Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Estás melhor, papá?

por João Miguel Tavares, em 28.11.13

Cada um dos meus filhos tem as suas qualidades e os seus defeitos, e ao Tomás coube um coração do tamanho do mundo. É curioso como essa extraordinária qualidade nos angustia tanto (a mim e à Teresa), porque por causa dela o achamos sempre menos preparado do que os outros filhos para enfrentar as agruras da vida. O nosso esforço em relação à Carolina é tentar convencê-la a pensar mais nos outros e menos em si própria. O nosso esforço em relação ao Tomás é tentar convencê-lo a pensar mais em si próprio e menos no que os outros dizem ou pensam dele.

 

Claro que as crianças mudam muito, claro que a adolescência os pode virar do avesso, mas eu olho para os nove anos da Carolina e acho que tenho ali uma filha preparada para a vida, no sentido em que ninguém vai andar a passar por cima dela sem que ela se queixe (e muito). Já quando olho para os sete anos do Tomás, tenho medo por antecipação de todas as pessoas que lhe hão-de partir o coração.

 

É como se a bondade que adoramos ver nos outros ganhasse nos nossos filhos uma pequena sombra negra, relacionada com o facto de o ser bom ser uma forma de entrega que nos deixa, muitas vezes, sem defesas. Adoro que ele seja tão bom. Tenho medo por ele ser tão bom.

 

Ontem, eu não me estava a sentir nada bem. Alguém me terá transmitido um bicho qualquer que me deixou abananado e mal disposto. Quando os miúdos chegaram a casa, expliquei isso a todos, pedindo para se portarem bem no banho, ao jantar e ao deitar, porque o papá estava cansado e com pouca paciência.

 

A Carolina e o Gui disseram que sim com a cabeça e portaram-se exactamente como se costumam portar. O Tomás, pouco depois, chegou ao pé de mim com esta folha de papel:

 

 

A família, sempre a família. E hoje de manhã, a primeira coisa que me disse ao acordar, foi: "Papá, estás melhor?"

 

Foi tão bonito aquele "papá, estás melhor?", que certamente o acompanhou durante toda a noite, para ainda estar fresco na sua cabeça ao acordar.

 

Nenhum dos outros me perguntou tal coisa, nem é suposto perguntarem: os pais são aqueles super-homens que levantam garrafões de água de cinco litros só com uma mão, os põem às cavalitas, e estão sempre disponíveis, em todas as ocasiões. Mas o Tomás é diferente. Preocupa-se com a fragilidade dos outros, é capaz de arrumar ele próprio o quarto de brincar sozinho se vir que eu estou à beira de castigar o Gui por ele ser tão desarrumado, sacrifica-se com a maior das facilidades para que os outros possam ser felizes. É um miúdo extraordinário.

 

O Tomás é um dos meus maiores orgulhos.

 

O Tomás é uma das minhas maiores preocupações.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23


17 comentários

Sem imagem de perfil

De Ana Maria a 29.11.2013 às 16:17

Também tenho uma Tomás :). E também me angustio com o que poderá ser a vida dela, tão sensível e preocupada.
Se estou doente ou lhe digo que estou triste, anda à minha volta perguntando se o meu coração já está grande ou ainda está pequenino, doente.
Chorou quando viu a história do capuchinho vermelho (cá em casa a avó foge, não é comida), ficou triste quando pensou que um amigo não tinha mãe. E isto com 3 anos.
Sabe, João... agradeço-lhe. Porque me tenho questionado muito relativamente a educação que estou a dar à minha filha, se não estarei a tomar opções que a tornam assim, frágil, e não mais forte. Não sou superprotetora, desvalorizo os choros e os dramas, ensino pela experiência que um garfo magoa ou que a lareira é quente. Mas mesmo assim questiono-me.
Só que... quando leio o seu testemunho, de um pai de quatro que - com a mesma educação, ou próxima, estou certa - tem filhos com personalidades diferentes, convenço-me de que não somos responsáveis por tudo e que sim, há crianças mais sensíveis que outras.
Isso ou é da genética: é que segundo a minha mãe, eu chorava porque "o Marco não tem mamã", e para mim todos os velhinhos eram pobres e doentes... :)
Sem imagem de perfil

De ana rute cavaco a 29.11.2013 às 13:37

O Tomás da nossa vida chama-se Marta.
Sem imagem de perfil

De Viajante a 29.11.2013 às 12:31

Tão curioso que alguns aspectos tão positivos dos nossos filhos nos preocupem e outros menos bons nos descansem. Eu sinto o mesmo... mas diz bastante de como vemos o mundo, não é? E eu julgo que a imagem é verdadeira. De uma forma ou de outra lá encontrarão as suas defesas. Dos meus 3 acho que nenhum tem tanta sensibilidade, mas às vezes há momentos que nos tocam de facto.
Sem imagem de perfil

De Gostamos Disto a 29.11.2013 às 10:52

Por aqui gostamos muito de corações grandes e altruístas mesmo com todos os riscos que isso possa trazer.
Por aqui temos uma pequena A. quase a fazer 4 anos que quer tudo à sua maneira, que luta pelo que quer e nos surpreende com comentários extraordinariamente sensíveis que nos faz esquecer qualquer birra.
Cada um ao seu jeito encontrará o lugar na sua emocionante vida.

Obrigada pela partilha! Gostamos muito.
Sem imagem de perfil

De Raquel a 29.11.2013 às 00:29

Haverá de certeza quem partilhe com orgulho e admiração, esse coração de ouro!!! Vão ser muitos os VERDADEIROS AMIGOS, a deixar a um canto os dissabores da vida.
Beijinho ao Tomás
As melhoras ao pai
Imagem de perfil

De pipocateresa a 28.11.2013 às 21:38

Adorei o post porque o senti na alma. A minha filha mais velha é assim. Penso muitas vezes que ela é uma "luz" que veio para iluminar a vida de todos quanto se cruzam com ela. Doce, simpática, meiga, bondosa. Tinha ela pouco mais de 1 ano, num Natal frio que fomos passar ao Norte. A minha sogra entra em casa, um pouco ofegante devido ao frio (tem bronquite), sentou-se aflita numa cadeira. A T. estava sentada no tapete a brincar, vê a avó assim, levanta-se com o seu andar ainda hesitante e deitou a cabeça no colo da avó. Apenas isto. E tanto. Gosto muito que seja assim, mas tenho também tenho muito medo. Beijinho e parabéns pelo blog que sigo religiosamente!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.11.2013 às 21:12

Que engraçado, também tenho um Tomás assim ( já com 15 anos). Será do nome?
Parabéns pelo blog!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.11.2013 às 21:11

Tão bonito.
Sem imagem de perfil

De Sofia a 28.11.2013 às 19:58

O seu filho de ser HSP(highly sensitive person) e acredite que não tem que ter qualquer receio. Uma pesquisa sobre HSP poderia ajudar :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.11.2013 às 19:19

João Miguel Não vale a pena preocupar-se por antecipação.Lá dizem os franceses''Anteciper les malheurs,c'est les subir deux fois' Eu tinha um Tomás e os mesmos receios. Eis senão quando, mal dei por isso, tinha mudado. O irmão, que era +Carolina,também. mudou. Quando lhe fiz essa observação,disse-me:'pois é,troquei com o N.'' As melancias acabam sempre por acomodar-se com o andar da camionete. Hoje,quase da idade da mãe dos seus filhos,são trabalhadores, bons filhos, boa gente. Abraço para todo o clã. Escrevam sempre e as melhoras. e.t.a. p.s.Está uma delícia o desenho da família...

Comentar post


Pág. 1/2




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D