Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Casa das Penhas Douradas

por João Miguel Tavares, em 29.01.13
Um leitor pediu para saber como se chama o hotel das Penhas Douradas onde nós ficámos de domingo para segunda. Chama-se simplesmente Casa das Penhas Douradas. O nome pode não ser muito original, mas o espaço é - e muito. Nós encontrámo-lo ao pesquisar na net, adorámos as imagens, e na verdade só conseguimos quarto nesta altura do ano porque fugimos à sexta e ao sábado.

Chegámos por volta das 19 horas de domingo, já noite cerrada e um frio de rachar, e a entrada parece escavada no meio da rocha, o que dá aquele ar de casinha de chocolate encontrada por acaso no meio da floresta, com a vantagem de não haver bruxas lá dentro. Pelo contrário: atendimento cinco estrelas, com a mistura certa de familiaridade e profissionalismo. Para mais - coincidência das coincidências -, os donos do espaço são também os responsáveis pelo desenvolvimento de uma marca portuguesa que a Teresa adora: a Burel.

A Burel abriu no ano passado (se não estou em erro) uma loja no Chiado (Rua Serpa Pinto 15B), e ela tem vindo a trilhar o caminho mais interessante dos produtos portugueses, aliando a preservação dos métodos artesanais dos lanifícios de Manteigas (onde têm um fábrica) com um design contemporâneo. Os resultados são magníficos e estão espalhados por todo o hotel.

É esse nível de detalhe que coloca a Casa das Penhas Douradas num patamar muito elevado, e que justifica os seus preços, que não são baratos. Como nós somos uma família numerosa, tivemos de reservar dois quartos contíguos, a 120 euros cada (havia uma suite a 190 euros, onde cabíamos todos, mas estava ocupada). O pequeno-almoço está incluído (além de fruta, sumos e queijos ao longo de todo o dia), mas a esse valor convém somar o jantar, porque ninguém vai sair dali à noite para ir comer a outro lado (a não ser que se goste muito de descer e subir uma serra gelada, escura como breu e com estradas mais estreitas do que a cintura da Naomi Campbell). O preço do jantar é de 30 euros para adultos e de 10 euros para as crianças. Mas, mais uma vez, o preço está justificado: a cozinha tem a consultadoria do chef Luís Baena e posso garantir que comemos à grande e com um nível de requinte que não se está à espera de encontrar no meio do nada, a 1500 metros de altitude.

Resumindo, em apenas duas palavras: altamente recomendável.


À hora de deitar, tínhamos um presente à espera no quarto

 O banho matinal do Tomás e do Gui. Não se tem disto todos os dias...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:03


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Y. a 02.02.2013 às 10:18

FOI O MELHOR SITIO ONDE JÁ ESTIVE, mágico mesmo. Recomendo-o a toda a gente.
Sem imagem de perfil

De Sónia N J a 29.01.2013 às 14:36

Também estive na Serra no sabado. Apanhamos um dia estupendo, cheio de sol. Depois também passeamos pelas Penhas Douradas, mas fiquei só a babar para a piscina do hotel. Pena é os preços :(. Mas que é lindo é.
Parabéns pelo blog, já sou fã :)
Sem imagem de perfil

De Ana Fundo a 29.01.2013 às 09:29

Também encontramos o hotel pela net, e ficamos na Mansarda...foi um fim de semana espetacular, e os jantares..meu deus...os jantares.... ;)

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D