Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Maria Calais Pedro levantou no Facebook uma questão muito interessante, com a qual nós, pais de famílias numerosas, estamos constantemente a confrontar-nos: o facto de os alegados "bilhetes de família" nunca, mas nunca, contemplarem as nossas próprias famílias. Ela escreveu isso a propósito da exposição da Joana Vasconcelos no Palácio da Ajuda, cujo preçário é este:

Preços:
Normal – 10€
Jovem – 5€ (dos 6 aos 18 anos)
Sénior – 5€ (maiores de 65 anos)
Criança – Entrada gratuita (até aos 6 anos)
Estudante – 5€ (até aos 25 anos, mediante apresentação do cartão de estudante)
Família 1 – 20€ (2 adultos + 1 criança entre os 3 e os 18 anos)
Família 2 – 24€ (2 adultos + 2 crianças entre os 3 e os 18 anos)

Fast Lane Adulto – 15€ (acesso prioritário)
Fast Lane Jovem – 10€ (acesso prioritário)
Escolas – 4€ (até ao 12.ª ano. 1 professor com entrada gratuita por cada 20 alunos)
Universidades – 4€ 


Acrescenta a Maria Calais Pedro:

Adoro a família 1 e 2! Vê-se que somos uma excepção... ou então que famílias com mais de dois filhos não são dadas à cultura (ou não podem sê-lo).

Nem mais. Quem faz o raio destes preçários, seja no Palácio da Ajuda, seja no Pavilhão do Conhecimento, nem que fosse por uma questão de amabilidade demográfica, poderia contemplar o facto de ainda existirem uns malucos que fazem três filhos ou mais. O país gosta muito de chorar a sua falta de criancinhas, mas a verdade é que nunca mexe um dedo - nem que seja simbólico - para acarinhar quem se reproduz com tão patriótico entusiasmo. Isto não é uma questão de medidas políticas - é de cultura, mesmo, e num sentido mais abrangente do que aquele que Joana Vasconcelos lhe dá.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:17


23 comentários

Sem imagem de perfil

De Rita a 25.06.2013 às 12:17

É verdade que a maioria dos bilhetes familiares não são adequados a famílias com mais de 2 filhos (que não faz sentido nenhum).
Gostava só de corrigir que no Pavilhão do Conhecimento existe bilhete familiar sem limite em relação a nº de filhos.


http://www.pavconhecimento.pt/visite-nos/bilheteira/
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.04.2013 às 15:49

Estes preços são para familias normais, quer dizer se quiser ter 9 filhos vai com 9 filhos pelo preço de dois, olhe temos pena...

Mariana
mãe de dois filhos
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.04.2013 às 11:39

http://www.oeirasbrincka.em.com.pt/2013/bilheteira.php
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.04.2013 às 21:25

Se todos forem ao livro de reclamações, iam ter a o trabalho de ter de explicar esta estupidez em algum lado!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.04.2013 às 17:56

É uma vergonha. E esta situação não é a pior de todas. já vi sitios em que especificam que o bilhete familia é: pai, mãe e dois filhos.
Então e as familias monoparentais, homosexuais, etc?
A meu ver é descriminação da pior espécie.
Sem imagem de perfil

De Sónita a 10.04.2013 às 17:06

:)
De notar que quemelaborou este preçário ou não sabe fazer contas ou então procurou enganar os seu clientes. Qualquer uam das opções é grave.
Repara que se tiverem filhos entre 3 e 6 anos, os packs família ficam:
a) ao mesmo preço no pack 1
b)mais caro no pack 2.

Preços:
Normal – 10€
Jovem – 5€ (dos 6 aos 18 anos)
Criança – Entrada gratuita (até aos 6 anos)
Família 1 – 20€ (2 adultos + 1 criança entre os 3 e os 18 anos)
Família 2 – 24€ (2 adultos + 2 crianças entre os 3 e os 18 anos)

Em relação às familias numerosas ou Familias com 3 ou mais filhos, tenho a acrescentar que este preçario é claramene inconstituicional, pois viola os principios da igualdade e proporcionalidade. :)

Sem imagem de perfil

De Paula Castro a 10.04.2013 às 16:47

Acima de 2 filhos deve ser gratuito...digo eu! Era um óptimo incentivo!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.04.2013 às 16:03

Sempre discuti essa questão nas bilheteiras. Com 4 filhos, a ida a qualquer lugar fica carissima, seja oceanario, seja zoologico, pavilhao do conhecimento ... familia para esta gente de horizontes curtos é aquilo que têm em casa ou nem isso. Ha depois a questão dos 18 anos: como um dos meus, que continua dependente, estudante (universitario), ja com 20 anos, continua a ser um filho com todos os direitos, todas as necessidades mas ja não conta como familia. Haja saúde, pode ser que um dia estes assuntos sejam tratados por pessoas inteligentes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.04.2013 às 16:01

Bom, esta questão das famílias tem mais que se lhe diga - então e as famílias monoparentais com um adulto e várias crianças? Assim sendo, e uma vez que não é possível encontrar uma solução milagre, em vez de grandes protestos, que tal cada um procurar enquadrar o seu caso familiar em combinatórias "mistas" que resultem mais económicas (quais são as crianças que estão isentas, como contabilizar os outros membros, etc)? E que tal abolir a designação "família" dos bilhetes e adotar "grupo" (é que um pai ou uma mãe com três adolescentes paga 25 euros, mais um do que a família 2...)?
Sem imagem de perfil

De Bruxa Mimi a 10.04.2013 às 15:24

Adorei esta resposta! Falta-me é a coragem de a usar...

Comentar post


Pág. 1/3




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D