Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Sobre bater (ou não bater) nas crianças #7

por João Miguel Tavares, em 16.10.13

Eu sei que já estou a bater um bocado nos leitores deste blogue com a história do bater nas crianças, mas antes de arrumar as palmadas por uns tempos ficam aqui duas visões de psicólogos portugueses sobre o tema.

 

Em primeiro lugar, Eduardo Sá (desta vez sem comentários sobre o seu tom de voz):

 

 

E depois o psicólogo Quintino Aires, num link sugerido pela leitora Ana:


http://www.tvi.iol.pt/videos/13795368

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:36


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Joana Mendonca a 17.10.2013 às 11:36

Estive uns dias sem aqui vir e de repente deparei-me com varios post sobre as palmadas. Eu que sou daquelas aves raras estranhas que acredita que é possível educar sem usar palmadas e que o faz. Poderia explicar porquê, mas parece que está decidido sobre "quem tem razão", ou o "lado que ganha". Esta luta já a perdi, e devo confessar que a perco com algum orgulho :) Felizmente não há pais perfeitos e erramos todos os dias. E apenas por vezes podemos escolher que erros não queremos fazer, sem qualquer garantia que acabaremos por os fazer. Mas, a maternidade tem sido para mim uma fonte de crescimento e aprendizagem sobre mim própria e sobre o mundo. Como se diz em Inglês: "when you become a parent, you become apparent", e isso é mesmo verdade!
Para mim, a coisa mais interessante dos blogues é a possibilidade da partilha que nos permite pensar. Foi também por essa possibilidade que comecei a escrever. Por isso, espanto-me que outros não vejam nesta partilha a possibilidade de pôr em causa as suas crenças e decisões, e de pensar nelas de outra forma. Claro que é sempre melhor para o ego (parental e não só) ter 72 comentários a dizer que concordam connosco, e a validar a nossa opinião. Mas se assim fosse, não tinha a mesma piada :)
Sem imagem de perfil

De Viajante a 16.10.2013 às 17:10

Não consegui ouvir o segundo, dava erro... E sabia que não devia ter ouvido o primeiro. Fiquei com uma vontade irresistível de lhe dar uma palmada. :P Valha-nos a era da comunicação à distância.

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D