Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Há quanto tempo é que você não diz "amo-te"?

por João Miguel Tavares, em 10.10.14

Observador fez uma curiosa notícia sobre um estudo da YouGov dedicado a averiguar a evolução das relações ao longo do tempo e a persistência de coisas como borboletas na barriga ou, mais simplesmente, a presença da palavra "amo-te" na vida dos casais.

 

Este estudo já me obrigou a uma autocrítica maoísta, no sentido em que me senti tristemente estatístico: também eu, ao fim de 12 anos de casamento e 22 anos de relação, digo menos vezes "amo-te" à excelentíssima esposa do que deveria. Queria ser mais vermelhão do que rosa-azulado (é ver o gráfico em baixo).

 

Podemos sempre ver as coisas pela positiva, claro: deixamos de o dizer tantas vezes porque a outra parte deixa de duvidar. Mas, infelizmente, acho que isto é só uma desculpa. Fica prometido: nos próximos tempos vou esforçar-me um pouco mais para regressar às cores quentes.

 

amor-palavra.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:39


24 comentários

Sem imagem de perfil

De Hummm a 14.10.2014 às 08:54

É impressão minha ou esse gráfico tem um bug na coluna do 1-2 anos?
Imagem de perfil

De João Miguel Tavares a 14.10.2014 às 09:58

Tem um bug, tem. Bem visto. O original, em inglês, está correcto.
Sem imagem de perfil

De Ana Maria a 12.10.2014 às 09:11

Digo mais vezes "gosto de ti" do que "amo-te".
Esse "amo-te" fica mais guardado para aquelas alturas em que o ambiente ficou tenso, em que alguma coisa ficou dita ou outra ficou por dizer. É um repetir da promessa que concretizamos todos os dias.
Digo muitas vezes "amo-te", sim, mas mais "gosto de ti". Ao marido, às filhas, à(os) amigas que estão lá e para quem eu estou.

"gosto de ti", vale?
Sem imagem de perfil

De Mário Cordeiro a 11.10.2014 às 19:10

Gosta-se das coisas,
Adoram-se os deuses
Mas amam-se as pessoas.
(deste, tenho o copyright porque é um dos poemas que escrevi)

O verbo amar, nas suas diversas conjugações, passou a ser associado a letras de músicas pimbas. É pena... é um verbo lindo, porque sentido e repleto de entusiasmo e querença. E cheio de significado, quando dito de forma espontânea, surpreendente, fora do contexto de um qualquer "Dia dos Namorados". Muitas pessoas que acham piroso dizer "amo-te", já acham "fantástico" o "je t´aime" ou o "I love you"... vá-se lá saber...

E há quanto tempo não se telefona a um amigo apenas para dizer que se gosta dele e como é que ele se sente, sem ser com uma outra qualquer "agenda" na carteira?
Sem imagem de perfil

De Ana Maria a 12.10.2014 às 09:12

"E há quanto tempo não se telefona a um amigo apenas para dizer que se gosta dele e como é que ele se sente, sem ser com uma outra qualquer "agenda" na carteira?"

Dr. Mário, muitas vezes. Imensas (mas não demasiadas). Mais vezes por sms, e-mail ou carta (sim, daquelas que vão pelo correio) do que por telefone, mas ainda assim muitas vezes.
Sem imagem de perfil

De Mário Cordeiro a 12.10.2014 às 21:22

Ana Maria. Tem sorte e faz por isso! Parabéns.
Eu, infelizmente, faço-o menos do que devia e queria. Mas ainda há um par de semanas liguei a um amigo para saber dele e ele não parava de dizer: "ok, mas então o que é que tu queres?". e por mais que negasse qualquer outro objectivo que não o saber dele, ele ria cada vez mais e dizia: "não gozes. O que é que precisas de mim?"
É bom saber dos outros a quem queremos, "apenas porque sim".
Sem imagem de perfil

De JAzevedo a 10.10.2014 às 19:54

Nunca dissemos. Dizemos outras coisas. Não duvidamos. (Dados para estatísticas)
Sem imagem de perfil

De Carla brito a 10.10.2014 às 18:21

Cá em casa diz-se todos os dias.
O mais importante: que seja dito do coração e não apenas da boca para fora.
Temos mais um ritual: sempre que chegamos os dois a casa (ou quando chega o outro), há sempre um abraço demorado e apertado.
E se há algum dia em que um falha, ou começa a fazer alguma coisa sem cumprir o ritual, o outro fica à espera até que o abraço aconteça.
Sem imagem de perfil

De Cabanas a 10.10.2014 às 15:50

Dúvida: quem diz "amo-te" por SMS entra na estatística? Não consigo terminar uma mensagem para a excelentíssima sem escrever a palavra mágica...mas ao vivo e a cores já é bem diferente...trabalho, filhos, tarefas domésticas....estão sempre primeiro...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.10.2014 às 15:35

Só o facto de tanta gente dizer que não gosta da palavra, que soa mal, etc já é um indicador da dificuldade que as pessoas têm em verbalizar o que sentem. Acho que é uma palavra linda e que quem realmente a sente a diz com a maior das facilidades. Se não a consegue dizer é porque não ama de verdade.
Sem imagem de perfil

De marta a 10.10.2014 às 15:39

disparate
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.10.2014 às 15:49

por acaso não acho. concordo em absoluto.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.10.2014 às 14:51

Apesar de saber que as acções é que valem, gosto de ouvir e de dizer. Tanto que quando estou meia chateada não sou capaz de dizer amo-te.
Nunca nos deixamos de falar, nunca sequer discutimos. Damos sempre um beijo de boa noite e ao acordar, ao sair de casa e ao chegar, mesmo que andemos meio zangados, mas dizer amo-te a seguir a esse beijo... só se for para fazer as pazes, senão esse amo-te não sai.
Assim como por escrito. Mandamos várias sms e emails por dia, para recados, por causa dos filhos ou simplesmente para nada :)
Se as coisas estão bem, um amo-te e beijinhos no final da frase sai naturalmente.
Se há algo a chatear, mando um "bj".
Não deixo de mandar, mas é diferente...
Não deixo de o amar quando estamos meio chateados, mas não consigo dizer-lho do mesmo modo!

Assim é há quase 18 anos e dois filhos (12, 7 anos) depois.

PS - Acabei de enviar uma sms a dizer... Amo-te
Sem imagem de perfil

De Sn a 10.10.2014 às 14:38

Não sou fã da palavra. Soa-me a novela. Temos outras. Só nossas.
Imagem de perfil

De ana a 10.10.2014 às 14:06

Há muitas maneiras de dizer amo-te. Eu acho que o João quando "implica" aqui com a Teresa está a dizer-lhe que a ama

Comentar post


Pág. 1/2




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D