Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Sobre bater (ou não bater) nas crianças #2

por João Miguel Tavares, em 14.10.13

Depois de ter colocado aqui o testemunho de uma filha sobre a possibilidade de bater nas crianças (ela apanhou algumas vezes quando era miúda e defende que foi justo e merecido), a leitora Helena Araújo respondeu com o seguinte comentário, que eu pretendo recomentar já de seguida, num outro post.

 

Se é para ouvir o que as crianças dizem, aqui vai o meu contributo, de casos a que assisti pessoalmente (mas nem todos são meus filhos):
1. Aos dois ou três anos: "Que é que fizeste? Magoaste-me! Tu não me podes magoar!"
2. Aos cinco anos: "Se me podes bater, também te posso bater." 
(agradeço que me expliquem como dizer a uma criança, de modo que ela possa compreender, que os pais podem bater, mas as crianças não.)
3. Aos seis anos, ao ver um filme sobre violência doméstica em que a câmara filma à altura dos olhos de uma criança, mostrando um adulto enorme e com ar zangado que se inclina ameaçadoramente para nós, já a descer a mão para dar a palmada: "isto é como cá em casa."
4. Aos treze anos, uma excelente aluna de judo, quando a mãe lhe deu uma bofetada, agarrou os pulsos da mãe e disse-lhe nos olhos: "De hoje em diante, só me bates se eu deixar."
5. Quem nunca viu uma criança a encolher-se toda quando o pai ou a mãe fazem inadvertidamente um movimento mais brusco com a mão?

Ao ler o testemunho da Sofia Silva perguntei-me várias vezes "mas porquê?" 
Porque é que a Sofia Silva precisava de fazer tantas asneiras? Porque é que precisava de ser respondona? 
Parece-me que perguntar-se "porque é que a criança precisa de fazer isto" é meio caminho andado para encontrar uma solução que a ajude a crescer bem, em vez do pequeno descarrilamento que é a palmada.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46


1 comentário

Sem imagem de perfil

De rita a 15.10.2013 às 19:07

Percebeu tudo errado!!!
Não é ouvir o que as crianças dizem! É ouvir o testemunho de uma adulta que, enquanto criança, levou as suas palmadas e as consegue compreender.. à distância.
Sei disto pois enquadro-me na mesma "classe". Também eu apanhei umas palmadas. Também eu estendi a mão ao meu pai para me castigar com uma valente palmada (nunca nos batia noutro lugar que não nas mãos.. ui, mas que pressão psicológica e que jogo o momento de a estender à sua ordem, e a espera até aquilo se dar) e me encolhi ao prever uma palmada ou beliscão da minha mãe.
Hoje sei: não podia ter sido de outra maneira.

Não tenho experiência como educadora - não tenho filhos - mas observo. Há crianças "domáveis" pelo castigo físico, outras vão lá mais pela conversa. O importante ao educar deve ser saber fazer a distinção e perceber o que é melhor para quem.
Eu era das de apanhar. Sem dúvida.

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D