Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Um grande susto

por João Miguel Tavares, em 21.05.13
No sábado passado vinha a sair da natação descontraidamente com os três miúdos mais velhos quando o Gui decide passar sozinho a rua de São Bento. É certo que não vinha nenhum carro e que ele até olhou, mas depois de fazer aquilo fiquei com vontade de lhe arrancar a cabeça, o que era capaz de ser mais prejudicial à sua saúde do que se tivesse sido atropelado. Eu fiquei debaixo de um carro quando tinha mais ou menos a idade dele, e estou farto de contar histórias domésticas sobre a responsabilidade de andar na rua e saber parar no passeio quando a estrada se aproxima, atravessando apenas com o ok dos pais.

Quando se tem quatro filhos, não existem mãos que cheguem para agarrar todos eles, mais o material que é preciso transportar quando se sai de casa. Assim, o único remédio é começar a treiná-los desde pequeninos para caminharem de forma independente mas responsável. Como por esta altura vocês já devem saber, eu sou muito crítico do excesso de protecção paternal, pois vivemos numa sociedade em que mal os perdemos de vista 10 segundos (porque eles já viraram a esquina e nós ainda não) achamos que estão inevitavelmente fadados a encontrarem-se com Jack, o Estripador. E depois o que acontece, como um dia disse Daniel Sampaio, é que eles passam quase directamente de não poderem ir sozinhos para a escola para saírem à noite até às quatro da manhã.

Nesse sentido, dar-lhes independência é uma luta contra nós próprios: claro que eu preferia tê-los sempre pela trela quando andam na rua, mas acho genuinamente que não o devo fazer - para espanto de alguns pais que me encontram a caminho da escola e me devem achar demasiado despreocupado. Não sou, na verdade, mas tento disfarçar o melhor que posso, porque não há nada mais bonito do que um filho independente e bem comportado. Mas claro, depois acontecem coisas destas e nós reavaliamos tudo outra vez.

Desde sábado, o Gui está de castigo e vai comigo para o infantário pela mão. Eu expliquei-lhe muito bem porquê, e agora pergunta-me todos os dias: "quando é que voltas a confiar em mim?" Como costuma acontecer com todos os traídos, acho que ainda vai demorar bastante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:49


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Joana a 06.06.2013 às 15:18

Pois que faz muito bem! eu tive a bela visão de ver o meu filho de 7 anos a voar em frente à nossa casa. Bastou eu olhar para o chão para apanhar uns sacos e uma ambulancia do Inem um pouco apressada....

Vá lá... traumatismo, queimaduras e um susto para a Vida!

e poste deitado abaixo pelo condutor da ambulancia...
Sem imagem de perfil

De Carla Isabel a 21.05.2013 às 17:16

... como eu compreendo...é sempre a somar...depois é a adolescência...(já tenho um nessa "bonita" fase)...depois é as notas, e a faculdade e os namorados e as saidas à noite...espera as saidas à noite deviam vir antes da faculdade, né?...depois é arranjar emprego...depois casam ...depois temos netos...LOL ...pronto, só para confirmar que o nosso nome do meio é mesmo "susto"!
Sem imagem de perfil

De Paula a 21.05.2013 às 11:30

Ontem, grande susto à saída da escola: eu e o Tiago junto ao carro, do outro lado da rua, esperava pelo Tommy que (despistado!!) se tinha esquecido do casaco. Saiu do portão e avançou "à confiança"... só tive tempo de dar um grito "PÁRAAAAAA!": o pé já estava fora do passeio, EM CIMA DA PASSADEIRA e o Renault 5 cinzento em travagem brusca parou a milímetros... Lanço faíscas pelos olhos ao condutor, com o coração a bater a mil à hora. Tento manter a calma. E repreendo o Tommy que, apesar de já ter idade para saber atravessar a rua sozinho (9 anos), a sua imaturidade e ingenuidade ainda o fazem acreditar, não obstante os constantes avisos, que nas passadeiras os carros param para dar passagem aos peões...
Outro grande susto (com mais consequências) há umas semanas: Tiago (4 anos) acelera em direcção à cozinha, mas é travado pela ombreira da porta! Sangue por todo o lado e sete pontos na testa!!! Agora, cada vez que o vejo a correr (que é cerca de 99% do tempo em que se desloca!), tenho que refrear o meu impeto de o fazer parar...
Enfim, Sustos é o nome do meio de todos os pais. E acho que não tende a passar com a idade...
Sem imagem de perfil

De Joana Pereira a 21.05.2013 às 10:46

Há momentos em que temos mesmo que ser valentes e ajudá-los a ser independentes, mas de forma ainda "supervisionada". No outro dia coloquei uma faca afiada nas mãos da minha filha de 5 anos para a ensinar a usá-la. Fizemos a sopa juntas. Não fazem ideia do suor e stress que fazer uma sopa podem envolver!!! No final ela ficou feliz. E eu quero acreditar que quando ela tiver que cortar alguma coisa, vai faze-lo com algum cuidado...
Sem imagem de perfil

De Paula a 21.05.2013 às 10:16

Percebo perfeitamente. Como mãe de 3 também já entrei na fase que as mãos não chegam por isso a obediência aos pais é fundamental mas falha muitas vezes e nessa altura pregam-nos grandes sustos:
vidademulheraos40.blogspot.com (http://vidademulheraos40.blogspot.pt/2013/05/pesadelo-de-domingo-tarde.html/)

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D