Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A mamã é médica #4

por Teresa Mendonça, em 10.01.13

O marido que frequenta este blogue escreveu acerca da sua fabulosa técnica de segurar chuchas: "A técnica consiste em agarrar a pega sem jamais tocar na parte reservada à Rita. É uma coisa só ao alcance dos verdadeiros profissionais. A não ser que o herpex simplex nãoseiquêsex seja recordista do salto em comprimento nas Olimpíadas Virais, estou relativamente confiante da minha inocência quanto à última maleita da minha filha. Até porque tenho pelo menos três excelentes álibis com menos de um metro e meio cá em casa."

Pois, caro esposo, tenho a dizer-lhe que, deixando de lado o facto de obviamente não haver qualquer hipótese de confirmar qual foi a causa da primo-infecção herpética da Rita (infecção inicial) e de eu me estar claramente a meter consigo, o vírus Herpes simplex 1 (causador do herpes labial comum) é muito  contagioso. E, já agora, muito frequente, pelo que 80-90% dos adultos portugueses são portadores do vírus, ainda que nunca tenham detectado vesículas típicas na sua pele ou mucosas. E os álibis que refere não se confirmam pois o nosso viral amigo já abancou nos neurónios dos seis habitantes da nossa casa (o vírus é neuroinvasivo e fica latente nas células nervosas, escondendo-se do sistema imune, sofrendo esporadicamente - ou não - episódios de reactivação).

Quer isto dizer que, com os orifícios que as novas chuchas têm para os bebés respirarem melhor e as propriedades escorregadias que a saliva (veículo de contágio do vírus) tem (não, não estou a dizer que se baba, apesar de haver uma relação comprovada entre a infecção pelo Herpes simplex e a Doença de Alzheimer), se quer ter a certeza de não contagiar mais nenhum bebé é melhor abandonar essa técnica inovadora. Uma vez que o vírus se transmite mais frequentemente por contacto directo da pele infectada ou pela saliva as outras causas de contágio mais frequentes são o beijo e a partilha de objectos pessoais (batons, escovas de dentes) ou copos/talheres.

Mas não se recrimine. O contágio ocorre, na esmagadora maioria dos casos, na primeira infância, pelo que a Rita, a viver nesta casa 100% infectada, iria receber a visita do herpezito mais tarde ou mais cedo. E agora, uma vez que a erradicação não é possível, temos que investir (como fazemos com os outros miúdos) em soporíferos para o vírus, para evitar que este acorde e provoque reactivações. São muitas as razões que parecem estar relacionadas com a reactivação: gripe ou outras infecções, febre, stress, exposição solar ou a frio intenso, alterações hormonais durante a menstruação ou gravidez, avulsões dentárias, ingestão de certos medicamentos ou alimentos... Por isso as regras básicas de promoção da saúde, que o nosso secretário de Estado recentemente referiu e que foram tão mal percebidas, também servem para evitar os surtos herpéticos. Mas isso são outras histórias.

Fiquemo-nos por lavar bem e frequentemente as mãos, usar protector solar, reduzir o stress, não partilhar objectos pessoais e deixar-mo-nos de beijoquices a pessoas que não conhecemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:59


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Eliana a 01.11.2013 às 22:43

o herpes nao é perigoso num bebe tao pequeno?
Sem imagem de perfil

De Arca Trapos a 10.01.2013 às 18:55

Ah, odiei estudar a família herpesviridae em infecciosas... Embora em animais, haha :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.01.2013 às 16:39

Eu acho que a reactivação foi causada pelo stress de ter de beber o leitinho toda torta... de qualquer das maneiras a culta é do pai (eh, eh, eh)
Sem imagem de perfil

De Teresa Mendonça a 10.01.2013 às 16:32

Cara Hélia. Há uma pequena confusão com vírus da mesma família. O vírus causador do herpes labial comum é o Herpes simplex 1 que é da mesma família (Herpesviridae) do vírus Varicella-zoster responsável pela varicela e a vulgar zona. Também o vírus Varicella-zoster, depois de desencadear a infecção primária = varicela, fica latente no nosso corpo em estruturas nervosas, sofrendo em 10-20% dos casos reactivação (por instalação de situações de imunossupressão) desencadeando a doença vulgarmente conhecida por zona.
Sem imagem de perfil

De macaca grava-por-cima a 10.01.2013 às 16:00

based evidence parenthood! não há como contrariar!!

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D