Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Hesitei durante bastante tempo se haveria de escrever este texto, por me parecer um assunto demasiado íntimo para trazer aqui para o blogue, mas a Teresa achou que sim, que eu deveria, e no caso em apreço a palavra da Teresa é quase tudo. Além disso, a escrita obriga-nos a verbalizar o que muitas vezes fica esquecido dentro de nós, e pode ser que essa emersão de sentimentos sirva pelo menos de algum consolo para quem sofreu muito mais do que merecia.

 

Após uma longa luta de cinco anos contra a PAF (uma forma de paramiloidose conhecida em Portugal como a "doença dos pezinhos", um nome estupidamente infantil para uma doença degenerativa absolutamente devastadora), a Armanda, esposa do meu único irmão, e mãe dos meus sobrinhos Catarina e João Bernardo, faleceu em Lisboa no dia 24 de Dezembro, com apenas 44 anos.

 

Durante o seu último e prolongado internamento no Hospital Curry Cabral, a Armanda passou os fins-de-semana em nossa casa, e esta é uma das suas últimas fotos, tirada pelo meu irmão no seu quarto, junto com a Ritinha. Adoro que a Armanda se esteja a rir. Os nossos filhos gostavam muito da tia, e na sua invejável ingenuidade andavam contentíssimos por ela passar sábados e domingos cá em casa.  

 

 

A Armanda está a rir-se, e este meu texto pretende respeitar o seu sorriso. Não é difícil imaginar - embora seja impossível sentir - o que significa para uma menina de 11 anos e para um adolescente de 15 perder a mãe na véspera de Natal.

 

Este é um daqueles momentos em que é muito fácil soçobrar perante o peso da morte e o absurdo da existência. Mas deixar que o desânimo sem esperança se abatesse sobre nós seria um profundo desrespeito pela memória de uma mãe que sempre procurou manter os filhos à porta da sua dor. O Natal é a época por excelência da família, e o que todos tivemos de fazer foi ser mais família do que nunca, cada um - incluindo o Gui, o Tomás, a Carolina e a Rita - fazendo o seu papel para aliviar a dor de quem mais estava a sofrer.

 

O sofrimento nunca se deseja, mas saber aceitá-lo - e partilhá-lo - é um dom inestimável: em vez de uma dor estéril, que nos isola, aprofundamos os laços que nos unem uns aos outros. Canalizamos a dor para o amor. O que podemos fazer quando uma mãe tão jovem morre numa tarde de véspera de Natal? Não desistir, não adiar: antes celebrar o Natal em sua honra, e em honra do maravilhoso dom da vida que concedeu ao João e à Catarina.

 

Foi isso que fizemos. Todos juntos, em nossa casa. Conversámos, partilhámos, e a sobremesa dessa noite foi preparada com um doce de abóbora que a própria Armanda tinha feito e nos tinha oferecido há algum tempo. Os nosso filhos, por vezes tão esquisitos na hora da sobremesa, comeram o doce de abóbora sem pestanejar (incluindo a Rita, que lambeu a colher), no que foi um verdadeiro milagre de Natal e um pequeno, mas muito sentido, gesto de amor pela sua tia. E quando chegou a hora de trocar as prendas, a própria Ritinha soube fazer a sua parte, animando-nos com uma incrível toilette natalícia.

 

 

No seu último disco ao vivo, gravado em Londres em 2009, Leonard Cohen - um homem que eu escuto com a devoção de um profeta, e que me parece ter alcançado um outro patamar de sabedoria - faz uma introdução ao tema "Ain't no Cure for Love" onde lista com ironia todos os antidepressivos que já experimentou, acrescentando ainda que ao longo dos anos se dedicou a estudar profundamente várias filosofias e religiões. E no entanto, apesar de tudo isto, apesar de uma procura frenética e por vezes desesperada de um sentido para a vida, ele conclui: "cheerfulness kept breaking through". A alegria insistia em aparecer.

 

 

O que espanta não é, pois, a existência do sofrimento e a falta de sentido da morte - é que, apesar de tudo isto, apesar do "vale de lágrimas" e mesmo após uma dor tão profunda, a alegria insista em aparecer. Como apareceu na simultaneamente mais devastadora e mais consoladora noite de Natal dos meus 40 anos.

 

No funeral de dia 26 não se ouviu Leonard Cohen. Mas no final da missa o meu mano leu do púlpito um excerto do "Poema do Menino Jesus", de Fernando Pessoa, que a Armanda adorava, numa versão mais curta que a Maria Bethânia declamou num dos seus concertos e que termina assim: 

 

Quando eu morrer, filhinho,
Seja eu a criança, o mais pequeno.
Pega-me tu ao colo
E leva-me para dentro da tua casa.
Despe o meu ser cansado e humano
E deita-me na tua cama.
E conta-me histórias, caso eu acorde,
Para eu tornar a adormecer.
E dá-me sonhos teus para eu brincar.

 

"Dá-me sonhos teus para eu brincar." Adoro a imagem de uma mãe entretendo-se na eternidade com os sonhos dos seus filhos. Honrar a sua memória é, por isso mesmo, sonharmos ainda mais alto do que antes, aprendendo a ser melhores filhos, melhores pais e melhores irmãos. Tanto por ela como por nós, até ao dia em que todos voltaremos a estar reunidos.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:40


65 comentários

Sem imagem de perfil

De Filipe Serrote a 23.01.2014 às 00:16

A Armanda foi a minha primeira colega no Município de Portalegre e gostava muito dela. Sempre muito faladora, animada e divertida, contagiava sempre o nosso ambiente com as suas histórias. Tive o privilégio de partilhar várias conversas com a minha amiga Armanda. Um dos assunto que nos unia era a Covilhã, onde eu tirei a minha licenciatura e mestrado e onde a Armanda nasceu...

Mais tarde conheci o Romualdo. Extraordinário ser humano que desde logo comecei a gostar. Sei que uma Mãe não é substituível, mas também sei que o Romualdo vai fazer tudo para minimizar essa ausência!

Quero deixar um abraço sentido a toda a família.

Filipe Mouzinho Serrote
Sem imagem de perfil

De Valério a 18.01.2014 às 10:08

Sou o professor da Catarina e quero deixar aqui um beijo para ela, com muita amizade, e um forte abraço para toda a família.
Sem imagem de perfil

De Sílvia a 09.01.2014 às 11:12

Sinto muito...
Sem imagem de perfil

De Ana Paula Tanganho a 04.01.2014 às 21:55

sou da covilhã e conheci a Armanda quando fomos tratar o pai dela,e realmente ela transmitia uma paz,um sorriso simples mas sincero...foi uma grande lutadora...quando soube fiquei gelada.Gostei do que escreveu e desejo o que houver de melhor para a sua familia
Sem imagem de perfil

De Carla Ramos a 04.01.2014 às 00:06

Sou uma atenta seguidora do blog... mas nunca pensei receber esta notícia tão triste aqui. Sou da Covilhã e, apesar de algo mais nova que a Armanda, também eu me lembro dela pois crescemos na mesma zona. E é com enorme agrado, não por convenção "pós-morte", que afirmo que todos os elogios que lhe são dirigidos são merecidos. Uma pessoa tão afável, serena, positiva... que nos fazia sentir bem com a vida. Por tudo isso, acredito que esteja num lugar melhor e velando pelas pessoas que amou. Do fundo do coração os meus sentidos pêsames a todos eles.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 02.01.2014 às 21:59

Amigo João,

penso que neste momento as palavras "só atrapalham"....pois tudo o que possa escrever, seguramente, não conseguiria expressar o que senti.
Aquele abraço amigo...para todos vós.

Rui Quintino
Sem imagem de perfil

De António Pina a 02.01.2014 às 20:07

Não conhecia a Armanda mas fiquei a conhecer alguém que no fim de contas também é um pouco de mim a morrer, a viver e a renascer.
Afinal, sem nos conhecermos, não somos nós todos iguais e não sentimos nós todos os mesmos sentimentos?
O texto de JMT é uma grande homenagem!
Sem imagem de perfil

De Isabel Carrola a 02.01.2014 às 16:37

A Armanda era minha amiga de infância. Fomos colegas nos quatro anos da escola primária do Rodrigo (Covilhã). Era uma pessoa extraordinária! Quando, há quatro anos atrás, me contou o mal de que padecia, com uma tranquilidade desconcertante, desatei a chorar descontroladamente e foi ela que me animou (imaginem!). Nunca esquecerei o seu sorriso, a sua alegria de viver, a sua bondade e tranquilidade exemplar. Há pessoas que marcam pela sua força interior, pela sua coragem e pela sua humildade. A Armanda era uma delas...
Sem imagem de perfil

De Teresa Alexandre a 02.01.2014 às 14:17

Oh, Joao, que tristeza!

Desde que li este post ainda nao consegui parar de chorar.
Para mim o Natal também foi triste, porque apesar de o meu pai ainda estar vivo, nao pôde passar o Natal connosco e eu tive a consciência de que foi muito provavelmente o seu último Natal.
Eu tenho 43 anos, a minha relacao com o meu pai foi sempre extremamente difícil, mas vê-lo definhar com um linfoma no cérebro, falar com ele e realizar que ele já nao é a pessoa que era, porque o tumor já lhe mudou a personalidade e destruiu grande parte da memória... é muito duro. Eu sempre pensei que ele ia chegar aos 101 anos, como o pai dele. E afinal vai morrer provavelmente antes de chegar aos 69...
O meu grande consolo tem sido a fé em Deus e a minha filha de 4 anos, que, depois de quase 5 meses sem ver o avô, nao teve medo nehum nem estranhou nada. Abracou-se a ele, fez-lhe festinhas, deu-lhe beijinhos e escreveu-lhe uma carta (ela ditou em alemao e eu traduzi e escrevi em português) que nem parecia de uma crianca. Entre muitas coisas disse-lhe que ele tinha que pedir a Deus para lhe tirar o "caranguejo" (em alemao é a mesma palavra para caranguejo e cancro, por isso ela acha que o avô tem um caranguejo escondido na cabeca, que nao quer sair).
Agradeco a Deus o poder ter-me despedido do meu pai (a última vez que eu o vi foi em Agosto, antes de lhe ter sido diagnosticado o cancro, e despedi-me dele de mau jeito, porque achava que ele andava a fazer fita), ter-lhe dito que gostava muito dele, ter-lhe apertado a mao...
O nosso Natal este ano foi diferente, porque foi a primeira vez que passámos a consoada e o almoco de Natal em casa de familiares, em vez de festejarmos na nossa casa. Mas foi tao bom! Sentir que a família nos apoia, que nao estamos sós. E fomos visitar o meu pai a seguir ao almoco e ele ficou tao contente!

Os meus sentimentos para toda a família!

E obrigada por este post.

Um grande beijinho desde a Alemanha
Imagem de perfil

De João Miguel Tavares a 02.01.2014 às 15:17

Muita força, Teresa. E um grande beijinho para ti de todos nós.
Sem imagem de perfil

De Aires Duarte a 02.01.2014 às 10:57

Conheci a Armanda no ano de 1989. Numa sala de aula da UBI, quando nos reúnimos para a primeira aula do Curso de Sociologia. Era o de mais idade numa sala de jovens e de muita animação. E, assim, também eu fui atingido por aquela juventude e animação, rodeado de tantas colegas jovens e bonitas, de que a Armanda se destacava. Erradiava simpatia e afabilidade. Tais atributos, per nature, fizeram com que, aliados à minha franqueza e desassombro nas relações, nos tornássemos bons colegas e amigos. Coisa que nunca mais desapareceu, nem desaparecerá.
E nos anos de curso constituimos sempre grupos de trabalho que integravam também uma outra colega - a Lina Oliveira. Foi um grupo espectacular, de grande companheirismo em que prevalecia a solidariedade e a amizade.
Para ilustrar aquilo que acabo de afirmar vou vos contar um episódio que retrata a qualidade da mulher que era a Armanda.
A disciplina de Estatística não era para mim tarefa fácil. Por várias ordens de razão que agora não vêm ao caso. Certo é que não era, e, por isso, tive que adiar a sua conclusão para os exames de segunda época, em Setembro.
A Armanda sabia da minha dificuldade e disponibilizou-se no período de férias escolares a trabalhar comigo aquela disciplina. E assim foi, sacrificou parte das suas férias. Diariamente lá ia eu para casa dos pais dela fazer exercícios de Estatística. Fomos recompensados com a conclusão da disciplina e assim não deixei para trás uma cadeira que, provavelmente, se tornaria mais difícil de fazer. O meu coração ficou eternamente grato. E ela sabe isso, lá onde estiver.
Sem imagem de perfil

De Aires Duarte a 02.01.2014 às 12:03

Corrijo um erro: Irradiava

Comentar post


Pág. 1/7




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D