Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Ainda o pesadelo do Dia do Pai

por João Miguel Tavares, em 20.03.13
Voltando à história do pesadelo do Dia do Pai, aquilo que me impressiona quando penso nisso é o facto de a parte mais horrorosa do sonho, aquilo que me fez acordar de susto, não foi a Teresa ter seguido a sua vida, não foi ter-se casado com outro homem, não foi sequer ter tido filhos com ele - foi quando ele e ela começaram a ter uma discussão doméstica à minha frente.

O meu inconsciente malévolo esteve particularmente bem nessa parte. Aquilo que me magoou profundamente não foi a abstracção de "um outro homem" ou de "uma outra vida", projecções relativamente comezinhas, que qualquer pessoa já fez. Foi o concreto de uma discussão doméstica, aquelas discussões totalmente estúpidas que só temos com quem amamos ou com quem odiamos, mas que significam invariavelmente que existe uma enorme percurso em conjunto.

E pensando bem, isto é de um extraordinário engenho: eu revelo a minha maior intimidade com uma pessoa não quando vou para a cama com ela mas quando discuto com ela. Sabem que mais? É absolutamente verdade. As pessoas até podem ir para a cama com semi-desconhecidos numa one night stand. O que elas nunca farão é ter discussões idiotas, parvas, irritantes, aquelas discussões que têm escritas no meio da testa muitos-anos-a-virar-frangos-em-conjunto, com quem não conhecem bem.

E é notável olhar para essas discussões não como o resultado de anos e anos de desgaste de uma relação, mas como manifestações de amor. Quão twisted pode ser um pesadelo? Altamente twisted, devo dizer-vos. Eu acordei porque senti um ciúme brutal de uma discussão doméstica. Não do marido dela. Não dos filhos dela. Mas dessa profunda manifestação de intimidade que é permitirmo-nos que a tampa salte com quem vivemos há muito tempo. Foi aí que eu percebi "ela é de outro e não minha". Foi aí que eu percebi que toda a minha vida me fora roubada. E foi aí que eu acordei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:16


8 comentários

Sem imagem de perfil

De mim a 22.03.2013 às 10:53

é tão verdade!! Achei um piadão porque nunca tinha pensado numa perspectiva tao sexy da coisa (das discussões diga-se!) Espero que não se importe falei deste post no meu blog pois não queria deixar passar.
Continuem!!
Sem imagem de perfil

De Ana Rute Oliveira Cavaco a 21.03.2013 às 11:12

Se é para ter pesadelos, que sejam a sério! Até porque depois acordamos.
Sem imagem de perfil

De Quando For Grande Quero Ser Mãe a 20.03.2013 às 23:14

O João não existe! Adorei!
Deixe-me dizer-lhe que, mais uma vez, para escrever esta linhita de texto, escrevi e apaguei, escrevi e apaguei. Porque me deixa sempre com tanto para dizer... mas as minhas palavras ficam constrangidas ao pé das suas que são de uma riqueza extraordinária.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 20.03.2013 às 17:20

Bom, o meu marido por vezes queixa-se de eu conseguir ser absolutamente horrível nas nossas discussões. Eu digo-lhe sempre que é porque temos aquela relação em que (eu acredito que) o amor supera tudo, mas ele responde-me que por esse amor eu deveria controlar melhor a (excessivamente acesa?) argumentação.
Dois pontos de vista distintos, portanto. Mas eu sei que discuto muito mais abertamente com as pessoas que amo.
Isabel
Sem imagem de perfil

De Maria Eugênia a 20.03.2013 às 12:19

Sinceramente essas discussões conjugais apenas me cansam, não levam a nada e me deixam triste, mesmo sabendo que não são importantes. Tenho mesmo que ter um sonho/pesadelo desses para ver se vejo algo positivo nisso.
Mas achei muito romântica a maneira que colocou essa questão!
Sem imagem de perfil

De SN a 20.03.2013 às 12:14

Pois eu passava bem sem as discussões que nao usam nem máscara nem verniz.
Sem imagem de perfil

De Bruxa Mimi a 20.03.2013 às 11:42

Muito interessante esta reflexão: pôs-me a dar mais valor às minhas discussões conjugais que têm escrito "no meio da testa muitos-anos-a-virar-frangos-em-conjunto".

Nisso nunca tinha pensado, mas já tinha reparado que só quem eu amo é que verdadeiramente me pode magoar. Os outros podem irritar-me, tirar-me do sério com a sua postura, prejudicar-me, mas magoar-me, cá por dentro, só alguns conseguem, não porque tenham poderes especiais, mas porque são especiais, para mim.
Sem imagem de perfil

De Viajante a 20.03.2013 às 11:15

No fundo foi um pesadelo que quando acabou se transformou numa prenda... um gozar mais pleno do dia do pai. Curiosa reflexão sobre discussões conjugais.

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D