Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Alta ajuda e o sentido das discussões

por João Miguel Tavares, em 15.05.13
Caraças, isto é muito, muito bom:

Faz sentido discutir [num casamento], só não faz o sentido que aparenta fazer. As discussões carecem de objectividade sob todos os aspectos; elas são tortas, sinuosas, indirectas, mas por essas vias acabam chegando a algum lugar. Todo mundo já pôde notar que uma discussão que começa a respeito de um ponto simples e objectivo vai parar, horas depois, em velhos ressentimentos, ou mesmo se demora infinitamente em destrinçar minúcias do problema, cada um defendendo seu ponto, entrincheiradamente, enquanto a discussão, longe de se resolver, se agiganta, se complexifica, se agrava.

É claro que essas discussões (como toda a discussão, pois há sempre um imaginário em jogo, mas em nenhum lugar um imaginário mais susceptível do que no amor) são um espectáculo da erística [NA: a erística é a argumentação que, buscando unicamente a vitória num debate, abandona qualquer preocupação com a verdade], e é aí que elas se afundam indefinidamente. Mas o que está em jogo não é tanto superar o adversário que é o outro, como superar o adversário que é comum: a fadiga, o ressentimento.

O impossível da erística no casamento é que a disputa não pode ter um vencedor, nem terminar em empate, mas sim em dois vencedores. Esse impossível acontece. Portanto, faz sentido discutir, só que não o sentido que se propaga, como um vírus, na superfície das palavras – e sim um outro, subterrâneo, imaginário, um sentido não semântico, uma espécie de descarga, de (suja) limpeza. Até que, passada a fadiga, cessada a tormenta, o casal possa se olhar, nas palavras de Handke, como “duas pessoas que escaparam de uma catástrofe”.

O autor deste magnífico excerto é um brasileiro de 37 anos chamado Francisco Bosco. A Tinta da China vai lançar por cá um livro seu de estranhas crónicas, chamado Alta Ajuda. Vale imenso a pena.

Francisco Bosco

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:05


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.05.2013 às 12:22

Afinal, o seu blogue também faz serviço público!
Hei-de comprar o livro deste homem. Como é que ele sabe o que se passa lá em casa?
Margarida

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D