Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




De facto, neste blogue só se discutem ninharias. Esqueçam-me a mim, ao Dr. Carlos González ou ao Dr. Mário Cordeiro. Sabem o que é mesmo, mesmo importante para uma filha vencer na vida? Um gajo lavar a loiça. Essa é que é essa.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:33


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Cristina a 30.05.2014 às 10:50

Tudo muito subjectivo. O meu pai, um homem bem sucedido no mundo do negócio, não sabe nem estrelar um ovo. A minha mãe sempre trabalhou e ao mesmo tempo sempre foi uma exímia dona de casa, desde levantar o prato do meu pai da mesa até passar a roupa dele a ferro. Por obrigação? Não, por carinho e por ter sido essa a base com que construíram a relação que já dura há 40 anos. A minha irmã é professora universitária, quem sabe chegará a reitora, e eu directora executiva de uma empresa. Posto isto, acredito em excepções (excepções essas devido à educação que é dada em casa) contudo concordo que o pai deve dar o exemplo sobretudo quando tem filhas!!
Sem imagem de perfil

De Teresa A. a 30.05.2014 às 10:26

Deixa-me rir!
O meu pai - que Deus o tenha em descanso - era do mais conservador que se possa imaginar. Educacao dos filhos e trabalhos caseiros eram coisas de mulheres.
E nao é que eu estudei engenharia química, tirei mestrado e doutoramento, fui viver para o estrangeiro, fui mae solteira (filho de pai incógnito) aos 39 anos...
Querem mais?

Eu conheco ambos os casos: há filhos que seguem os exemplos dos pais (mae e pai) e há outros que fazem exactamente o contrário, por acharem que aquilo que os pais fazem está mal.

O mundo nao é preto e branco! Porque é que há filhos de famílias completamente falhadas que saiem uns adultos responsáveis e sérios, e por outro lado há filhos de famílias exemplares que se metem em drogas e nao fazem nada na vida?

Nao há manuais de instrucoes. Somos todos diferentes e ainda bem. A vida é imprevisível mas interessante.

Sem imagem de perfil

De Carlos Duarte a 30.05.2014 às 09:06

Caro JMT,

Parece-me francamente evidente. Os filhos formam-se em grande parte por imitação dos pais, logo o exemplo é de longe o mais importante (daí o "faz como eu digo, não faças como eu faço" cai em saco roto - ao contrário é bastante mais realista).

O que me chateia (e NÃO li o artigo) é a primeira linha da peça no jornal:

"Os pais que fazem tarefas domésticas, como lavar a loiça ou a roupa, têm maiores probabilidades de criar filhas profissionalmente mais ambiciosas e com carreiras menos tradicionais e mais bem pagas, sugere uma nova investigação."

E depois? E se as filhas quiserem ser "enfermeira, professora, bibliotecária ou doméstica."??? Em vez de se combater a descriminação de forma positiva (sei lá, encorajando os FILHOS) a verem ser enfermeiros, professores, bibliotecários e domésticos como algo de igualmente louvável como gestor ou engenheiro, lança-se a culpa para cima das pobres raparigas que querem preencher papéis tradicionais.

As feministas (e o tem desta peça tresanda a isso ou pelo menos ao estereótipo disso) acusaram - e bem, aplaudo - as mulheres de muitas vezes serem as suas piores inimigas, ao perpétuar conceitos de género (têm de ter profissões, comportamentos e gostos femininos). Mas em vez de quererem reequilibrar a balança, passam para o outro extremo e acusam todas as que QUEREM (porque continuam a ter direito a isso) serem "femininas" (de acordo com a interpretação sócio-cultural vigente) de não se quererem desenvolver. Faz-me lembrar a história da maternidade: se querem ter filhos, deviam por a carreira primeiro. Se põe a carreira primeira, filhas da mãe que não se cumprem na maternidade. Haja pachorra.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 30.05.2014 às 11:42

Clap! Clap!
Sem imagem de perfil

De Blog Profissão Mãe a 30.05.2014 às 04:20

E para os pais de filhos? :)
Vão aprender que tb têm tarefas em casa para fazer??
Imagem de perfil

De Carolina Maria a 30.05.2014 às 00:02

Uii, se eu tiver uma filha estou tramada.
O meu namorado (companheiro) já nem tenta ajudar com a loiça. Tentava, no início, até eu ter tido a coragem de lhe dizer que não gosto da forma como ele lava a loiça.
Desde esse dia que lavar a loiça é tarefa só minha (e com todo o prazer).
No global do estudo tudo bem, ele ajuda a cozinhar, por a mesa e terá de ajudar nas limpezas (um dia que eu tenha um emprego a tempo inteiro) mas com a loiça tamos mal hehe
Sem imagem de perfil

De Sónia a 29.05.2014 às 23:30

O exemplo é uma parte significativa da educação de qualquer criança.
Sem imagem de perfil

De Sofia a 29.05.2014 às 23:02

O título é demasiado simplista, é mesmo para sensacionalismo. O que o estudo basicamente diz é que, se as raparigas se habituam a ver igualdade de género entre os pais, seguem esse exemplo na sua vida profissional, ganham coragem para lutar por empregos tipicamente masculinos. O que tem lógica, não é assim tão novidade.

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D