Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





E beijar os filhos na boca? Pode-se? #2 (parece que não...)

por João Miguel Tavares, em 25.11.14

O Dr. Mário Cordeiro, que até costuma dar uma ampla liberdade às idiossincrasias dos pais, é absolutamente contra os pais beijarem os filhos na boca. Eis a sua argumentação:

 

Nããããão! É dar a ilusão de que a relação parento-filial se pode tornar numa relação conjugal, que é um interdito entre pais e filhos porque corresponde à fantasia dos dois anos de idade. As pessoas cumprimentam-se de todas as maneiras, e os homens com 3 beijos nos países árabes ou no sul de França, ou na Rússia.

 

Todavia, um beijo na boca é como dormir na cama dos pais - um sinal de inversão do triângulo pai-mãe-filho, e uma intrusão do filho na relação conjugal dos pais, com perturbação da sua futura relação conjugal (seja com o Noddy ou a Ursa Teresa, com o João ou a Teresa do Infantário, ou mais tarde com o Príncipe ou Princesa encantados).

 

Portanto, JMT: nãããããão !!!!! A menos que gostem de lançar bombas atómicas ou deixar o percurso de vida dos vossos filhos cheios de minas!

 

kissing-rex.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:15


132 comentários

Sem imagem de perfil

De Vania a 25.11.2014 às 21:50

Amo o meu filho incondicionalmente e temos uma relação de muita cumplicidade, mesmo sm o beijar na boca ou o deixar dormir na minha cama!!! Se acorda assustado eu vou com ele até à cama dele acalmo-o e fico até ele adormecer. Alias diariamente depois da história que lhe conto antes de dormir ele próprio diz "já podes sair mãe agora quero dormir"! Foi assim que fui educada e é assim que faço tb, não critico quem faz de forma diferente mas sou criticada por lhe dar liberdade e querer que cresça independente! Todos os dias o meu filho me diz que me amo e eu a ele, não preciso de o beijar na boca para demonstrar amor!!!
Sem imagem de perfil

De Mário Cordeiro a 26.11.2014 às 00:03

É isso mesmo!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 21:23

Que resposta mais absurda!!! (e não beijo os meus filhos na boca, mas também não vejo mal nenhum nisso)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.11.2014 às 15:07

Não é a SUA resposta, mas é a do comentador e também é a minha.
Sem imagem de perfil

De Tita a 25.11.2014 às 17:58

Gostava também de saber a vossa opinião em relação à nudez em frente aos filhos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 18:03

Na minha opinião, acho que não há problema nenhum. Em minha casa, nunca fechamos a casa de banho e os filhos e pais entram naturalmente quando alguém está a tomar banho. Penso que são coisas totalmente diferentes.
Sem imagem de perfil

De Tita a 25.11.2014 às 18:10

Coloquei esta questão aqui, mas se calhar não devia, pois não estou a comparar a nudez com os beijos na boca dos filhos. Tenho só curiosidade em saber a opinião de outros pais e especialmente a opinião do Dr. Mário Cordeiro.
Em relação aos beijos na boca não os dou aos meus filhos porque eles já não querem... A nudez já me suscita mais dúvidas.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 18:18

Cá por casa encara-se a nudez com muita naturalidade.
Ninguém se tapa, nem se esconde. Não nos andamos a mostrar, mas também não nos escondemos.
Entramos e saímos da casa de banho, quando lá estão os outros, caso a porta esteja aberta ou entreaberta. Se estiver fechada, é porque quem lá está quer privacidade e ninguém entra (ex. o meu filho qd vai fazer o n.º 2 fecha-se, não se sente bvem com a ideia de alguém entrar sequer).
Tomamos banho juntos se calhar de ser, vestimo-nos todos no mesmo quarto todos os dias - vou chama-los aos quartos deles e apenas ligo um aquecimento e estamos lá todos. É da maneira que vamos falando um bocadinho e vou ajudando a vestir...
Nunca senti os meus filhos incomodados com isso, se um dia achar ou eles me disserem, garanto a privacidade deles, claro.
Sem imagem de perfil

De Mário Cordeiro a 25.11.2014 às 21:32

Olá
Já que me pede, tenho todo o gosto. Creio que a nudez deverá "terminar" quando se note algum desconforto por parte, quer dos pais, quer dos filhos. Por outro lado, acho que, após os 2 anos, a nudez (e tomar banho) com o progenitor do sexo oposto pode ser complicada porque a criança estará a iniciar o seu jogo de sedução com a pessoa que deseja como "pai ou mãe dos seus filhos"... sim, porque a parentalidade começa aos 18 meses! Com ursinhos de peluche e nenucos, mas parentalidade!
Abraços
Sem imagem de perfil

De Tita a 25.11.2014 às 22:11

Muito obrigada Dr. pela resposta.
Eu quando as minhas filhas mais velhas eram mais pequenas (3/4 anos) via com naturalidade os banhos juntos ou despir-me à sua frente. Depois comecei a não sentir-me à vontade e achei que deveria resguardar-me, até para que elas(hoje com 12 e 11 anos) também tivessem algum pudor, porque acho que deve haver algum recato.
Mas fico sempre na dúvida se agi correctamente pois também não quero que as minhas filhas lidem mal com o próprio corpo.
Sem imagem de perfil

De Ana Maria a 26.11.2014 às 13:29

Tomei banho com a minha filha até ela ter 3 anos. Não o fiz sempre, apenas ocasionalmente. Por vezes, não de propósito, ela via o pai nu. e nunca houve problema.
Passámos a ter mais cuidado agora porque ela entrou na fase do "conta tudo", e muito naturalmente diria na escola que "a mamã tem maminhas grandes", ou "tem pelos no pipi" (é assim que eles falam). E eu não quero passar a ideia de que não deve falar sobre isso, porque não quero que desenvolva a ideia de que a nudez é algo vergonhoso, ou pecaminoso.
O pai, deixou mais cedo, pelo mesmo motivo: não pelo mal que lhe causasse NESTA IDADE, mas pela forma como poderia falar sobre o assunto e a forma como outros poderiam interpretar as palavras dela.
Assim, evitámos filmes :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.11.2014 às 14:08

Cá por casa é tão natural - não nos expomos, mas não nos escondemos, que nenhum dos nossos filhos se importa com a nudez. A deles e a nossa.

Lembro um episódio quando o meu filho era pequeno que reparou que "a mãe não tem pilinha" e ficou "aflito" e perguntar "o que aconteceu à tua pilinha, mãe?"
Nessa altura serviu para uma lição de anatomia e pronto, assunto resolvido.
Não vejo drama nenhum.

Em relação aos beijitos (sim, beijitos, não são beiiiijosss) na boca, se os pais e filhos se sentme bem em faze-lo, não vejo mal nenhum nisso, até porque não vejo como se pode "confundir" com um beijo de um casal! São coisas tão diferentes.

Dormir na cama dos pais. Confesso que não gosto de dormir com filhos na cama, às vezes nem com o marido, gosto de espaço.... por isso não apoio a prática, mas apenas por isso - gosto de espaço.
Mas, sim, já dormi quando eles eram mais pequenos e estavam doentes, dormiam mal...
Hoje em dia, de vez em quando, metemo-nos todos na mesma cama e ficamos lá a conversa e a ver tv. É tão bom.
E nas férias, por vezes, trocamos e dormimos um com cada filho e ao outro dia trocamos. É assim um momento de cumplicidade em que ficamos a falar até mais tarde, escolhemos algo que gostamos os dois na tv...
Há muitos beijinhos, abraços e carinhos. Se estiver a "pecar", mal por mal que seja por excesso, porque tenho muita pena de não ter tido uma infancia assim. Adoro os meus pais, mas os nossos beijos são só de cumprimento...


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 17:58

Um beijo na boca pode demonstrar afeto e carinho mas não é garantia ou sinônimo de afeto nem carinho. Da mesma maneira em que (não raras vezes se dá o "fenómeno" de) dar beijinhos na boca da esposa mas também se dar uma carga de pancada. Em tudo na vida deve manter-se a substância sob a forma. Devemos estar empenhados no carinho que se dá a alguém e não tão focados na maneira como exteriorizamos esse carinho. Quando vejo uma mãe a beijar um filho na boca não considero que daí advenha algum mal ao mundo mas considero uma boa razão para aplicar o termo: contranatura.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 18:15

oi?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 22:24

oi??
Sem imagem de perfil

De Sofia a 25.11.2014 às 17:48

A propósito dos comentários que li até ao momento, penso que se estão a misturar assuntos diferentes. Na verdade, e de acordo com o que diz o Dr. Mário Cordeiro, não se trata de discutir a abordagem "eu faço porque gosto e não tem mal", mas sim: "eu não faço porque não quero que o meu filho sofra no futuro".
Fala-se, então, de os pais poderem e conseguirem pôr de lado a sua vontade pelo bem dos seus filhos no futuro. Estarei errada?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 17:43

Um beijo na boca, um dormir com os pais na cama, um abraço apertado, tudo faz parte da relação de amor e carinho entre pais e filhos! Há uma linha que delimita o abuso de uma mera demonstração de carinho...não compliquemos o que não é para complicar...
Sem imagem de perfil

De Raquel Vale a 25.11.2014 às 16:57

Eu não dou, acho que não faz sentido nenhum. Beijos na boca só ao meu marido. A minha filha tem 3 anos e volta e meia tenta dar-me, sei lá eu porquê, e eu respondo sempre que só dou beijos na boca ao pai. E ele tem a mesma postura.
Sem imagem de perfil

De Inês Dunas a 25.11.2014 às 16:56

Se as pessoas perdessem menos tempo a criticar quem beija os filhos na boca, num gesto inocente de carinho,...
Se perdessem menos tempo a criticar quem os deixa dormir na cama dos pais num gesto inocente de aconchego e protecção, porque têm simplesmente medo do escuro ou, tão somente, querem estar juntinho dos pais...
Se perdessem menos tempo a criticar quem amamenta em público e sem pudor o seu filho, suprindo-lhe uma necessidade básica, sem pensar que pode chocar outros com mentes estranhamente supsceptíveis...
Se perdessem menos tempo a criticar, dissecar, avaliar, moralizar, violentar e agredir o amor incondicional que une pais e filhos e se sente e traduz em tantos gestos que o amor entende e comporta...
Talvez fossemos todos mais felizes e amar fosse simplesmente como deve ser, simples!
Sem imagem de perfil

De Sofia Lopes a 25.11.2014 às 17:05

ora nem mais!

critica-se quem dorme com os filhos na mesma cama, mas dão-se palmadinhas nas costas "custa mas é para o bem deles" aos pais que fazem um esforço sobre-humano para não tirar do berço o bebé que chora;

critica-se quem amamenta até ao desmame natural, mas a quem tem dificuldades na amamentação "não te sintas culpada, dá-lhe um biberão de leite em pó que é a mesma coisa";

critica-se quem pratica uma parentalidade afetiva, onde a palmada não é opção, mas dão-se palmadinhas nas costas "custa mas é para o bem deles" aos pais que a qualquer assomo de birra "sacodem as moscas".

eu acho que está tudo ao contrário, fomenta-se o distanciamente entre pais e filhos, depois admiram-se de serem largados em lares.
Sem imagem de perfil

De Sílvia a 25.11.2014 às 17:34

Sofia, não me leve a mal, mas acho que está a fazer o mesmo... a criticar os outros dos quais discorda!
Eu, por exemplo, de tiver que dar uma palmadinha dou, mas não vejo mal em que quer evitar a todo o custo isso. O meu pequeno dorme na nossa(minha e do meu marido) cama, mas entendo o que dizem de terem o seu espaço. E não pude amamentar, mas quero lá saber se amamentam até aos 4 anos da criança. Cada pai sabe o que é melhor para o seu filho, cada um saberá melhor como manter a proximidade e afectividade entre a família, porque as pessoas e as famílias são todos diferentes. E não me parece que seja isso (ou só isso) que fará a diferença um dia mais tarde nos lares... isso também vai da personalidade de cada um. E como sabemos há pais que fazem "tudo bem" e os filhos saem menos bem, porque depois cada um terá a sua consciência e personalidade e haverão factores externos à família a moldar isso. É a minha humilde opinião!
Sem imagem de perfil

De Sofia Lopes a 26.11.2014 às 12:03

Silvia, o que eu quis basicamente dizer é que hoje em dia é socialmente aceitável criticar-se quem não dá palmadas, quem amamenta em público e até ao desmame natural, quem dorme com os filhos na mesma cama, mas a crítica no sentido inverso já é "fundamentalismo".
Sem imagem de perfil

De Sílvia a 25.11.2014 às 17:24

Inês, não se está a criticar (algumas pessoas criticam, vá) apenas por não se pensar da mesma maneira... estamos apenas a discutir ideias, que é o que propõe o post do João. É assim que a sociedade evoluiu, a pensarmos de forma diferente e a discutirmos ideias!
Se ninguém comentasse os textos do João, ele tinha que encerrar o estaminé!
Eu sou feliz e amo simplesmente, mas tenho opiniões contrárias aos outros, dou-as e com isso não preciso de criticar ninguém, cada um sabe de si! Mas entendo o seu ponto de vista, há "opiniões" críticas muito negativas e agressivas, que não levam a nada!
Sem imagem de perfil

De Joana a 25.11.2014 às 17:32

Nem mais

Não diria melhor.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 22:39

Depois arrependem-se de não terem beijado, não terem deixado dormir na sua cama e tentam remediar a situação com os netos ...
Sem imagem de perfil

De Maria2 a 26.11.2014 às 00:21

Livra, não me vou arrepender de não os ter beijado na boca! Recebem beijos com fartura, mas na boca não.
Sem imagem de perfil

De Liliana Silva a 25.11.2014 às 23:16

Assino por baixo.faço minhas as suas palavras Inês
Sem imagem de perfil

De DMN a 25.11.2014 às 23:48

Concordo inteiramente!
Sem imagem de perfil

De Sofia Lopes a 25.11.2014 às 16:10

e agora pergunto eu (desculpe lá JMT): aqueles que dizem que é uma grande badalhoquice beijar os filhos na boca porque a nossa boca é cheia de germes (já começo a desconfiar que tenha mais bichos nos lábios que a lixeira de trajouce), até que idade esterilizam a casa e todos os objetos em que os vossos filhos mexem? e na escola, como é que fazem? ou os miúdos andam numa bolha real?
Sem imagem de perfil

De Sílvia a 25.11.2014 às 16:17

Não tem a ver com badalhoquice ou não! Se bem que se já tivesse visto algumas das bocas que eu já vi (sou dentista, como disse no comentários dos germes) pensaria duas vezes antes deste comentário!
Tem a ver que a flora oral de um adulto e de uma criança são diferentes e cada coisa aparece no seu tempo. E será sim uma "badalhoquice" para quem, por exemplo, tem herpes.
E eu até deixo o meu filho andar por todo o lado, com animais e sem bolha e tudo e tudo e tudo! E como disse, se ele me dá um beijo na boca, não fujo, mas também não incentivo, porque ele depois pode achar normal beijar assim os avós, os tios, os primos e por aí fora e aí já me parece uma badalhoquice, sim!
Sem imagem de perfil

De Sofia Lopes a 25.11.2014 às 16:19

Sílvia, não será para si, mas já li por aí muito comentário onde entrou a palavra "nojo" e derivados ;)

PS: ver dentes podres all day long? m-e-d-o! :D
Sem imagem de perfil

De Sílvia a 25.11.2014 às 16:28

Ok, entretanto já li por aí outro comentário de germes... Mas como eu tinha falado disso, pensei que fosse comigo!
Mas realmente eu não usaria a palavra nojo, como noutros assuntos eu não vou "nem tanto ao mar, nem tanto à terra", confio no bom senso de cada um e cada pai (pai e mãe, claro!) sabe o melhor para os seus filhos.

Sim... all day long!! Tenham misericórdia! Lol
Sem imagem de perfil

De Rita a 25.11.2014 às 16:24

Uma dentista deve saber mais do assunto do que os aficionados dos beijos na boca às crianças pequenas, Aos filhos adultos é um bocado estranho.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 18:25

Aficionados dos beijos na boca às crianças pequenas?
Realmente já começo a ficar traumatizada de vir a este blog.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 16:44

Sim, compreendo isso da flora dos adultos e crianças, mas até que ponto um beijo "repenicado" transmite assim tantos germes quanto isso?
Atenção que eu nem sou das que dou beijinhos na boca aos filhos, nem nunca recebi dos meus pais, mas parece-me que se está a fazer confusão entre um beijo na boca entre casal e um beijito entre pais e filhos, em que a troca de fluidos não será bem a mesma coisa, certo?
Faz-me mais confusão aqueles beijos molhados que algumas pessoas dão na cara umas das outras, em que apetece ir logo lavar!!! blheccc
Sem imagem de perfil

De Joana a 25.11.2014 às 17:36

lol

É verdade, há pessoas que deixam a cara toda pegajosa quando nos cumprimentam.

Eu devo viver numa realidade paralela, no tema da amamentação falavam de mulheres que ficavam com as maminhas à mostra para todos verem, aqui falam em troca de fluidos.
Estamos mesmo a falar de beijinhos dados pelos filhos pequeninos aos pais? aqueles repenicados?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 18:33

Não. Estamos a falar daquilo que muita gente tem recalcado nas suas cabeças. Nova modalidade de beata de aldeia, coscuvilheira de serviço, que vê mal em tudo mas é informatizada(o). Estamos também a falar de gente que vê uma mãe a amamentar mas na verdade o que vê é uma gaja com mamas de fora, que vê uma mãe ou pai a dar um beijinho nos lábios do filho mas o que vê é uma atitude promíscua e pouco higiénica. Blhec é só "freakismos". E não estou a condenar quem tem uma opinião diferente da minha, porque aqui não condeno opiniões condeno ofensas.
Sem imagem de perfil

De Entre Dias a 25.11.2014 às 16:03

Os meus pais nunca me deram beijos na boca por isso não tenho experiência no caso, mas tenho uma opinião (claro). Pessoalmente nunca gostei muito do acto em si, mas não sei se isso significa realmente problema no futuro ou confusão na cabeça das crianças. Mais uma vez acho que cada um deve fazer aquilo que acha melhor, porque pelos vistos há sempre algum senão em todas as coisas que fazemos, por isso mais vale seguir o coração.

Comentar post





Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D