habitual encontrarmos em anúncios de roupa interior masculina (veja-se Beckam, Cristiano Ronaldo) é igualmente hiperssexualizado.
As meninas não brincam assim. E os meninos também não. Proíba-se.
Sem imagem de perfil

De Sara ProfissãoMãe a 20.09.2013 às 14:09

Concordo ctg :)
Em vezes de fazerem para os filhos façam concursos de Beleza para Mães :)
Sem imagem de perfil

De Sónia a 20.09.2013 às 13:08

Concordo
Sem imagem de perfil

De rute a 20.09.2013 às 12:24

Também eu quando olho para as fotos da Vogue só consigo ver uma miúda a vestir as roupas da mãe. Será por ser mulher?
Sem imagem de perfil

De Mags a 20.09.2013 às 10:24

Concordo plenamente, porque há pais absolutamente com as prioridades e valores trocados.
A uma escala totalmente diferente, conto um episódio que me aconteceu. Uma marca de roupa de crianças portuguesa estava a fazer um casting para escolher miúdos até aos 4 anos para fotografar para o seu catálogo. O casting foi lançado no facebook, pelo que queriam miúdos normais, não os miúdos de agências.
Eu, mais por graça do que outra coisa, decidi inscrever o meu filho mais velho, de 3 anos. Foi quando me apercebi que há mães profissionais do "agenciamento" infantil. Fiquei chocada, horrorizada, as miúdas a treinar poses a pedido das mães e estas a incentivá-las imenso para fazerem assim e assado, com cabelos mais do que tratados no cabeleireiro, enfim... A permitirem que os miúdos faltem à escola para fazer sessões fotográficas, ou desfiles...
O meu filho acabou por não ser seleccionado, mas acabei por ficar aliviada, porque achei que aquele ambiente - competitivo, até - provocado por aquelas mães (não pela produção) não era muito saudável.

Comentar post


Pág. 1/2




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D