Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A nossa juventude é ignorante?

por João Miguel Tavares, em 30.04.14

O título não é meu, mas de um excelente texto que o Henrique Monteiro assina hoje no Expresso online. Eu não poderia estar mais de acordo com o que ele escreve acerca da alegada ignorância da juventude, uma acusação que tem milénios. Não percam.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:57


2 comentários

Sem imagem de perfil

De joao a 30.04.2014 às 18:39

Há um aspecto que me parece importante e que é omitido no texto de Henrique Monteiro: a compressão da escala temporal e, em muitos aspectos, da escala espacial.

Por exemplo, quando os meus filhos me perguntam "não acha que Coldplay é boa música?" eu respondo "não sei, daqui a 30 anos saberemos". Por isso, a minha grande luta com eles não é na ampliação do âmbito de interesses mas sim dos horizontes temporais e espaciais. Porque a história repete-se no tempo e no espaço e nós somos muito iguais ao que já fomos e procurarmos ligações no tempo e no espaço ajudar-nos-á a crescer e a entender melhor o mundo.

Em relação ao espaço, a comunicação social portuguesa é mais cosmopolita do que os valores típicos da União Europeia (compare-se por exemplo as capas dos quotidianos em kiosko.net). Mesmo assim, sabemos dos "outros" quando os desastres ou o espectáculo os puxa para a ribalta.

Há uma enorme concentração da informação e conhecimento sobre a actualidade e a nossa vizinhança e parece-me que esse efeito se tem acentuado desde a década de 1990 com a comunicação digital instantânea: Web, televisão por satélite e cabo, telecomunicações móveis.

É hoje possível encontrar jovens que são "especialistas instantâneos" no uso de drones no Afeganistão mas é muito mais raro encontrar um jovem que saiba quem são os hazara e o que fazem sob os drones americanos no Afeganistão. Paradoxalmente, nunca tanta informação esteve disponível para quem quiser aprender.

A sabedoria será daqueles que conseguirem peneirar a informação e o conhecimento e escolher o que é relevante porque é duradouro no tempo e no espaço.

P.S.: a "atomização" no sentido original de "anekdote" também é importante na actualidade mas penso que atravessa muitas gerações e contextos.
Sem imagem de perfil

De Sílvia a 30.04.2014 às 10:52

Concordo com ele. E não devemos esquecer que os nossos jovens licenciados são considerados "lá fora" como dos mais bem (senão os mais bem) preparados para aquela função, daí que tantos estejam a emigrar!

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D