Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





E beijar os filhos na boca? Pode-se?

por João Miguel Tavares, em 24.11.14

Antes que comecem a acusar-me, após a mega-polémica da amamentação, de me estar a transformar no Bloco de Esquerda da vida familiar - por aqui, é só temas fracturantes -, devo dizer-vos que a pergunta não é minha, mas da leitora Ana, que me desafia a opinar sobre dar beijos na boca dos filhos. E acrescenta:

 

Não acho nojo, mas incomoda-me.

 

Este "não acho nojo" é uma resposta directa ao conteúdo deste post da Joana Paixão Brás, no blogue A Mãe É que Sabe.

 

Eu não só não acho nojo como até acho fofinho de ver, pelo menos nos filmes de Hollywood. Mas pessoalmente não pratico. Até porque não saberia em que altura da vida parar. Se em 2020 alguém me apanhasse na rua a dar chochos a uma miúda de 16 anos corria o risco de acharem que não era minha filha - o que daria problemas em casa.

 

Mas parece que a questão começa a discutir-se em muito lado, incluindo nos países onde beijar na boca é habitual.

 

658380_3513306_ver1.0_640_480.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:59


122 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.10.2017 às 15:07

Eu beijo já na boca minha minha entiada o pai dela queria me agredir
Sem imagem de perfil

De Elsa a 28.11.2014 às 08:57

Dar beijos na boca é só mais um sintoma da incapacidade moderna em dizer não aos filhos. Terá os seus efeitos mais ou menos complexos consoante o conjunto de variáveis com que se cruzar. A dificuldade das pessoas em ver isto decorre da sua própria dificuldade de auto análise e reflexão pessoal. Cada um vê o que quer num molho de brócolos como dizia alguém. Mas os brócolos não deixam por isso de ser brócolos ...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.11.2014 às 18:35

Mas você é iluminada e vê! Aleluia
Sem imagem de perfil

De Elsa a 28.11.2014 às 18:52

Sim, é para isso que a ciência serve, para iluminar o nosso caminho. Pensar não é para todos, muitos apenas reagem ao que outros pensam, sem conseguir produzir um pensamento seu, espero sinceramente que não seja o seu caso. Cumps,
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 23:06

Parece-me haver alguma confusão entre afetividade e sexualidade e isso é que me arrepia a alma!!
Arrepia-me que um pai/mãe possa ter uma ideia de erotização no corpo do filho!! Arrepia-me que esses pais ( e também algumas teorias ditas cientificas, ancoradas nos dogmas e tabus dos seus autores) vejam alguma possibilidade de equacionar uma ideia que seja, de dar ao pensamento esse pasto! Alguma coisa não ficou bem resolvida, lá atrás nas suas relações afetivas e agora sexuais? que confusão!!! Como ver num beijo, num selo ou "xoxo" nos lábios entre os pais e os filhos, algo de nojo, pecaminoso...? sim, pode ser cultural, aceito que tem muito a ver com o hábito, como tudo na vida. Uma coisa é eu não o fazer, porque não fui habituada, outra coisa é julgar e fazer avaliações tão fatais e falaciosas.
Obrigada por este espaço que, creio, pode abrir as mentes e os nossos corações.
Sem imagem de perfil

De Anonimo a 02.06.2016 às 17:04

dei....dou...e vou sempre dar!!!!
Quem vê isso de uma forma sexual é doente!
Sem imagem de perfil

De mariazinha a 25.11.2014 às 13:49

nem a propósito:

http://joannagoddard.blogspot.pt/2011/05/motherhood-mondays-do-you-kiss-babies.html
Sem imagem de perfil

De Patty a 25.11.2014 às 14:42

Fui espreitar! E o que mais me chamou a atenção foi... o civismo das respostas!
Não li os quase 600 comentários, mas fui lendo uns e outros aleatóriamente, e reparei que a maioria partilhava a sua experiência pessoal com os seus pais ou filhos, praticando o dito beijinho, enquanto que os que não concordavam expressavam a sua opinião em frases que começavam ' Pessoalmente penso que...' ou ' No nosso caso...'
Sem julgamentos às escolhas do outro, sem palavras agressivas, sem a atitude que subentende que se a nossa opinião é esta, os outros estão todos errados!
Li há dias uma frase magistral de Alejandro Jodorowsky : '
'Pássaros criados em gaiolas pensam que voar é uma doença'
Sem imagem de perfil

De AGC a 25.11.2014 às 15:43

Concordo tanto consigo! Independentemente da nossa posição sobre o beijinho nos lábios dos filhos parece-me importante não esquecer que estamos a falar sobre os afectos alheios e importa ter algum respeito. Expressões como "nojento" parecem-me tão agressivas e exageradas! Somos tão pudicos e comedidos relativamente a tantas outras coisas, mas temos sempre opiniões fortes sobre como os outros devem educar os filhos!
Sem imagem de perfil

De Mário Cordeiro a 25.11.2014 às 00:39

Nããããão! É dar a ilusão de que a relação parento-filial se pode tornar numa relação conjugal, que é um interdito entre pais e filhos porque corresponde à fantasia dos dois anos de idade. As pessoas cumprimentam-se de todas as maneiras, e os homens com 3 beijos nos países árabes ou no sul de França, ou na Rússia. Todavia, um beijo na boca é como dormir na cama dos pais - um sinal de inversão do triângulo pai-mãe-filho, e uma intrusão do filho na relação conjugal dos pais, com perturbação da sua futura relação conjugal (seja com o Noddy ou a Ursa Teresa, com o João ou a Teresa do Infantário, ou mais tarde com o Príncipe ou Princesa encantados. Portanto, JMT: nãããããão !!!!! A menos que gostem de lançar bombas atómicas ou deixar o percurso de vida dos vossos filhos cheios de minas!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 02:43

Meu Deus Dr., que exagero...
Sem imagem de perfil

De Sofia Lopes a 25.11.2014 às 08:03

Eu tinha avisado, no post da amamentação, que faltava falar no co-sleeping :P
Então e digo-te lá, e no tempo das cavernas, em que o sono partilhado era uma questão de sobrevivência, também andávamos todos baralhadinhos?!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 10:09

Mas faz questão em voltar ao tempo das cavernas? Bem me parece que, com ideias como as suas, é para lá que quer ir.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 09:03

A sério???
Apesar da opinião ser de quem é, não posso deixar de a achar exagerada!
Muito exagerada!
Sem imagem de perfil

De Teresa A. a 25.11.2014 às 10:07

Obrigada, Dr. Mário!

Para quem acompanha este blog nao é novidade que eu vivo na Alemanha. Aqui é muito habitual as criancas darem beijos na boca aos adultos e eu sempre achei isto horrível.
Fartei-me de dizer por aqui que em Portugal isto nao se faz, portanto eu também nao o vou fazer com a minha filha, independentemente de vivermos na Alemanha.
A minha filha, apesar de tudo, muitas vezes tentar dar-nos beijos na boca e eu simplesmente desvio discretamente a cabeca e ela acaba por dar o beijo na face.
Aliás, o pai já a "apanhou" muitas vezes a tentar dar-lhe um beijo na boca metendo língua e tudo (por nos ver a nós, penso eu...). Era o que faltava!

Portanto, concordo com o Dr. Mário.

Respeito quem dá e deixa dar beijos na boca, mas nao gosto, acho estranho, fui educada de outra maneira.
E nao acho nada que isso traumatize as criancas ou as faca sentirem-se rejeitadas?
Eu dou imensos beijinhos e abracos à minha filha, pá!
Sem imagem de perfil

De António a 25.11.2014 às 10:08

Muito obrigado, Dr. Mário Cordeiro pelas suas palavras! As pessoas vêm com os liberalismos e não são capazes de ver que estão a brincar com "bombas atómicas", como diz, não só nas relações entre pais e filhos, como nas relações afectivas que se estabelecem com terceiros.
Sem imagem de perfil

De Susana V. a 25.11.2014 às 10:16

Olá,
Eu cá não tenho opinião sobre os beijinhos. Acho que é apenas uma questão cultural e nada mais. Os intervenientes sabem o que significa em cada contexto.

Mas tenho uma opinião estruturada sobre a questão de dormir na cama com os bebés (ou melhor deixar que os bebés durmam na nossa cama quando têm necessidade). E, apesar de todas as rebuscadas teorias psicológicas, acho que é a melhor opção para muitas famílias. Aliás é a opção natural e inteligente que permite aos pais descansarem (o possível) e ao bebé sentir-se seguro. Muito mais natural que usar uma máquina que nos traz os sons dos bebés durante a noite (que disparate!). Com o tempo essa necessidade da parte do bebé desaparece.
Acho que fazer desta opção das famílias um tabu vai na linha de complicar a vida dos pais (tal como a obrigatoriedade de dar de mamar no recato do lar). Já ofereci o ''O grande livro do bebé'' a novos pais. É um bom livro, mas tive mesmo vontade de arrancar as página sobre o dormir com os pais...

Há muitas oportunidades de mostrar a diferença entre a relação entre os pais e a relação pais-filhos .

Peço desculpa por este comentário off-post , mas não consigo resistir a esta cruzada....

:-)

Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 10:20

Concordo plenamente.
Imagem de perfil

De golimix a 27.11.2014 às 08:46

O mal está em quem olha.
Não exagerou nem nada?
Sem imagem de perfil

De Pedro Lourenço a 24.11.2014 às 23:36

Não é uma questão de nojo, mas está provado que são os pais que transmitem aos filhos por via oral a "helicobacter" a (bactéria responsável pelo cancro no estômago), por acaso o nosso país é recordista em cidadãos infectados.
Quem gostar dos filhos que os beije nas bochechas, perguntem ao vosso médico.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 08:39

Não são apenas os pais quem pode transmitir Hp aos filhos. Há muitas outras formas de transmissão. E, não assuste as pessoas, há formas de detecção da infecção e tratamento. Tem toda a razão quando fala da forte relação entre infecção por Hp e cancro. Assim como da elevada prevalência em Portugal. Mas os mais velhos não terão sido infectados pelos beijos dos pais pois pelo que sabemos a prática do beijo na boca entre pais e filhos não era muito comum há umas décadas. E grande parte dessa população mais velha está infectada.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 08:58

Hp é a bactéria Helicobacter pylori
Sem imagem de perfil

De Amélia a 25.11.2014 às 19:38

Está enganado. O HP é durante a infância que é "apanhado", nas escolas, creches e é especialmente na idade adulta que ele pode ou não manifestar-se. Claro que também pode acontecer em crianças, mas não são este beijinhos (toque de lábios) que os vais "contaminar"
Imagem de perfil

De golimix a 27.11.2014 às 08:47

Não há troca de saliva. É um xoxo, um selinho.

Sem imagem de perfil

De Amélia a 24.11.2014 às 23:29

Tenho 3 filhas sempre lhes dei beijinhos na boca, acho ternurento e carinhoso. Hoje já são crescidas já não o fazem em público, mas as mais novas, em casa ainda damos o beijinho, do bom dia ou da boa noite, na boca. O meu marido nunca o fez mas não criticou ou critica.
Sem imagem de perfil

De Sophie a 24.11.2014 às 23:28

Faço de minhas palavras suas... Concordo plenamente..... Prefiro que tenham 'nojo' porque beijo as minhas filhas na boca do que tenham 'nojo' delas por estarem sujas e por aí fora... Quero que um dia que não esteja presente nas vidas delas que se recordem de mim, pelo carinho pelo amor e não pela falta dele...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.11.2014 às 23:39

"pelo carinho pelo amor e não pela falta dele..."
Ora tenha juízo. Acha que são necessários beijos na boca para se lembrarem do seu carinho e amor? Os pais e filhos que não andam a beijar-se na boca não têm carinho e amor uns pelos outros?
Sem imagem de perfil

De Joana a 24.11.2014 às 22:53

Não considero que beijar um filho na boca (lábios) seja um nojo mas sim uma completa falta de higiene.
Muitos dos adultos fumam, bebem, podem até ter higiene mas não chega pois a boca de um adulto tem muito mais micróbios que de uma criança, para além disso podem até transmitir alguma doença ás crianças.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.11.2014 às 23:12

E até os há que põe a boca em sitios inimagináveis, em mares nunca antes navegados...ou navegados demais.
P'lamordedeus, tanta teia de aranha.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 25.11.2014 às 09:19

uuuuuuuu...é melhor só se aproximar dos seus filhos com uma máscara...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.11.2014 às 22:14

Quando comecei a pedir beijinhos à minha filha, ela dava naturalmente na boca. Os bebés imitam o que vêem e os beijos que via com mais frequência eram os beijos com eu e o pai nos cumprimentávamos ou despedíamos. Como jamais recusaria um beijo dela, volta e meia os beijos são lábios nos lábios.

Comentar post


Pág. 1/5




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D