Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





E beijar os filhos na boca? Pode-se? #2 (parece que não...)

por João Miguel Tavares, em 25.11.14

O Dr. Mário Cordeiro, que até costuma dar uma ampla liberdade às idiossincrasias dos pais, é absolutamente contra os pais beijarem os filhos na boca. Eis a sua argumentação:

 

Nããããão! É dar a ilusão de que a relação parento-filial se pode tornar numa relação conjugal, que é um interdito entre pais e filhos porque corresponde à fantasia dos dois anos de idade. As pessoas cumprimentam-se de todas as maneiras, e os homens com 3 beijos nos países árabes ou no sul de França, ou na Rússia.

 

Todavia, um beijo na boca é como dormir na cama dos pais - um sinal de inversão do triângulo pai-mãe-filho, e uma intrusão do filho na relação conjugal dos pais, com perturbação da sua futura relação conjugal (seja com o Noddy ou a Ursa Teresa, com o João ou a Teresa do Infantário, ou mais tarde com o Príncipe ou Princesa encantados).

 

Portanto, JMT: nãããããão !!!!! A menos que gostem de lançar bombas atómicas ou deixar o percurso de vida dos vossos filhos cheios de minas!

 

kissing-rex.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:15


132 comentários

Sem imagem de perfil

De MIsabel a 26.11.2014 às 09:09

Não gosto que o meu filho durma connosco, nunca gostei. Mas PRECISO muito, muito, muito de dormir. E no dia seguinte de manhã, tenho que me levantar e vir trabalhar e ser uma mãe, mulher, profissional funcional.
Escolhi o pior de dois males e durante um, dois anos (entre os 9 meses e os 2 anos do meu filho) quando ele acordava a meio da noite, acabava por vir dormir para a nossa cama e conseguíamos dormir os 3 até o despertador tocar.
Hoje com 4 anos dorme a noite toda na sua cama.
Os pais continuam um casal feliz e o filho sabe bem qual o lugar que ocupa no triângulo familiar.
Não sou defensora do co-sleeping, sou defensora do que funciona para cada dinâmica familiar.
E não me parece que tenha posto uma bomba atómica na vida do meu filho por tê-lo deixado dormir connosco. Mas a mãe tinha-se tornado numa verdadeira bomba atómica na vida dele se tivesse sido privada de sono!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.11.2014 às 09:27

concordo em absoluto. sendo que no meu caso, os filhos (8 e 4) ainda vêm para a nossa cama qdo estão doentes ou têm pesadelos, apesar de não o fazerem por sistema. não consigo perceber as posições extremistas, ainda por cima vindas de um pediatra.

relativamente aos 2 (e não 4) milhoes de anos de evolução, o Mário Cordeiro contra si fala. ou acha que há 50 mil anos os filhos dormiam segregados dos pais?

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D