Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Separados à nascença

por João Miguel Tavares, em 01.10.13

No fim-de-semana passado, eu e os três filhos mais velhos fomos a um casamento ao Alentejo (a Teresa teve de ficar em Lisboa a tomar conta de uma Rita com bronqueolites, otites e outras chatices). E nesse casamento estava lá uma daquelas senhoras para entreter miúdos, com muito jeito para pinturas faciais. Aquilo faz sempre imenso sucesso entre as crianças, e embora já se saiba que a roupa lindinha-casamento vai ficar uma lástima quando eles começarem a passar as mãos pelas bochechas coloridas e de seguida pelo blazer e pela camisa, os pais aceitam qualquer coisa em troca de meia hora a poder apreciar em silêncio as cascatas de camarão (eu, pelo menos, aceito).

 

A Carolina resolveu pintar uma desinteressante borboleta na cara, com uns brilhantes que depois custaram a tirar como o raio. O Gui ficou um óptimo cão, com a língua vermelha de fora por alturas do queixo. E o Tomás foi mais arrojado, fazendo a vontade ao pai e avançando para o branco e preto esqueleto, naquilo que pretendia ser uma homenagem ao grande Jack de Nightmare Before Christmas. Ao Jack da imagem em baixo, para quem não conhece (volto a recordar que a mãe tinha ficado em Lisboa, e que tudo me era permitido):

 

 

E quando saiu das mãos da senhora, não se pode dizer que o Tomás estivesse longe dos objectivos originalmente traçados. Era um Jack muito apreciável, com aquela doçura assustadora que é própria da personagem criada por Tim Burton. Só que, com o correr das horas, a tinta foi dando de si, certas cores fugiram do lugar, e ao cair da noite, o Tomás já estava uma coisa parecida mas totalmente diferente, como se pode verificar nesta foto de qualidade duvidosa tirada pela sua irmã Carolina:

 

 

Eh lá! De repente, eu olhava para o Tomás e achava que ele me fazia lembrar alguém. E não, não era o simpático Jack. Até que, finalmente, se fez luz na minha cabeça: era o malvado Joker, no último filme interpretado por Heath Ledger antes dele ir desta para melhor. Por um momento temi que as portas se fechassem e o Tomás começasse a assaltar toda a gente.

 

 

Suponho que as pinturas faciais sejam como a vida: num piscar de olhos, aquilo que parece doce e cândido revela-se afinal terrivelmente perigoso. Felizmente, aos sete anos de idade, o Tomás ainda é um bocadinho novo para perceber isso. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Carla Sofia Fonseca a 03.10.2013 às 22:14

Adorei o texto!!!! E essa metamorfose do Tomás foi do melhor!!Até qualquer dia! Bj, Carla Fonseca( a animadora da festa como Ervilha Sininho) http://ideiasdizquedisse.blogspot.pt/

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D