Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Os crimes da Rita

por Teresa Mendonça, em 21.10.13

A Ritinha está muito desembaraçada. Corre a casa toda e mexe em tudo o que está ao seu alcance. Se alguma coisa lhe interessa, agarra-a e não a larga por nada deste mundo. Se lha queremos tirar bruscamente corremos mesmo o risco, em dias de pior disposição, de ser atacados à dentada (literalmente), qual cachorrinho zeloso do seu osso.

 

Até aqui, menos mal. Pior ou melhor, lá vamos lidando com a situação: ou tentamos fazer trocas com outros objectos do seu interesse, ou então desviamos-lhe a atenção por um momento, perguntando-lhe se quer ir à rua, por exemplo (e ela quer sempre!).

 

Só que por vezes acontece o pior. E o pior é quando a Rita surripia um objecto e nós a perdemos de vista por um instante. Resultado: não vemos onde ela vai esconder o osso.

 

Infelizmente, ela adora esconder as coisas de que gosta nos sítios mais mirabolantes, e nessas alturas o único remédio é mesmo empreender verdadeiras expedições exploratórias para tentar encontrar o local onde escondeu o tesouro. A maior parte das vezes sem sucesso, porque ela nunca se lembra de desenhar um mapa.

 

 Onde está o Wally? Quem consegue descobrir a chucha da Rita entre Gormittis, carrinhos e figuras Star Wars?


Há umas noites, enquanto eu preparava o jantar, a Rita resolveu arrancar das mãos da Memi um frasquinho de colírio que ela na altura tinha que aplicar no olho direito, de 4 em 4 horas, por ter tratado cirurgicamente uma catarata. A Memi sabe que a Rita é um prodígio a fazer desaparecer coisas mas não foi capaz de lho tirar da mão e foi ficando (ou melhor, tentando ficar) de olho nela. Só que quando chegou a hora de deitar e de aplicar as gotas... cadê o frasquinho com que a Rita tinha andado a brincar? Nem vê-lo!

 

Mãe e filhos (o papá não estava em casa) percorreram a casa toda de gatas à procura do frasquinho, mas nada. Depois de quase uma hora (sim, papá, nesse dia os miúdos não foram para a cama às 9h30m porque queriam ajudar a mamã), lembrei-me que por volta da hora do jantar tinha estado cá em casa o sr. Marques (o nosso salvador das avarias no lar) a arranjar o lavatório da casa-de-banho dos miúdos. E a Rita, como não podia deixar de ser, tinha ido bisbilhotar o que ele andava a fazer. Quando fui à casa de banho, eis que encontro caída num canto a embalagem das compressas com que a Memi limpa o olho depois de aplicar as gotas.

 

Encontrada a primeira pista, resolvi o mistério com um simples telefonema. Sim, tinha mesmo sido o mordomo.

 

- Boa noite, sr. Marques. Importa-se de ver na sua mala de ferramentas se encontra um frasquinho de colírio?

- Sim, sim, está cá. Precisa dele? É que eu já estou em casa [Nota: a casa do sr. Marques é em Algés e a nossa é no Areeiro]. 

- Não, não [mentirinha bem intencionada]. Muito obrigada, sr. Marques. Era só para saber.

 

Mas claro que não era só para saber - nós precisávamos mesmo das gotas. E lá fui eu a caminho da farmácia de serviço com a autora do crime ao colo, já que por causa de outro dos seus crimes (partiu-me o otoscópio na véspera), tinha de qualquer maneira que a levar a casa de uma amiga médica para lhe espreitar para o ouvido.

 

Não foi uma experiência particularmente agradável esperar 30 minutos na rua com uma bebé ao colo até ser atendida (tinha nove pessoas à minha frente e o farmacêutico fazia três viagens até à porta para despachar cada cliente, por isso a coisa foi demorada). Além disso, neste país já não há cavalheiros e nem me atrevi a exercer a prioridade a que tinha direito, dada a encalorada conversa sobre naifadas e snifadelas dos senhores que me precediam.

 

No final da noite, não sei se a Rita tinha aprendido alguma lição. Mas eu e a Memi aprendemos com certeza: tudo o que tem o mínimo de valor tem mesmo de ficar bem longe das suas mãozinhas de carteirista. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:34


4 comentários

Imagem de perfil

De Ssssstress a 21.10.2013 às 16:45

Essa coisa de o farmaceutico fazer 3 viagens por cada receita...
Porque não entregar a receita e o dinheiro ao mesmo tempo? Ou será que acreditam que o farmaceutico se refugiará numa qualquer prateleira com o troco e que não o entrega junto com o medicamento?
Quanto a cavalheiros... Eles "andem" por aí. A dificuldade está em encontrá-los!
Cumprimentos. (i 1 beijo à Rita)
Imagem de perfil

De Teresa Mendonça a 21.10.2013 às 19:34

Também me perguntei sobre o porquê de tantas viagens: a primeira para confirmar com a receita se tinha a medicação, a segunda para preparar o recibo e saber o valor a pagar, depois de confirmar com o doente qual o genérico ou marca que preferia e a última para fazer o troco/trazer o aparelho de multibanco portátil antes da emissão da factura. Complicado.
Imagem de perfil

De momentosdisparatados a 21.10.2013 às 09:11

Bem, a Rita pode ser uma "terrorista" mas faz a mãe criar um post que nos faz rir do principio ao fim. Olha sorte do pai em não estar em casa.
Boa semana
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 26.10.2013 às 13:47

Enquanto ela não mexer na carteira e chaves dos pais, eles estão com sorte

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D