Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Agarrem-me senão eu mordo-o! #4

por João Miguel Tavares, em 29.05.14

Vamos então ver se é hoje que consigo terminar a análise hermenêutica da entrevista do pediatra espanhol Carlos González ao Observador (posts anteriores aqui, aqui e aqui). Há alguns comentários dos leitores que merecem, também eles, comentário, mas deixo isso para mais tarde. Voltemos ao texto original - as citações da entrevista do senhor estão a itálico bold, os meus comentários a redondo normal. 

 

O autocontrolo ensina-se com o exemplo. Eu não bato nos meus filhos porque tenho disciplina, autocontrolo. Não digo ao meu filho para se calar porque não me deixa ouvir televisão, ao invés desligo o televisor para ouvi-lo melhor. Isso é a disciplina.

 

Ora aqui está um bom exemplo daquilo a que eu chamo a paternidade cutchi-cutchi, e que consiste em fingir que estamos constantemente num filme de Hollywood, onde há sempre lugar para os carros estacionarem e tempo para uma conversa bonita e profunda.

 

Então não é verdade que entre ouvir a televisão ou ouvir um filho, devemos desligar a televisão e escutar o filho? É, sim senhor. E posso desde já garantir que se, daqui a uns anos, a minha filha me disser à hora da refeição "papá, estou grávida", a minha reacção não vai ser "já me contas, querida, agora deixa-me só ouvir o que o Marcelo está a dizer".

 

Essa parte está prometida. Mas... e se, por mero acaso, o miúdo só estiver a berrar porque quer que lhe cortemos o bife? Ou que lhe passemos a água? Ou que não gosta de cenouras, argumentando que a literatura do doutor Carlos González é clara em dizer que ele não deve ser obrigado a comer o que não gosta? E se o pai, por mero acaso, for jornalista? E precisar mesmo de ouvir o Marcelo naquele momento porque a seguir tem de ir escrever um texto qualquer? Como é que se faz?

 

O que me irrita nesta entrevista de Carlos González é transformar as decisões óbvias que seriam tomadas num mundo perfeito em regra absoluta. É claro que devemos mimar os nossos filhos. É claro que é preferível não lhes bater se tivermos alternativas. É claro que é melhor desligar a TV à hora das refeições. Quem é que não sabe isso, caraças? Isso é o óbvio ululante! Não é preciso estudar muito para chegar a estas brilhantes conclusões.

 

Só que o problema da paternidade actual não é esse - é exactamente o contrário desse. É como aprender a gerir os momentos de desaspero, como sair de becos aparentemente sem saída, como manter a felicidade doméstica apesar de todos os escolhos, como manter o equilíbrio apesar das nossas falhas, como fazer para que eles não consumam toda a nossa vida, como conseguir que os nossos filhos sejam felizes ao máximo sem que, para isso, nós tenhamos de ser felizes ao mínimo. E isso não se consegue com a tal pediatria hippie, toda ela flower power.

 

Isto é a filosofia New Age aplicada aos conselhos pediátricos - pode consolar as almas zen, que andam pelo mundo levitando meio metro acima do chão, mas eu sou dos que afocinha mais do que levita. O que eu quero é que me ajudem a gerir as minhas faltas de paciência, que um pediatra enfente os problemas práticos do dia-a-dia, e não que parta de situações em que tudo está no seu lugar, da paciência dos pais à racionalidade dos filhos. Não acontece. Ou, se acontece, então é muito fácil de gerir, obrigadinho. Não preciso de Bésame Muchos.

 

Muitas vezes castigamos ou repreendemos as crianças por coisas que nunca puniríamos num adulto. Se vejo a minha esposa ou um amigo a chorar, pergunto o que se passa e tento consolá-los. Para os meus filhos é igual. Se estou a comer com um amigo e vejo que este deixa metade da comida no prato, não o obrigo a acabar tudo. Com os meus filhos também não faço isso. Jamais bateria na minha mulher, no meu pai ou em companheiros de trabalho. Muito menos nos meus filhos.

 

Bom, aqui, a conselho do meu cardiologista, limito-me a remeter para o post anterior, e para aquela parte em que grito AS CRIANÇAS NÃO SÃO ADULTOS!!! É possível arranjar um argumento menos parvo para defender que não se bata nem castigue? É que há argumentos muito melhores, que até eu posso fornecer. Isto é, mais um vez, uma visão extremada do mito do bom selvagem, que Jean-Jacques Rousseau colocou nos píncaros. Mas a verdade é que Rousseau teve cinco filhos e entregou-os todos à nascença para adopção, para que não lhe atrapalhassem a escrita e o seu profundo dever de iluminar a humanidade. Cheio de boas intenções está o Inferno cheio. Por que não admitir antes que não vivemos no Paraíso?

 

Os pais (bem, as mães) tendem a sentir-se culpados por tudo.

 

Sim, é verdade, e boa parte dessa culpa deve-se à pediatria cutchi-cutchi, que coloca as exigências dos pais em patamares tão difíceis de atingir que eles se sentem sempre aquém de tudo, e uns desgraçados de cada vez que perdem a paciência e gritam com um filho. Mas, já agora, devo informar o doutor Carlos González de que não são só as mães. Os pais também se sentem bastante culpados, e não vislumbrar isso é perceber muito pouco daquilo que neste momento se passa à nossa volta, desde o peso em cima dos ombros dos novos pais ao mega-sucesso das piadas do Louis C.K..

 

Estou convencido que as crianças pequenas, até aos três anos, mais ou menos, estão melhor com os seus pais do que em qualquer outro lugar.

 

Eu também. Vamos propor licenças de maternidade e paternidade simultâneas, com três anos de duração cada uma? Parece-me excelente. E altamente praticável. Mas, já agora, com retroactivos, se faz favor, que é para ver se eu me consigo reformar 12 anos antes da data prevista.

 

O instinto permitiu aos nossos antepassados criar os seus filhos durante milhões de anos, antes de existir qualquer civilização ou cultura. O instinto não é perfeito, mas, geralmente, é muito bom.

 

É isso mesmo. É muito bom. E o instinto diz-me que toda esta conversa é uma enormíssima treta, que pode até servir a quem só está a dois passos do nirvana e tem heranças de família que lhe permitam nada fazer na vida além de contemplar os filhos, mas que lixa a existência de todos aqueles que têm de lutar diariamente por ganhar um ordenado enquanto criam as crianças. Gente, sobretudo, que não vive dentro de um filme romântico, daqueles onde se acorda milagrosamente com um penteado cheio de estilo, as mamãs e os papás são sempre super-apetecíveis, e todos putos são louros, têm olhos azuis e dizem coisas extremamente inteligentes. São situações bonitas, claro. Até invejáveis. Mas só existem durante hora e meia, e com a luz apagada.

 

Dr. Carlos González e uma das suas belas máximas, só possíveis a quem nunca na vida foi emocionalmente chantageado por um filho. É um homem, e um pai, cheio de sorte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:49


86 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.08.2014 às 16:09

Pois eu concordo com o autor, acho simplesmente que o Dr. González tem ganho umas lecazitas jeitosas à conta de escrever umas bacoradazitas que duvido muito que inclusive ele as tenha praticado, pois não há pais perfeitos, nem familias perfeitas, todos fazemos o melhor que podemos mediante as circunstâncias. Acho que esse pediatra defende pura e simplesmente que os pais se anulem em prole dos filhos, ora nada de bom pode vir desse tipo de conceito. Então os miúdos deviam dormir sempre na cama dos pais...ok e trucas trucas pode ser em qualquer parte da casa, pois pode...mas para esta gente intimidade resume-se ao truca truca, então e dormir agarridinhos, e a conversa de almofada sem os miúdos presentes para que possamos falar de tudo o que nos vier à gana?
O ideal era as crianças ficarem com os pais até aos 3 anos, ah pois era e também era eu ser podre de rica para o poder fazer e não sou e agora? Sou péssima porque tenho que por as crianças num infantário!!
E ainda dizem que as teorias deste senhor livram os pais das culpas, como?? Devia-mos viver só para os filhos!! Não sei com é que aplicando estas teorias o sr teve tempo para escrever os seus livros!!
Sem imagem de perfil

De Sofia Lopes a 02.06.2014 às 14:39

diz o autor a dada altura "(...) e se, por mero acaso, o miúdo só estiver a berrar porque quer que lhe cortemos o bife? (...) e eu digo - bom, se o miúdo berrar porque quer que lhe cortemos o bife, eu tenho em crer que alguma coisa já vai mal na relação com a criança, e já há bastante tempo. digo eu, que não sou expert em nada muito menos em educação, que a minha cria tem 16 meses apenas... :?
:)
dito isto, tenho a dizer que o Dr. Gonzalez veio descomplicar e muito muitas questões de parentalidade. "não faça assim", "faça assado", "deite a criança às 20:52", "dê de mamar 10-minutos-10 em cada mama", uffa! estes pediatras dos tempos modernos são uns tiranos dos timings!
Sem imagem de perfil

De Inês a 31.05.2014 às 12:14

Epa, francamente.
"- Os pais levam os pediatras demasiado a sério?
Alguns sim, preocupam-se demasiado se o filho tem tosse ou se se passa algo sem importância. Em contrapartida, há muitos que não se preocupam que um bebé com menos de um ano passe dez horas diárias separado dos pais."

Primeiro acho que o sr não respondeu à questão; não perde oportunidade para mandar a boquinha em como os pais não passam tempo suficiente com os filhos. Acho que devia era agradecer por ter bons rendimentos e horários que o permitem estar mais tempo com os filhos, coisa que não acontece com muita boa gente e não é por isso que as pais gostam menos dos filhos.

Estou curiosa como é que os filhos deles depois de tanto pampering, se deram na escola. Infelizmente as crianças conseguem ser bastante cruéis uns com os outros.
E só me consigo lembrar do puto do Game of Thrones que com sete anos ainda mama e faz os homens voar quando o chateiam.
Sem imagem de perfil

De Inês a 31.05.2014 às 11:57

Eu adoro particularmente este: "A criança vai, provavelmente, chorar porque não se quer separar da mãe. Se chora é porque algo está errado e a criança está a sofrer. "
Não tenho filhos, mas lembro-me muito bem das manhas que fazia para não ir à escola, se a minha mãe fosse na minha conversa se calhar era analfabeta, só para eu não sofrer, é claro.

E também não consigo perceber como é que o senhor só se refere às "mães", supostamente é pai mas está constantemente a excluir o sexo masculino em situações específicas.
Sem imagem de perfil

De Diana Matos a 30.05.2014 às 17:23

Parece-me de facto incrível ao ponto que se eleva uma discussão...obviamente que, como em tudo na vida, há quem defenda posições contrárias. Agora, não me parece que a entrevista do Dr. Carlos Gonzalez seja chocante ao ponto de se repudiar como o Diabo a cruz; assim como também não me parece que os comentários do Dr. Mário Cordeiro (que não conheço nem como profissional nem por ter lido qualquer dos seus livros) tenham como essência a de que as crianças tenham que viver sob a alçada de um regime hitleriano.
Seguramente que aqui, uma vez mais, o ponto de equilíbrio deve ser o bom senso. Sou mãe de uma menina de 2 anos e meio, que amo acima de qualquer outra coisa ou pessoa na minha vida (como certamente a maioria dos comentadores), no entanto a verdade é que muitas vezes estou farta de a ouvir, estou farta de ter de lhe chamar a atenção, não me apetece ter de cozinhar só porque ela tem mesmo de comer, não me apetece brincar com bonecas, não me apetece levá-la à sanita... e, no entanto é tudo isso que eu e o meu marido (óptimo pai) fazemos; não é por isso que se ela vem ter comigo a pedir atenção eu lhe dou um berro "sai daqui, não me chateies." Porquê??? Porque tenho bom senso e naturalmente que uma criança de 2 anos e meio não tem culpa da exigência do meu dia a dia.
Mas isso não significa que eu não lhe possa dar um berro ou mesmo retirar um objecto (ainda que ela fique a chorar como se eu estivesse a torturá-la qual época medieval) se, a título de exemplo, ao fim de 2 ou 3 vezes que lhe disse para parar com as tentativas de partir o ecrã da televisão com um qualquer brinquedo (fase em que se apela à sua compreensão), ela o continue a atirar nessa mesma direcção. Porque se assim fosse, garanto que neste momento a minha casa teria pouco de uma casa! E não é por isso que ela é uma criança mais ou menos feliz...educar é uma forma de amar, não tenho qualquer dúvida quanto a isso...
Feliz ou infelizmente, temos que viver em sociedade e cabe aos pais ajudarem os filhos no processo de socialização, sendo que nenhum dos profissionais referidos, certamente, defende a tese de que não se deva impor limite algum, por um lado, nem se deva amar os nossos filhos com todas as nossas forças, por outro.
Não vou castigar a minha bebé de 6 meses porque cuspiu a sopa, já se a minha filha com 2 anos o fizer a história terá que ser diferente; porque os pais e filhos não estão, e ainda bem, confinados ao espaço restrito do lar e portanto convém, que quando nos expomos à civilização levemos crianças com quem se pode conviver pacificamente e não pequenos ditadores que se sobrepõem à hierarquia. As hierarquias existem, aliás sempre existiram e até os animais (irracionais???) o sabem e, respeitam-na talvez melhor que nós!
Sem imagem de perfil

De Raquel Pereira a 31.05.2014 às 01:38

Convido a conhecer http://www.positivediscipline.com/
Sem imagem de perfil

De C.O. a 30.05.2014 às 11:19

Sou mãe há quase 15 anos, de 2 filhos. Durante todos estes anos nunca me dediquei a ler livro nenhum (porque nunca quis, acho que iria fazer mais baralhada): nem sobre gravidez, nem sobre educação. Gosto de ouvir o que alguns especialistas têm a dizer e, se acho que se adequa, tento aplicar o que ouço. Sempre preferi a partilha de experiências com outros pais com filhos na idade dos meus, ou que já por lá passaram.
Também sempre defendi o instinto e a herança (que no meu caso considero bastante boa).
Concordo com o JMT. Hoje em dia é-nos exigida a perfeição em tudo, da educação à imagem, por exemplo, o que nos coloca uma enorme pressão, principalmente enquanto pais. Não há manuais, há opiniões e experiências e cada um adapta e utiliza as que lhes convier.
Não há necessidade de criticar ninguém. Todos à partida sabemos que o principal é o amor por eles, o respeito e o exemplo.
A mim não me choca nada a palmada na hora certa, principalmente enquanto são mais pequenos. E o castigo então, é fundamental. Estou muito longe de ser perfeita, mas tento acompanhá-los sempre, estou presente na escola, no desporto, no que diz respeito à vida deles. E isso sim acho importante.
Agora na adolescência do mais velho, procuro dar-lhe o espaço que precisa, por muito que isso me custe.
Acima de tudo, espero conseguir criar pessoas educadas, bem formadas e apetrechadas para a vida, na certeza de que poderão, sempre, contar comigo. E não será isto o essencial?
Sem imagem de perfil

De Made In Germany a 30.05.2014 às 10:28

É tao triste ouvir um jornalista e pai escrever sobre coisas que, como jornalista, nem se deu ao trabalho de pesquisar e LER para opinar…. Muito triste mesmo. :(
O JMT desceu imenso na minha consideração.
Sem imagem de perfil

De Maria a 30.05.2014 às 02:05

Sou mãe há 5 anos e comecei por educar os meus filhos de forma similar à do João.

Acontece que, no meu caso, houve situações que me deixavam desconfortável: como é que eu vou exigir que eles se controlem se eu não me auto-controlo, como digo para eles não se baterem ou para se acalmarem, se eu não me acalmar? Como é que eu posso dizer que eles não podem resolver os problemas à pancada se eu bato?

E este conflito levou-me a ler bastante, para perceber. E foi bem além do que eu pensava. Levou-me de volta à minha infância, a analisar acontecimentos, sentimentos e as consequências que o tipo de educação que tive me deixaram (perfeccionismo, baixa auto-estima, medo de falhar).

Estou cada vez mais convicta de que o caminho que estava a seguir era errado. Eu estou mais feliz, eles também. Mas é um esforço diário. E pouco a pouco, vou tendo indícios de que vai correr bem.

Mas no início resisti e critiquei e coloquei em causa toda esta nova abordagem. Usei todos os argumentos que o João utilizou e mais alguns.

Para reflectir: as crianças não aprendem o que os adultos dizem, mas o que os adultos fazem.
Sem imagem de perfil

De Helena Rocha a 30.05.2014 às 00:12

Li atentamente todos os comentários e, sinceramente, parece-me que as pessoas estão demasiado preocupadas com a educação das crianças. É como se o "senso comum" tivesse desaparecido da nossa sociedade e as pessoas tivessem que reinventar tudo. Sou mãe de duas crianças e simplesmente ajo como melhor me parece em cada momento, porque por muitos livros que se escrevam sobre o assunto, cada livro não é mais do que um ponto de vista sobre as próprias experiências do autor. Os meus dois filhos são meus, não são de nenhum pediatra ou dito especialista em educação que não os conhecem de lado nenhum. O que funciona com umas crianças falha redondamente com outras e só a experiência pessoal individual de cada pai e mãe é que nos pode guiar. Sim senhor, não há mal nenhum em conhecer teorias, pedagogias e exemplos vários, mas isto é como discutir o sexo dos anjos: nunca se chegará a lado nenhum.
Sem imagem de perfil

De Altina Ribeiro a 29.05.2014 às 23:08

Há uns anos ensinaram-me que "o mapa não é o território", acho que perceber isso ( ou os defeitos da comunicação) ajuda a ser tolerante. Nao posso deixar de partilhar que os comentários do pediatra autor Mário Cordeiro não abonaram muito em seu favor ( e tenho 2 livros dele contra 0 do médico espanhol...)

Comentar post


Pág. 1/3




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D