Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Mentira!

por João Miguel Tavares, em 15.05.14

A Ana Rute Cavaco publicou no seu blogue um texto que me parece muito importante sobre o mito de as crianças falarem sempre verdade. Vale a pena ler o post inteiro, até pelos exemplos concretos que ela dá. Deixo aqui apenas um pequeno aperitivo:

 

Partir do princípio que as crianças contam sempre a verdade é partir de vários princípios que se desmontam em três tempos: o primeiro é que as crianças observam a realidade e a interpretam tal qual ela aconteceu; o segundo, que vem na sequência do primeiro, é que interpretando bem a realidade, a conseguem reproduzir com igual grau de fidelidade; o terceiro é que, no seu íntimo, mesmo contra todos os sentimentos, são fiéis ao que dizem; o quarto é que não usam a informação como lhes convém. Não acredito em nada disto, e com o passar do tempo, mais certezas ganho. (...)


Tendo nos meus filhos os meus bens mais preciosos aqui na terra, quero honrar isto que a Bíblia me diz. Amá-los é também duvidar deles e ensiná-los a pensar. E não apenas acreditar que tudo o que lhes sai da boca é verdade. A verdade deve ser confirmada, sempre. "Porque as crianças não têm filtro, elas dizem tudo como é." Não acreditem nessa treta.

 

De facto, não acreditem nessa treta. É verdade que os miúdos, até ali por volta dos seis anos, não têm filtro, e podem reproduzir impiedosamente certas conversas que aconteceram na realidade, mas isso é por não estarem na posse de determinados instrumentos (como evitar dizer na cara das pessoas verdades que as podem magoar inutilmente) que permitem manter a salubridade da vida social.

 

Mas essa transparência embaraçosa não é sinónimo de qualquer espécie de apego fundamentalista à verdade. Os miúdos mentem pelas mesmas razões que tantos adultos - para ganhar vantagem ou para evitar punições. E também pelas razões apontadas pela Ana Rute: porque não dominam o seu próprio discurso, nem têm qualquer espécie de rigor na reprodução dos factos. Ou seja, mentem. Às vezes de propósito, muitas vezes sem querer. Mas mentem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:23


9 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 17.05.2014 às 03:08

Eu concordo que as crianças mentem, muito embora me pareça que quando são mais pequenas isso não aconteça tanto assim.

No entanto, pelo menos eu, quando uso a expressão "sem filtro", refiro-me aos casos em que as crianças dizem o que pensam (o que não quer dizer que o que pensem coincida SEMPRE com a realidade) sem intenção de magoar ou denegrir, quando pura e simplesmente estão a constatar um facto ou fazer uma observação.

São aquelas situações em que uma criança diz a um adulto que está mais gordinho (e está), que chamam à atenção para o facto de deitarem o lixo para o chão (não importa se são pessoas estranhas), em que dizem a um adulto que vão morrer porque fumar mata...quando chegam ao pé de uma mãe em luto e falam aberta e naturalmente sobre o filho perdido, enquanto os adultos que a rodeiam se sentem constrangidos. Isto pensando em apenas alguns exemplos que me deixaram mais ou menos atrapalhada.

Também fazem críticas à incoerência entre o que os adultos lhes exigem e o que efectivamente fazem.

Só não concordo com uma coisa: se supostamente mentem porque não têm ainda rigor na reprodução dos factos, então não podem estar a mentir. Mentir implica intencionalidade, implica ter uma noção da realidade e mudá-la por uma razão. Implica análise da realidade, das consequências da mesma e de um modo de a inverter num discurso e raciocínios elaborados. Uma noção de bem e de mal, que não ocorre em todos exactamente na mesma idade.

Acredito que, numa fase inicial, as crianças tenham a capacidade de dizer a verdade e que esta vai diminuindo à medida que se vão confrontado com as convenções sociais que os adultos vão impondo ("não se diz isso") ou que vão sendo castigadas e punidas por dizerem a verdade (porque a verdade é terem feito algo errado e já têm a noção de que isso poderá ter consequências).

Sobre o texto original, de as crianças serem pecadoras e necessitarem de salvação, deixo para reflexão o seguinte, a quem o assunto interessar:

"Chamando uma criança, colocou-a no meio deles, e disse: "Eu lhes asseguro que, a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no Reino dos céus." Mateus 18:2-3

E já agora mais à frente "Da mesma forma, o Pai de vocês, que está nos céus, não quer que nenhum destes pequeninos se perca".

Finalmente:"Vendo, então, os principais dos sacerdotes e os escribas as maravilhas que fazia, e os meninos clamando no templo: Hosana ao Filho de Davi, indignaram-se, E disseram-lhe: Ouves o que estes dizem? E Jesus lhes disse: Sim; nunca lestes: Pela boca dos meninos e das criancinhas de peito tiraste o perfeito louvor?" Mateus 21:15-16

Pergunto-me então, quais são as características que as crianças possuem que levou Cristo a dizer todas estas coisas? E qual a relação entre estas características e a salvação?

Se todas as crianças são pecadoras, independentemente de terem a noção de certo ou errado, de bem e de mal, então todas as crianças nascidas e não nascidas, ao morrer, foram para o Inferno. Sem salvação possível! E é quase como dizer que Adão e Eva eram pecadores antes de sequer terem tido a hipótese de desobedecer a Deus.

E que Deus me perdoe se estiver errada, mas nisso eu não acredito e não entendo que seja o que está escrito na Bíblia. E nem mesmo David acreditava nisso, pois refere que irá ver o filho que tinha tido com Betseda (2 Samuel 12:24).

Se ainda quiserem desenvolver o tema, sugiro que leiam o que Charles Spurgeon, pastor baptista, escreveu em http://solascriptura-tt.org/SoteriologiaESantificacao/SalvacaoInfantil-Spurgeon.htm












Imagem de perfil

De onossolugar a 16.05.2014 às 16:39

Nem de propósito, ontem estava a ver o programa da Ellen Degeneres onde mostraram um vídeo de uma criança, com a boca toda suja de doces, a mentir descaradamente à mãe a dizer que não tinha comido doces. Uma graça.
Nada melhor do que mostrar o vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=3EVzoolYugA
E agora a Ellen a falar com a criança:
http://www.youtube.com/watch?v=zELzFwAKzt0

Portanto as crianças mentem sim, mas mais grave é quando mentem numa fase de pré-adolescência...
Sem imagem de perfil

De Bruxa Mimi a 15.05.2014 às 22:34

Eu também poderia apresentar exemplos de flagrantes mentiras do meus filhos (para não denunciar os meus alunos), mas em vez disso apetece-me lembrar a história do "Pedro e o Lobo". Se as crianças dissessem sempre a verdade, nem a história teria sido escrita, nem teria tido a "saída" que tem, ainda hoje - não acredito que haja muito educador (pai, mãe, professor) que nunca tenha contado essa história aos seus educandos...
Sem imagem de perfil

De Carlos Duarte a 15.05.2014 às 16:16

Caro JMT,

Não me parece que essa expressão (que fica melhor em inglês, "out of the mouth of babes") se aplique à mentira "própria" (i.e. envolvendo a criança) mas antes à falta de filtro social destas e, portanto, aplica-se (mais) a outras pessoas e em ambientes descritivos (i.e. aquela senhora é gorda, aquele senhor é feio, etc.).
Sem imagem de perfil

De Paula Guimarães a 15.05.2014 às 14:53

O meu filho de 2 anos passa a vida a dizer que a "mamã à pau-pau" enquanto faz o gesto de dar tau-tau no rabo! No outro dia o meu marido respondeu-lhe: não deu nada que eu estava aqui e vi, não se mente! ele olhou em volta e responde "o panda à pau-pau" ...quando não tem nada a dizer diz isto! qualquer dia sou chamada à cpcj! putos!
Sem imagem de perfil

De Paula a 15.05.2014 às 13:41

Situação:
Tiago (4 anos), um belo dia chega a casa e diz que a educadora disse algo que achei estranho (não me recordo o quê).
Mãe: Ai sim? A Xana disse isso? Mas isso é estranho... amanhã vou perguntar-lhe.
Tiago: Não é preciso perguntares, mãe. Ela já não se lembra!
Imagem de perfil

De Teresa Power a 15.05.2014 às 13:05

- António (4 anos), vem comer a fruta!
- Já comi!
- Ai sim? E quando?
- Quando não estavas a ver!
Sem imagem de perfil

De marta a 15.05.2014 às 12:27

mentem pois...a minha vai fazer 3 anos dia 1 de junho e quando lhe interessa mente para seu bom proveito do género: "mas pai, a mãe deixou"..quando na realidade eu não tinha deixado nada..
Sem imagem de perfil

De Inês Cabral a 15.05.2014 às 11:50

Um bom exemplo de que as crianças nem sempre dizem a verdade e que, na maioria das vezes, nem se apercebem das consequências da sua mentira é o filme "The Hunt".

http://www.imdb.com/title/tt2106476/?ref_=nv_sr_2

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D