Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





1 milhão de visitas!

por João Miguel Tavares, em 30.04.13
O Pais de Quatro atingiu a marca do 1 milhão de visitantes. Tendo em conta que começámos a meio de Dezembro, não está nada mal. Muito obrigado a todos os que se dão ao trabalho de passar por aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10


Por qué no te callas, ó Balotteli?

por João Miguel Tavares, em 30.04.13
Este é Mario Balotelli, o grande bad boy do futebol actual. Eu gosto do Balotelli: para além de ter uma história de vida especial, é grande jogador, imprevisível e bastante maluco, o que é de saudar num desporto cada vez mais feito de jogadores plastificados, que só vão às conferências de imprensa dizer que é preciso respeitar o adversário, que o mais importante é a equipa e que é preciso levantar a cabeça. Balotelli não alinha. E toda a gente (excepto os seus treinadores) adora desalinhados.



Apresentado Balotelli, importa agora apresentar a nova namorada de Balotelli, Fanny Neguesha, uma modelo belga sobre a qual ele disse: "é a primeira mulher com quem me sinto confortável". Tendo em conta que as modelos com quem ele andou davam para fazer vários desfiles da Moda Lisboa, esta pode ser entendida como uma comovente mensagem de amor.



A relação entre os dois parece, portanto, ir de vento em popa, ao ponto de ela até já partilhar momentos de grande intimidade no Instagram:


Bonito. Mas não se assustem, que este blogue não se tornou subitamente cor-de-rosa. Toda esta história tem um motivo, que são estas declarações de Mario Balotelli: "se o Real Madrid [NR: para quem não acompanha o futebol, o Real perdeu na Alemanha com o Borussia por 4-1 na primeira mão das meias finais da Liga dos Campeões] conseguir passar esta eliminatória, deixo que a minha namorada durma com todos os jogadores". Ah. Ah. Ah. (Gargalhada seca.)

Graças a esta frase tive ontem uma enérgica discussão na redacção da Time Out. A rapaziada do meu trabalho estava toda animada a comentar as declarações do jogador italiano, como quem celebra a mais recente manifestação de absurdo balotelliano. E eu, estranhamente, acabei a fazer a figura do avozinho, que é uma coisa que sempre me aflige. Se calhar sou eu que estou a ficar quadradão, mas sempre lidei mal com objectificações neanderthais de mulheres.

Se essa objectificação for voluntária, ou seja, se ela partir (livremente) do lado da mulher, eu não tenho nada contra. No meu entendimento, cada um tem o direito a fazer com o seu corpo o que bem lhe apetecer, seja prostituir-se ou fazer de bibelô em anúncios de automóveis. Se a frase do Balotelli fosse "a Fanny disse-me que estava doida por papar o plantel inteiro do Real Madrid, e eu disse-lhe que por mim tudo bem, desde que eles ganhem ao Dortmund", eu não teria nada a objectar. Era vontade da Fanny e o gang bang é uma actividade muito democrática.

O meu problema com a frase de Balotelli é que a Fanny não disse nada. E ao não dizer nada, Balotelli aparece na comunicação social a oferecer a namorada, como se ela fosse propriedade sua. Há quem ache divertido, há quem ache que é uma simples piada - mas eu, que me rio de tanta coisa, e que me honro de ser um gajo muito pouco susceptível, neste caso pendurei o meu melhor sorriso amarelo.

Rir de alguém que está a oferecer aos outros a sua mulher é sempre ficar do lado daquele marialvismo bacoco que tem dificuldade em olhar para o sexo feminino sem as lentes da subserviência. Eu escutei argumentos como "afinal, é mulher de um jogador de futebol" - e todos nós sabemos que as mulheres dos jogadores de futebol são um bando de gajas indistintas a querer dar o salto na horizontal e sempre doidas por pinar com qualquer caparro musculado, não é?

Muitas delas até podem ser. Mas isto é como Abraão a interceder por Sodoma: ainda que só haja um justo na cidade, ele não merece ser confundido com os outros. Generalizações e objectificações no que diz respeito a seres humanos são coisas mesmo muito feias. E tratar alguém como se não tivesse existência e vontade próprias dá-me cabo dos nervos. O Balotelli até pode ser o maior. Mas naquele caso foi um grande parvalhão. Ele que peça desculpa à Fanny e não volte a repetir. Ou então que ofereça o seu próprio traseiro para divertimento do balneário do Real Madrid.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:28


Quem foi o gajo que inventou os bichos da seda?

por João Miguel Tavares, em 29.04.13
Como se não bastasse ter de arrastar quatro putos até ao litoral alentejano, num monovolume com malas até ao tecto, eis que a nossa última viagem em família foi acompanhada de uma caixa de sapatos furada. Com o quê lá dentro? Eu sei que vocês já adivinharam. Sim, bichos da seda.


Eu adorava bichos da seda quando era pequenino. Mas entretanto aprendi a odiá-los, desde que se tornou obrigação dar-lhes hospedagem doméstica a cada Primavera. Primeiro, era só em casa. Mas agora também já fazem excursões: eis a nossa simpática família de 10 bichos da seda, em pleno Zmar. Ainda bem que eles foram introduzidos clandestinamente na nossa Zvilla - de outra forma, cobrar-nos-iam a estada.

E pergunta o caro leitor muito inteligentemente: mas por que raio foram vocês acartar com uma dezena de lagartas para o Alentejo? Boa pergunta. Fomos acartar com lagartas porque sexta à tarde já não havia mantimentos para os bichos, que são muito dados ao alimento. Donde, não os pudemos deixar à míngua durante dois dias inteiros. E assim, na sexta-feira, antes de sairmos de Lisboa, a excelentíssima esposa e o excelentíssimo esposo tiveram de andar à cata de folhas de amoreira, já com os putos todos enfiados no carro.


Ora, eu percebo tanto de árvores como de bilhar às três tabelas (minto: percebo mais de bilhar às três tabelas), de modo que preciso sempre de ser assistido nessa nobre tarefa de descobrir que raio é uma amoreira, antes que envenene os bichos com uma folha de qualquercoiseira. Felizmente, a excelentíssima esposa não só parece ter descoberto o que era uma amoreira após investigar o assunto (nem imaginam como acho isso admirável), como vislumbrou um espécimen perdido a um quarteirão da nossa casa.

Claro que quando chegou a altura de atacar a folha da única amoreira na zona da Avenida de Roma, adivinhem a quem coube a tarefa? Ah, pois. E então, estava eu em pleno processo de gamar folhas de amoreira, já juridicamente indeciso se aquilo era legal ou não (ó juristas que visitam o Pais de Quatro: a malta pode roubar folhas a árvores públicas ou incorremos num qualquer delito?), quando sou verbalmente atacado por uma senhora muito velhinha, acabada de sair de um prédio vizinho da maltratada amoreira.

E a senhora velha começa logo a queixar-se, brandindo a bengala. Que as pessoas estragavam a pobre amoreira, que aquilo era uma vergonha, coitadinha da árvore, tão raquítica e tantas vezes transformada em banco alimentar. Eu pedi imensa desculpa e tentei confundir a velhinha com um paradoxo existencial: está bem que a árvore não gosta que lhe tirem as folhas, mas se as folhas não lhe forem tiradas, do que é que se alimenta um bicho da seda? O que vale mais aos olhos da Deus: uma família de bichos da seda famintos ou uma amoreira aliviada de uma dúzia de folhas?

Mas já se sabe: as velhinhas, embora com certa queda para a filosofia, não são muito dadas a este género de reflexões. Razão pela qual ela se afastou a resmungar e a chamar-me nomes. Resultado: como se já não me bastasse ter a casa invadida por bichos vegetarianos e bulímicos, ainda vou ter de passar por humilhações sempre que for à procura de comida para eles, espreitando por cima do meu ombro, a ver se não me aparecem mais senhoras velhas. Se ser pai de quatro já é lixadíssimo, por que raio tenho ainda eu de andar a criar lagartas? Que caraças. É que no meio de tanta gente e de tanto bicho, quem está a precisar mais de construir um casulo sou mesmo eu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:08


Zmar e a marca do Z

por João Miguel Tavares, em 29.04.13
Um leitor perguntou-me a opinião sobre o Zmar - cujo pomposo subtítulo é "eco campo resort & spa" -, já que estava a pensar lá ir. Nós dormimos no Zmar, uma enorme herdade ecológica ao lado da Zambujeira, duas noites, de sexta para sábado e de sábado para domingo, e dada a dimensão do nosso agregado familiar e a mobilidade limitada da Ritinha não podemos propriamente andar de um lado para o outro. Mas, de um modo geral, diria que fiquei desiludido, sobretudo pela relação qualidade/preço.

Foi a Teresa que marcou as noites e que se lembrou do Zmar (os miúdos tinham pedido "um fim-de-semana na natureza"), por não ficar demasiado distante de Lisboa. Na verdade, este "não demasiado distante" é só mesmo no mapa: demorámos mais de duas horas a chegar lá, tanto como se tivéssemos ido para Portalegre ou para Albufeira. Quando se larga a autoestrada e se começa a circular no litoral alentejano, as estradas deixam muito a desejar. Ainda por cima, as indicações do site eram manhosas e chegámos já alta noite à nossa Zvilla: uma casa de madeira de 40 metros quadrados com capacidade para seis pessoas (um quarto de casal mais outro quarto com dois beliches).


Ao acordar, a vista era esta. Nada mal.


Mas apesar da qualidade da vista, da beleza do espaço (embora faltem ainda árvores), da piscina de ondas (só faz ondas durante dez minutos a cada hora, mas são boas ondas) e do parque infantil (do qual os miúdos gostaram muito, sobretudo por causa dos três slides), não há justificação para o preço: 180 euros por noite para a nossa Zvilla, com pequeno-almoço incluído, o que significa que só a estadia ficou por 360 euros. O quarto não o justifica, o pequeno-almoço ainda o justifica menos, e quando vamos somando extras o preço ainda fica mais absurdo.

O almoço sai por 14 euros para cada adulto e 8,5 euros para crianças entre os seis e os 10 anos. A comida que se oferece em troca disso, no enorme restaurante onde também se toma o pequeno-almoço, é uns bifes grelhados na hora, umas entremeadas, umas postas de peixe ou umas pizzas em forno de lenha, tudo feito na hora, mas sem serviço à mesa. No final, agradecem que coloquemos os tabuleiros nos carrinhos, para alegadamente poderem "manter os preços". Mais quais preços? Aqueles preços?

Pois é: quando se constrói um empreendimento auto-sustentável, não deveria ser para explorar os clientes como se estivessem num hotel de quatro estrelas. Não se paga 14 euros por pessoa para comer de bandeja. Não faz sentido alugar bicicletas a sete euros se as bicicletas estão a cair de podres (só eu tive de trocar duas). Nem se cobra valores de época alta para depois se acrescentar que o arborismo e o tiro com arco (extras que deveriam estar disponíveis) afinal só começam em Maio.

Divertimo-nos? Divertimos. Mas os preços precisavam de uma reduçãozita de 40% para ficarem de acordo com o que valem. Assim, pensei muitas vezes no Z, de facto. Mas no Z de Zorro, não no Z de Zmar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:15


É tão bom, não foi?

por João Miguel Tavares, em 29.04.13
É tão giro sair de casa à sexta-feira para um fim-de-semana a família. E tão chato regressar a casa no final do dia de domingo. Está sempre tudo tão inevitavelmente atrasado, que o stress que libertámos em 48 horas regressa todo em 48 segundos. Felizmente, sobram as fotografias, para memória futura. E nas fotos nós estamos sempre a sorrir.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:19


O que fica do que passa

por João Miguel Tavares, em 28.04.13
Ilustração de José Carlos Fernandes

Eis o meu texto na revista de hoje do CM. Talvez um pouco mais melancólico do que é habitual:

Eu e a excelentíssima esposa comemorámos recentemente o 11º aniversário de um incansável matrimónio, e decidimos que era a ocasião perfeita para mostrar às criancinhas o filme do nosso casamento. O clássico “vídeo do casamento” é aquele género de actividade com a qual se maltrata as visitas durante meia-dúzia de meses após a lua-de-mel, com as pobres vítimas obrigadas a gramar com uma hora de vestidos de cerimónia, trocas de alianças e cascatas de camarão, enquanto suspiram para a ex-noiva dois ou três educados “ai que bonita estavas”. Passados seis meses, existe o saudável hábito de arrumar o DVD numa prateleira poeirenta, permanecendo em piedosa hibernação até que um dia um qualquer arqueólogo o venha resgatar.

Desta vez, os arqueólogos fomos nós. A Teresa guarda nas doces memórias de infância o filme do casamento dos pais, que pelos vistos rodou em sua casa como se fosse um daqueles musicais da Broadway que nunca saem de cena. Vai daí, prometeu mostrar aos miúdos o filme do nosso próprio casamento precisamente 11 anos depois de ter sido filmado. Como é óbvio, preparei-me para o pior, até porque não há guarda-roupa que resista a exercícios de nostalgia. E, de facto, lá estava eu, muito bem escanhoado (ainda não usava barba na altura), com um penteado ridículo, uns óculos de totó e um casaco tão comprido que dava para toalha de mesa. Os dois rapazes ainda se riram um bom bocado com a minha figura, até decidirem sabiamente que era muito mais giro irem jogar computador do que ficar a ver a versão teen do pai. E saíram da sala.

Permaneceu a Carolina, já mais dada a bodas e a romantismos, e permaneci eu e a minha excelentíssima esposa, de boca aberta não por causa da nossa antiga beleza, mas por causa da quantidade de gente que está naquele vídeo e que entretanto morreu. São muitos. São demasiados. A Carolina estava fascinada com os primos, que hoje são adolescentes e que então eram muito mais pequenos do que ela. Mas eu e a Teresa só víamos passar à frente da câmara pessoas que foram tão importantes na nossa vida e que já cá não estão, uma, duas, três, cinco, algumas delas ainda relativamente jovens e que hoje são como espectros longínquos, fantasmas de um tempo que se perdeu para sempre. “É tudo tão frágil”, disse-me a Teresa. E é mesmo. Tanta coisa nasceu ali. E tanta coisa se perdeu entretanto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:49


Um fim-de-semana com muitos Z

por João Miguel Tavares, em 27.04.13
Como anexo às suas prendas de aniversário, a Teresa pediu disponibilidade (da minha parte) para um fim-de-semana em família. Por isso, desde ontem e até amanhã, vamos andar pela Zambujeira do Mar. Mais precisamente, aqui:


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:18


Hoje é dia de festa

por João Miguel Tavares, em 26.04.13
Hoje, a senhora desta foto faz 38 anos.


Tem sido um prazer envelhecer ao seu lado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:43


Maldita consciência

por João Miguel Tavares, em 25.04.13
Uma das sete maravilhas do mundo é acordar e poder pegar num livro. Aconteceu-me hoje, dia da Liberdade: fingi dormitar, deixei a Teresa ir tomar conta da filharada e do respectivo pequeno-almoço, e fugi para as páginas do novo e maravilhoso livro de crónicas do Manuel António Pina (Crónica, Saudade da Literatura). Até que à segunda crónica li esta frase, alegadamente saída dos manuais de Filosofia de um tal prof. Bonifácio:

O mundo é a casa dos rapazes, a casa é o mundo das raparigas.

Chiça. Lá tive de me levantar da cama e ir ver se a Teresa precisava de ajuda.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:28


Self-made alface

por Teresa Mendonça, em 24.04.13
A escola do Bairro de São Miguel é um óptimo exemplo de sucesso da escola pública. Como o Tomás e a Carolina têm a sorte de estudar lá, nós esforçamo-nos por participar no que podemos para melhorar as condições físicas da escola e enriquecer as actividades educativas dos miúdos.

Este ano uma das ideias mais interessantes foi criar uma horta biológica num espaço abandonado da escola, que foi dividido em 16 pequenos talhões: um para cada turma. O projecto foi concretizado com a ajuda das famílias dos alunos, e além de ter propiciado um convívio óptimo entre todos, tem feito muito pela educação ambiental e ecológica de pais e filhos. Não faz sentido nenhum que haja miúdos a achar que as ervilhas nascem em latas e as alfaces nos sacos dos supermercados. Com uma iniciativa tão simples, é vê-los agora preocupados com a reciclagem dos lixos e interessados na compostagem para poderem melhorar o crescimento das culturas que têm feito.

Ontem foi dia de colheita na turma da Carolina e coube-me a mim ir apoiar os miúdos, para a horta conseguir sobreviver a tamanho entusiasmo. Alfaces, rabanetes, couve portuguesa, grelos, ervas aromáticas - cada um levou um produto para casa. À Carolina coube uma alface que ela exibiu orgulhosamente e fez questão de lavar e preparar para o jantar. E, segundo ela, foi a mais saborosa que já comeu até hoje.





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:27

Pág. 1/6




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D