Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A ASAE da paternidade

por João Miguel Tavares, em 24.06.14

Tenho de agradecer publicamente à Maria o esforço que tem feito para animar a caixa de comentários deste blogue, e portanto volto a fazer questão de responder à sua última invectiva no corpo principal. As palavras delas vão a bold, as minhas respostas a redondo.

 

Eu realmente tenho de deixar de vir espreitar este blog...

 

Vá lá, Maria, já é a 17ª vez que promete isso. Por que não admitir simplesmente que gosta de cá vir?


Mas há algo que me atrai, género curiosidade idiota pelo acidente do outro lado da Segunda Circular...

 

Parece-me uma razão perfeitamente legítima. Portanto, sugiro que passe a iniciar os seus comentários da seguinte forma: "O mais recente estampanço no Pais de Quatro motiva-me a comentar o seguinte..."

O João reitera novamente a "tolerância à palmada", mas passe a expressão, isso é uma forma um tanto ou quanto "pussy" de defender a coisa! Depois deixa a cargo dos seus comentadores mais dados à violência a verdadeira tarefa argumentativa. Se está tão seguro da sua convicção porque não faz um post inteiramente dedicado ao assunto? 

 

Adoro quando me chamam pussy. Sobretudo pussy cat. Mas permita-me deixar aqui mais uma sugestão, Maria. Dá sempre jeito, quando se trata de comentar um comentador ou um blogue, não partir do princípio que a primeira vez que esbarrámos nele foi precisamente no dia em que o comentador ou o blogue nasceram. Quer dizer: o Pais de Quatro já tem um histórico. Ele não começou quando a Maria cá apareceu pela primeira vez, via polémica Gonzalesca, se bem me recordo.

 

Donde, para evitar ser apanhada sem cadeirinha em afirmações definitivas e proferidas a grande velocidade, a Maria pode sempre recorrer ao Google, que é um grande amigo, investigar o arquivo do blogue, ou, muito simplesmente, rodar um bocadinho o pescoço para a direita e verificar que, sob o título "posts mais comentados", a terceira entrada chama-se precisamente "Sobre bater (ou não bater) nas crianças".

 

"Se está tão seguro da sua convicção porque não faz um post inteiramente dedicado ao assunto?" deve ter sido uma frase que divertiu deveras os frequentadores mais antigos deste blogue. Aquele post é o terceiro com título "Sobre bater (ou não bater) nas crianças", mas, que eu me recorde, foram pelo menos 11. Acha que lhe chegam? A Maria não é a única a entusiasmar-se com a questão da palmada, sabe. Na verdade, esse é o tema mais debatido, e sobre o qual mais escrevi, desde o início deste blogue, na segunda metade de 2012.

Sugestão de título: As virtudes da violência infantil. Soa-lhe bem?

 

Lá está: não só me soa bem como esse argumento é também o mais batido entre quem se opõe à palmada. E acerca disso eu já tentei explicar - mas nunca é demais pregar, ainda que no deserto - que esse é um argumento deveras básico, porque sugere uma equivalência (violência infantil/ violência doméstica) entre adultos e crianças.

 

Ora, eu acredito (é uma coisa cá minha) que os adultos não são crianças. Em certas coisas as crianças têm mais direitos do que os adultos. Noutras coisas as crianças têm menos direitos do que os adultos. E isto pela simples razão de que as crianças não são adultos, nem sequer mini-adultos. São... como é que se chama?... crianças.

 

Mas, já agora, aproveito para esclarecer um outro ponto. Quando me vêm cá dizer "ah, mas se fosse um adulto a fazer birra você não levantava a mão", permitam-me notar que não é, de todo, verdade. Se eu estivesse numa discoteca ou no meu trabalho e um gajo fosse tão irritante, teimoso e mal-comportado como às vezes os putos birrentos conseguem ser, e se eu não tivesse a opção de lhe virar costas, garanto que lhe batia. Ou, pelo menos, tentava. Com a diferença de que lhe aplicaria um murro nas trombas e não uma palmada no rabo.

 

Eu sou um gajo violento, o que é que quer. Tão violento que nunca na vida andei à pancada com ninguém. 

 

P.S. Até aposto que se o seu filho não quiser calçar os sapatos para sair de casa não lho permite, fazendo uso se necessário da dita ferramenta de educação imprescindível, não vá ele cortar-se num vidro, ou simplesmente porque parece mal. Mas pô-lo no chão do carro ignorando as mais importantes regras de segurança já não merece tanta atenção e podemos ser portugueses cool do desenrasca! Faz todo o sentido.

 

Eu vou aqui confessar um pecado: dei o exemplo de sentar uma criança no chão do carro de propósito e com alguma maldade, para testar a tolerância dos meus queridos leitores e leitoras. Tive o cuidade de escrever "imprevistos de última hora" e "distâncias muito curtas", para amenizar a coisa, mas ainda assim a sempre-atenta Maria não deixou escapar.

 

De facto, tendo em conta aqueles momentos mais tolerantes em que admite não saber tudo acerca da ciência de criar filhos, a Maria está a maior parte do tempo à beirinha de fundar uma ASAE da paternidade. Qual é a última directiva de Bruxelas sobre a melhor forma de calçar meias, locomover-se no passeio ou fixar uma cadeira num habitáculo? A Maria sabe.

 

Pois bem, Maria, eu confesso: já levei crianças deitadas no chão do carro, já estacionei em sítios proibidos e raramente ando na autoestrada a 120 quilómetros por hora. Sou um péssimo cidadão e o pai mais horrível do mundo.

 

Os meus filhos não crescem num mundo liofilizado. Eu sou de Portalegre e a Teresa é de Castelo Branco. Fazemos dezenas de milhares de quilómetros todos os anos em estrada para visitar a família - as probabilidades de termos um acidente aumentam imenso. E então? A Carolina pede muitas vezes para ir sozinha andar de bicicleta no Alentejo. Estando sozinha, as probabilidades de ela ser atropelada e de eu não estar ao seu lado aumentam imenso. E então? Tomamos precauções, dizemos-lhe para ter cuidado, mas não a impedimos de ir, não é?

 

Imagine, Maria, que eu vou apanhar os meus filhos à escola e um pai amigo me telefona, desesperado, a dizer o seguinte: "Por favor, apanha-me os miúdos e leva-os para tua casa até eu chegar. Fiquei aqui retido no emprego e só consigo estar aí daqui a meia hora." Imagine, Maria que o portão da escola vai fechar e que os funcionários da escola se vão embora. O que é que eu faço? Enfio-os no meu carro, sobrelotando-o, numa viagem de quilómetro e meio feita a 40 quilómetros/hora? Ou deixo-os sozinhos à porta da escola, à espera que o pai deles chegue?

 

As duas opções têm os seus perigos. Podemos ter um acidente de carro. Mas se as crianças ficarem sozinhos podem ficar assustadas ou - sei lá - aparecer um raptor. Sabe aquelas alturas da vida em que somos obrigados a escolher não entre o bem e o mal, mas entre o mal maior e o mal menor? A mim, estão-me sempre a acontecer.

 

E, portanto, faça-me um favor, Maria: ainda que seja para ver acidentes, parta do princípio que todas as pessoas que vêm a este blogue querem o melhor para os seus filhos. Se não quisessem, se não se preocupassem, se não gostassem de ser melhores pais e mães, não vinham cá. A internet é tão vasta, não é? Há tantas coisas para fazer.

 

Eu não quero uma ASAE da paternidade, Maria. Não quero regras absolutas, para seguir como se eu fosse uma mula com duas palas nos olhos, condenado a passar a vida a andar à roda de um poço. Nós temos cabeça própria para avaliar riscos, improvisar, saber quando as regras podem ser quebradas, pela simples razão de que seremos sempre mais inteligentes, mais sensíveis e com mais bom-senso do que um calhamaço com directivas, venha de onde vier.

 

Se algum dia eu tiver realmente um acidente grave, e falhar profundamente aos meus filhos, a Maria terá sempre o consolo de dizer "eu bem avisei". Mas depois fará como na Segunda Circular: abanará a cabeça e seguirá em frente. Nós, os pais, somos o que ficamos, portanto não tenha a presunção de ser a única pessoa com o coração no sítio, quando à sua volta só há irresponsáveis, insensíveis ou gente que não está a perceber bem.

 

Um beijinho para si e continue a voltar, sempre acutilante,

 

JMT 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:20


41 comentários

Sem imagem de perfil

De Conceição M. a 25.06.2014 às 14:42

Depois de, no final do expediente, ter vindo dar uma "espreitadela" ao PD4 e ter lido o post de reposta à "Maria" e no seguimento da história das cadeirinhas, deparei-me com uma situação, no regresso a casa, que me fez pensar nos comentários que tinha lido e como algumas vidas reais do nosso país estão tão longe de algumas outras aqui trazidas...
Vivo em Aveiro e resido nos arredores da cidade. Quando ia para casa, a dada altura, seguia à minha frente um motociclo com um atrelado atrás, cuja "carga" era constutuída por vários sacos e uma menina de +- 4 anos, que lá seguia aos saltos, com os solavancos do atrelado, firmemente agarrada aos lados do mesmo. Penso que seria a avó da criança (pela idade) que conduzia o motociclo - ela tinha colocado um capacete, mas a menina nem por issso. Não eram de etnia cigana, embora também seja frequente ver os garotos a serem transportados de forma semelhante e, até, em carros de tração animal.
Enquanto aqui se degladiavam argumentos sobre a segurança das cadeirinhas, dos bancos elevatórios, se se leva ou não um colega numa viagem de 3 Kms sem cadeirinha adequada, se a "melhor cadeira" é para o nosso filho ou para o colega, se se deixa os meninos irem numa visita de estudo... a verdade é que, por este país fora, há muitas mães que levam os filhos para a escola nos motociclos ou nas bicicletas (muitas das vezes sem sequer ser naquelas cadeiras adaptadas às bicicletas! - lembro-me que no infantário dos meus filhos, uma das auxiliares levava a neta para casa, ao fim do dia, na sua bicicleta e tinha adaptado uma caixa de fruta, na parte de trás, na qual fez uns buracos para a menina colocar as pernas - era a "cadeira" dela), que é o único meio de transporte que têm; que para os deixar no infantário têm de levar o "ovo" ou a cadeirinha de transporte no autocarro público, que não tem qualquer sistema de retenção para as cadeirinhas, ou mesmo ao colo... Não sei como resolvem essas situações na Alemanha - será que todas as mães têm condições económicas para terem um carro e a respectiva cadeirinha super segura para transportar os filhos?
Se volta e meia aquelas crianças têm acidentes? Terão, concerteza. Mas as que são transportadas nas cadeirinhas, com todas as condições de segurança, também os têm. É claro que, à partida estarão mais seguras - tal como uma criança que viaja como pendura numa bicicleta estará mais segura se usar um capacete... Mas por vezes as circunstâncias levam-nos a fazer as coisas não da forma ideal, mas da forma possível.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2014 às 11:38

Bom, pelo menos já eliminámos as surras de cinto, a palmatória de 5 olhos e a varinha de verga fina! Hoje, já só estamos na palmada, o que não é mau de todo! Eu sou uma Maria de 64 anos a quem os pais nunca deram palmadas, com filhos e netos a quem, felizmente, nunca precisei de dar palmadas! Diga-se, em abono da verdade que nunca foram precisas, vá-se lá saber porquê! No que me toca, as palmadas são como as desculpas:- previnem-se e evitam-se!
Sem imagem de perfil

De Maria a 25.06.2014 às 10:45

Porque é que quando alguém enche a boca para dizer que sem palmadas os putos se tornam todos pessoas execráveis e mal educados e quando alguém sugere que o recurso a violência é desnecessário tudo se revolta.
sejamos honestos, as prisões e os manicomios tao pouco estão lotados de pessoas que levaram meia dúzia de palmadas como de pessoas que tiveram muito colo e que nunca levaram uma palmada na vida.

É o principio que esta errado! Volto a repetir: a educação é possível sem violência. O que me fascina é existirem tantas pessoas que por alguma razão não acreditam neste facto tao simples e aparentemente fácil de aceitar.

O João é um pai extremamente pessimista e queixa-se sobretudo do tempo de orbita em torno dos filhos e no centramento das nossas vidas neles. O que não consegue imaginar é que isso esta nas perspectiva com que encara a coisa.
Se partirmos do principio que os bebés e as crianças são seres tiranos e manipuladores inveterados então é obvio que a nossa tarefa educativa se torna no minimo numa actividade pouco prazerosa para ambos os lados.
Se no entanto optarmos por perceber que os miúdos são na verdade pessoas impecáveis e que os "estraga" não é o colo nem o carinho que lhes damos, a coisa flui de outra forma.

Ok, eu confesso que não li outros posts no blog e que foi precipitado assumir que nunca tinha extensivamente escrito sobre o assunto. Confesso também que a historia do carrinho no carro não me parece de todo grave. O problema esta nas suas contradições! Se não é grave fazer isso, também não deveria ser os miúdos quererem correr em vez de estarem sentados à mesa. São miúdos caramba!
É ai que se perde a coerência toda! Ao mesmo tempo que somos educadores intransigentes, somos capazes de descorar algo como a segurança rodoviária através da nossa brilhante capacidade de adaptação!

As crianças acordam porque mandamos, vestem o que mandamos, comem o que mandamos, estão horas sentadas a ouvir um tipo falar que as manda fazer uma data de coisas, voltam a comer o que lhes mandam, mandam-nas fazer os trabalhos de casa etc... e depois se querem correr em vez de estarem quietas ainda as as mandam sentar e a estar sossegadas senão são putos embirrantes e mal comportados! E se não o fizerem, toma la uma palmada para não duvidares de quem manda! Caramba, não da que pensar?

Por fim ser a ASAE da paternidade não é de todo a minha vocação. Muito pelo contrário. Essa tarefa deixo por conta dos "tolerantes" dadores de palmadas, dos jornalistas escritores de blogues e dos pediatras da linha de Estivill que acham que educar tem de ser à força e ( porque não?), à bruta!


Imagem de perfil

De João Miguel Tavares a 25.06.2014 às 10:51

Apenas duas notas, Maria:

1) Segundo a sua teoria, eu não posso ser apenas "extremamente pessimista". Tenho também de ser extremamente masoquista, porque de outra forma seria incompreensível ter acabado com quatro filhos.

2) O que é que eu escrevi que a levasse a pensar que sou um "educador intransigente"?
Sem imagem de perfil

De Maria a 25.06.2014 às 13:12

O que considero pessimismo em relação aos filhos está distribuído pelos artigos que li no blogue. Para além do que já mencionei talvez o maior indicador seja a premissa( aqui em jeito simples e abreviado) de que as crianças hoje em dia são mimadas demais e que portanto temos de virar a proa ao contrário! (Se não coitados dos pais que não se aguentam)

João, como é que uma criança que vê os pais 3 horas por dia pode ser mimada demais?

Fisicamente isso é impossível, não concorda?

(Se me disser que há pais que para compensar isso lhes compram coisas a mais e outras que tais, isso é outra conversa inteiramente...)

Parece-me que, a haver uma origem predominante para os putos "embirrantes", essa se prenda mais com a falta que sentem dos pais, do que pelo excesso da sua atenção.

A verdade é que a maioria dos pais sente que tem pouco tempo para os filhos.

Mas não é a querer que sejam auto- suficientes o mais rapidamente possível que a coisa se resolve..
Espera-se deles o impossível (ex. Passar o dia na creche sem os pais aos 4 meses de idade!).
E depois os pais sentem-se exasperados... Pois claro! Educar, brincar e divertir-se com uma criança em 3 horas por dia...Não há milagres!

O João acha que a solução se encontra nas regras dos Estivill's do mundo, eu acho precisamente o oposto!
Sem imagem de perfil

De Teresa Alexandre a 25.06.2014 às 13:43

Maria, nao resisto a comentar uma das coisas que disse: eu vivo na Alemanha, um país onde a maior parte das maes fica em casa pelo menos 3 anos depois dos filhos nascerem. E, se voltam ao trabalho, geralmente é só em part-time.
Portanto, por aqui é muito mais normal as MAES passarem bem mais do que três horas por dia com os filhos.
(Só um parêntesis: estranhamente ninguém fala nos PAIS, que normalmente saiem de casa antes dos filhos acordarem e chegam a casa quando eles já estao a dormir, mas isso é outra conversa)
Eu, pelo contrário, sou uma mae desnaturada, porque pus a minha filha no infantário aos 9 meses e voltei a trabalhar a tempo inteiro.
Mas o que eu queria mesmo dizer é que os miúdos alemaes sao tao bem ou tao mal educados como o portugueses. Eu conheco miúdos dessas maes a tempo inteiro e com uma educacao soft como a Maria que têm uns filhos que sao uns tiranos mimados e conheco outros, também filhos de maes dessas, que sao super queridos e bem educados.
E o mesmo se aplica a filhos de maes part-time e educadoras exigentes...

Odeio generalizacoes! É como dizer que todos os alemaes sao nazis ou todos os negros sabem dancar, sei lá!

Aquilo que o Joao escreveu neste post para comentar o seu post é exactamente o que eu teria escrito, se tivesse o dom da escrita que ele tem.
Sem imagem de perfil

De Maria a 25.06.2014 às 14:18

Concordo em parte com o que disse. Se reparar escrevi:
" Parece-me que, a haver uma origem predominante para os putos "embirrantes", essa se prenda mais com a falta que sentem dos pais, do que pelo excesso da sua atenção". O que por outras palavras significa que na possibilidade de haver uma origem talvez se prenda mais com....senão foi essa a mensagem que passou, é porque tal como a Teresa não domino tao bem a escrita como o autor do blog.
Também conheço muito bem a realidade alemã e gostaria muito que as mesmas possibilidades se aplicassem aqui. Contudo em momento algum falei em resultados! Alias são muitos mais os outros comentadores
(incluindo o proprio autor) que o fazem. " Ah, e depois admiram-se de ter miúdos malcriados e impossíveis de aturar.." e afirmações do género.

Não Teresa, nunca disse que se agirmos de tal forma obteremos tal resultado, até porque como sabemos isso não existe. Para mim o proposito também não é esse. Gostava de ter mais tempo para os filhos? Sim. Acho que tanto eu como eles ficaríamos mais satisfeitos? Sim. Faria mais sentido? Sim.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.06.2014 às 17:14

"É o principio que esta errado! ", escreveu a Maria ontem, 10:45. Permita-me mas eu digo-lhe, como outras pessoas já lhe disseram, como o JMT já lhe disse (com uma paciência que eu, confesso!, lhe invejo): o que está errado é a Maria partir do pressuposto de que alguns pais (incluindo eu e o meu marido) partem do princípio de que a educação se dá à palmada, interpretada pela Maria como espancamento. Não é disso que se trata. Os pais (salvaguardando os casos de maus tratos, obviamente) recorrem à palmada quando uma determinada situação assim o exige e eles não encontram outra forma de a resolver. Comigo, como mãe, foi uma mão cheia de birras entre os 3 e os 4 anos, em que recorremos a uma nalgada bem dada na hora certa. Como filha, não sei quantas foram (não me lembro) mas, como alguém já comentou num dos posts anteriores, só se perderam as que caíram no chão.
O que me custa ler nos comentários da Maria são as suas tristes generalizações. Sim: tristes! Porque a Maria reduz todos os outros pais à nulidade quando eles têm a honestidade de assumir atitudes que muitas vezes preferiam não as ter tomado. Ou acha que as nalgadas que dei aos meus filhos me fizeram mais feliz? Garanto-lhe que, depois da birra, eles esquecem as nalgadas mas eu lembro-me bem de lhas ter dado. Nenhum pai nem nenhuma mãe gosta de bater nos filhos. Pelo menos os que assumem que dão a palmada "na hora": isto inclui o JMT e os comentadores do PD4 (gostei do nick!) que assumem que dão "a palmada". Não gostamos, Maria. E, quando o fazemos, dói-nos a alma. Pode vir aqui responder que se nos dói a alma é porque estamos errados mas não parta do princípio de que, quando decidimos ter filhos, já temos palmada premeditada e que somos completamente intolerantes à primeira birra ou às manhas do recém-nascido, e que resolvemos tudo à bofetada e aos abanões desde a primeira hora ou que engasgamos os nossos filhos com bróculos e espinafres pela garganta abaixo porque queremos que eles tenham uma alimentação saudável.
Não parta destes princípios nem faça generalizações escusadas porque nós não somos esses pais que a Maria imagina. Tal como o JMT escreveu, "parta do princípio que todas as pessoas que vêm a este blogue querem o melhor para os seus filhos" e não se precipite em avaliações e generalizações precipitadas, erradas e agressivas.
Venha cá ler os posts do JMT e os nossos comentários com ânimo leve e com abertura para outras formas de educar e amar os filhos. Porque eu sei que não sei tudo e sei que a Maria nem ninguém, absolutamente ninguém!, sabe tudo. E a humildade de reconhecer que há outras maneiras de pensar e de fazer fica bem a qualquer um. :)
Sem imagem de perfil

De Maria a 26.06.2014 às 09:42

Agradeço desde já que se preocupe com o que me ficaria bem ou não, mas quanto a isso penso ser capaz de o decidir sozinha.

Todos os que colocam comentários aqui têm o direito de expressar a sua opinião, contrária à sua ou não! Oposta à do autor ou não!

Quanto a generalizações penso que caiu nesse erro muito mais do que eu, ora veja por exemplo:

"Nenhum pai nem nenhuma mãe gosta de bater nos filhos."

Não deixo de achar espantoso, que se deem ao trabalho de responder a alguém que é contra as palmadas, e o diz sem paninhos quentes.... Mas que ninguém, absolutamente ninguém, tenha respondido a comentários aqui em que são admitidas não só palmadas, como surras!

E já agora, porque é que eu tenho de vir " de mente aberta e ânimo leve" para a sua forma de educar? Não acha que lhe posso dizer o mesmo a si?

Sem imagem de perfil

De Maria a 26.06.2014 às 09:50

Ah e só mais uma questão..
Quando olha para um recém-nascido vê manhas! Eu vejo necessidades... São perspectivas!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.06.2014 às 12:19

Tenho de dar a mão à palmatória! A verdade, Maria, é que quando decidi que queria ter filhos, o meu plano era mandá-los para Guantanamo e que eles regressassem quando já fossem jovens-adultos sem manhas nem birras. Mas, ó Céus!, não foi possível e agora tenho de me amanhar com eles. E, então, desanco à pancadaria a torto e a direito desde que nasceram. É verdade! Em privado e em público! Sim, eu sou essa mãe que existe só na sua cabeça.
Gosto mesmo deste blogue, pena é que nos últimos tempos, tenho de me cruzar consigo, apesar de já ter escrito que nunca mais cá vinha... Não tenho nada a ver com isso, afinal, eu também tenho a liberdade de não aparecer por aqui só para não me cruzar consigo, não é? Mas não o vou fazer porque o prazer de ler os posts, concordando ou não com o seu autor, é maior do que o contratempo de a encontrar. Vou, isso sim, ignorá-la. E não farei como a Maria que quebrou a promessa de deixar de cá vir. Vou, apenas, ignorá-la. Seja feliz :)
Sem imagem de perfil

De Bruxa Mimi a 25.06.2014 às 08:28

Eu só vou comentar que de facto surgiu em mim um interrogativo "Hã? O quêêê?" (não foi uma gargalhada, JMT) quando li a parte do "Se está tão seguro da sua convicção porque não faz um post inteiramente dedicado ao assunto?"...
Sem imagem de perfil

De Mirela a 25.06.2014 às 08:15

Opá... Sabe que é desta que a Maria pára de visitar o blogue...

Maybe?
Sem imagem de perfil

De mae sabichona a 24.06.2014 às 23:45

:D Tão, mas tão bom. Quanto ao assunto, só tenho isto a dizer: conforme vou fazendo algumas leituras, seja de pediatras, autores de blogues e respectivos comentadores, apercebo-me que me identifico sempre com os pressupostos "não bater", "não gritar", "não deixar a chorar", "não forçar a comer" ao mesmo tempo que não me identifico nada com aqueles que são os seus maiores defensores.
Sem imagem de perfil

De Ana a 24.06.2014 às 23:20

Já diz o meu avô: "Quem tarde e bem aprende, tarde ou nunca esquece!"
É importante proporcionar as mais diferentes atividades às crianças enquanto são novas, dar-lhes a oportunidade de conhecer a natureza, de serem autónomas e de aprenderem com os seus erros. Chegar a casa com as calças rasgadas nos joelhos (embora as mães não o admitam) é bom sinal, é sinal que exploraram, que brincaram, que eventualmente se depararam com o perigo e o enfrentaram (de joelhos!).Tudo isto contribui para que se tornem adultos mais seguros e sabedores, por não terem sido, em crianças, amedrontados com o "mundo gigante e cruel" e protegidos ao mais ínfimo sinal de perigo.
É impossível alguma vez arranjarmos um sistema educativo universal que cada pai possa aplicar em sua casa. Somos pessoas e cidadãos diferentes, em contextos provavelmente distintos e não partilhamos os mesmo filhos. Podemos é destacar alguns princípios e valores que deverão estar na base de uma boa educação. A maneira como eles são colocados em prática cabe a cada um decidir.
Sem imagem de perfil

De Ana a 24.06.2014 às 23:23

Queria só corrigir o provérbio, que ficou com uma gralha: "Quem cedo e bem aprende, tarde ou nunca esquece."
Sem imagem de perfil

De Paula N. a 24.06.2014 às 20:34

E lá voltámos ao tema da palmada!! Daqui a pouco o blog muda de nome para "palmadas a quatro" eheh, estou a brincar! Mas já que estamos novamente a falar sobre esse assunto, gostaria de lhe pedir a sua opinião sobre um assunto: a palmada em público!! Deve ser dada? Devemos de esperar até chegar a casa? Nesses casos, NUNCA aplicamos a palmada e temos apenas uma conversa com a criança? No outro dia, quando fui ao Continente, vi uma rapariga talvez nos seus 10/11 anos (a ser um pouco mal educada)a ter uma discussão com a mãe que acabou com duas palmadas bem dadas no rabo. Se no inicio estava com uma raiva da miúda e atá a mim me apetecia ir lá aplicar lhe um par de estalos, assim que a miúda apanhou até me deu pena a forma como a miúda se sentiu envergonhada e humilhada. O que faria nesta situação? Um ralhete? Uma palmada? Ignorar?
Sem imagem de perfil

De Sofia Lopes a 24.06.2014 às 21:52

Olha que EXCELENTE pergunta! Estou curiosa se o JMT vai responder, e qual a resposta, para então depois dar a minha opinião...
Sem imagem de perfil

De Sofia Sousa a 25.06.2014 às 14:18

A minha mãe levou-me uma ou duas vezes à casa de bahno pra me dar uma sapatada. Depois disso, bastava perguntar "Queres ir comigo ali à casa de banho?" e ficava o assunto por ali. :) (Não, não fiquei traumatizada)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.06.2014 às 19:19

João Miguel, nunca comentei o sei blogue mas sigo-o atentamente, e desta vez nao resisti a deixar o meu comentario. Sou mãe de 3 rapazes e estou totalmente de acordo consigo. Com 3 rapazes em casa, sempre à bulha, por mais zen que tente ser nem sempre consigo evitar uma palmada no rabo. E sim, já andei com muitos amigos deles dentro do carro, em situações que nao havia outra possibilidade que nao essa.
Neste momento vivo no Brasil e recentemente foi aprovada a "Lei da Palmada". Já fiz saber cá em casa que somos portugueses e que seguimos a legislação de Portugal. E sabe qual foi o comentário dos meus filhos mais velhos (12 e 18 anos): "Faz muito bem Mãe, porque realmente às vezes nós merecemos"!
Parabens pelo blogue e continuarei a seguir, desde o outro lado do oceano.
Sem imagem de perfil

De Alcina a 24.06.2014 às 18:45

Este blog, que visito pela primeira vez, levou me numa deliciosa viagem a um passado algo recente. Mae de gemeos, rapazes, do tipo "estafermos" enquanto pequenos. Lembro me que as palmadas, por vezes as surras, e os improvisos tantas vezes considerados "crime" pelas ASAes, foram sempre pormenores do Amor que ajudaram,sem duvidas, a que hoje, com quase 19 anos, sejam pessoas de quem me orgulho de ser mae.
Enfim, as crianças têm de ser educadas! Fundamentalismos nao levam Pais, e muito menos Filhos, a lugar nenhum.
Parabens pelo blog.

Comentar post


Pág. 1/3




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D