Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A pulseirinha

por João Miguel Tavares, em 22.10.13

Isto que vocês podem ver na imagem

 

 

é (além da minha mão) uma pulseirinha bastante ridícula que me foi oferecida pelo meu filho Tomás. Ele passou uma fase, juntamente com a Carolina, dada ao artesanato, que metia muitos fios de lã que se entrecruzavam, e tal. Às vezes ainda passam horas naquilo, fio para cá, fio para lá. 

 

A Carolina faz isso bastante bem e as pulseiras dela parecem pulseiras. O Tomás faz isso muito mal e as pulseiras dele não se parecem com nada. Mas como, em compensação, o Tomás é bastante mais generoso do que a Carolina, e está sempre a tentar agradar aos pais (um bonito hábito), certo dia ele apareceu-me com a pulseirinha que vêem em anexo, e que basicamente consiste em quatro fios entrelaçados sem graça nenhuma. "É uma pulseira para ti, papá." E o papá lá teve de fazer um sorriso amarelo de "oh, muito obrigado, Tomás, que querido", ao mesmo tempo que assistia à pulseira a ser presa ao seu pulso com um terrível nó cego.

 

Felizmente, poucos dias depois um dos quatro fios cedeu e eu animei: "Fixe, isto vai partir-se depressa." Qual quê. Desde então não houve um único pedaço que tenha cedido, e eu sou obrigado desde há três ou quatro meses a andar com um fio laranja, um fio branco e um fio azul pendurados do pulso, como se fosse um adolescente de 16 anos. Eu sempre gozei com aquelas pulseirinhas que os turistas trazem quando regressam de Salvador da Bahia, e que têm de aguardar que se esfarelem e caiam de podres porque cortá-las dá azar - e, de repente, eis que me vejo na mesma situação, sem sequer ter tido direito à viagem ao Brasil.

 

Há pessoas atinadas que me dizem, diante das minhas queixas pulseirísticas: "E que tal cortares isso com uma tesoura?" Ao que eu respondo: "Mas assim o Tomás ficava triste." Ao que me replicam: "Duuuuhh... o Tomás não tinha de saber. Dizes-lhe que a pulseira caiu e pronto."

 

Só que este "pronto" não é nada pronto para mim. É que eu, por princípio, não minto. E muito menos aos meus filhos. Não há cá mentirinhas piedosas, caridosas, fogosas, melindrosas ou gasosas. Eu não lhes minto, ponto. Certamente que não lhes digo tudo, com certeza que omito muito e obviamente que guardo numerosas opiniões para mim, mas dizer que uma pulseira caiu quando fui eu que a cortei não entra no meu enquadramento mental nem nos valores que lhes quero passar.

 

E assim, cá continuo a arrastar esta pulseira, como uma grilheta. É o meu pequeno sacrifício pelo amor à verdade e ao meu filho Tomás. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:26


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.11.2013 às 08:51

Como nao mente? mente sim e da pior forma, no sentir. Diga frontalmente ao seu filho que nao gosta da pulseira, se gosta deixe-se de pieguices e admita-o. Agora escrever estas patetices so porque sim....
Sem imagem de perfil

De Sonia a 23.10.2013 às 22:52

Oh pah, por vezes parece que és um bocado duro com as crianças mas por outras és tão mas tão querido. Que gargalhada acabei de dar com a tua história.
Sem imagem de perfil

De Teresa Pinho a 22.10.2013 às 22:55

Mas, se o João Miguel Tavares achasse que era assim tão mau usar a 'grilheta', não faria um post sobre respeito e transmissão de valores usando a pulseira como pretexto - e muito menos um post com fotografia da mesma!
Confesse lá que até já se afeiçoou aos "quatro fios entrelaçados sem graça nenhuma" e fica todo babado com o Tomás sempre que repara que a pulseira ainda lá está...
Imagem de perfil

De momentosdisparatados a 22.10.2013 às 22:35

O amor é indo e exige alguns sacrifícios.
O puto fica feliz e o pai também apesar de tudo.
Uma optima semana
Sem imagem de perfil

De Paula a 22.10.2013 às 22:19

Não mentir NUNCA aos filhos é um excelente principio.
Mesmo que obrigue a andar com pulseirinhas ridiculas...
vidademulheraos40.blogspot.com (http://vidademulheraos40.blogspot.com/).
Sem imagem de perfil

De Inês Sofia a 22.10.2013 às 17:59

O Tomás é um verdadeiro príncipe. Organizado, obediente, carinhoso, dos quatro deve ser o que dá menos trabalho!
Como se diz aqui no Norte, "é uma jóia de moço"!
Sem imagem de perfil

De Teresa Muge a 22.10.2013 às 17:58

Ah ah ah! O que vai aí pendurado no pulso são muito mais do que três fios coloridos: é o próprio Tomás. Ainda bem que há pai que percebe isso; e se a pulseirinha é ridícula, o amor não é. O Tomás se calhar também sabe isso muito bem! Jinhosss...
Sem imagem de perfil

De ella a 22.10.2013 às 17:37

Mais ou menos por volta dos 6 anos a minha irmã também passou pela mesma fase, mas como é muito dada ao empreendedorismo decidiu vender por toda a família, amigos dos pais e por entre as filas de barracas na praia. Eram exactamente como a da fotografia mas toda a gente comprava! Um sucesso!
Sem imagem de perfil

De Susana Neves a 22.10.2013 às 17:24

O pior mesmo é não ter tido a parte da viagem ao Brasil :)
Sem imagem de perfil

De Lígia Veiga - Gigi a 22.10.2013 às 16:03

JMT eu acho que a pulseira é o máximo.

Comentar post


Pág. 1/2




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D