Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





O clássico "dói-me a cabeça", mas agora em Excel #2

por João Miguel Tavares, em 23.07.14

Queria alertar para dois óptimos comentários a propósito deste post e do famoso mapa Excel com as desculpas que ela arranjou durante mês e meio para limitar o pinanço:

 

 

O primeiro comentário é do sempre pertinente, polémico e perspicaz (PPP) LA-C:

 

A acreditar que a folha de Excel não omite nada de relevante, somos levados a concluir que a mulher não tomou a iniciativa uma única vez durante um mês e meio. Já o marido tomou a iniciativa 20 vezes. Não houve comentários a esse respeito?

 

É uma óptima questão - porque a verdade é que ainda vivemos num mundo onde é suposto ser ele a tomar a iniciativa. Por outro lado, há que admitir que o gajo do Excel é um verdadeiro coelhinho, que não deve ter mais nada com que se entreter: é que ele tentava quase todas as noites.

 

É certo que só foram três "yes" em mês e meio, o que é muito "no" (fiz as contas: dá 89,3% de negas, o que eu diria ser um número complicado de sustentar numa relação feliz), mas, por outro lado, mesmo depois dos "yes", o gajo tentava logo novamente nas noites a seguir. Das duas uma, ou o sexo era muito fraco ou ele conheceu a mulher há 15 dias. 

 

Já o segundo comentário que eu queria trazer para aqui é uma confissão corajosa - louve-se a frontalidade - da Maria:

 

Isto é a realidade em mais de metade dos casais com mais de meia dúzia de anos de relação. Lá em casa é igual. Ele insiste e eu tenho sempre desculpas. Muitas delas parecidas com estas (mas tomo banho depois de ir ao ginásio :) E quem disser que é mentira, ou mente ou é uma raridade. 

 

Será mesmo assim? A vida sexual do homem e da mulher casados há muitos anos está condenada a nove "hoje dói-me a cabeça" por cada 10 tentativas de queca? Ora aqui está uma questão que merecia ser discutida neste blogue.

 

Vá lá, não sejam tímidos, que por aqui ninguém vos conhece.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:44


45 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 07.08.2014 às 18:50

Já chego tarde, mas não posso deixar de comentar.
Tenho quase 45 anos, estamos juntos há 24 anos e temos 3 filhos.
O sexo?? É ótimo, adoro!! Aliás por mim era todos os dias, ele é que nem sempre acompanha.
Se foi sempre assim? Não, não foi.
Com os miúdos pequenos, nascidos uns atrás dos outros, o cansaço era muito e a última coisa em que pensava era em sexo, para grande desespero dele. Nessa altura as negas eram constantes e podiam passar-se semanas sem que nada acontecesse e tivemos uma fase menos boa no casamento.
Hoje os miúdos já estão crescidos e dependem menos de nós. O problema agora é ter cuidado em não fazer barulho, para eles não se aperceberem do que se está a passar no nosso quarto.
Não sei bem explicar a que se deveu a mudança, até porque temos trabalhos exigentes e que nos sugam muita energia, mais o stress quotidiano da gestão de uma família numerosa.
Sei que continuo apaixonada por ele, gosto de andar sempre bem arranjada (deitamo-nos sempre lavadinhos, também), adormecemos frequentemente abraçados e de manhã e à noite damos sempre o nosso beijinho um ao outro.
O nosso problema é ele gostar mais de manhã e eu à noite.
Afirmo com toda a certeza: o sexo é bem melhor aos 40, do que aos 20. É preciso cá chegar, para se entender! :D

(Não concordo em nada com a pessoa que disse que a libido se vai com a vontade de querer filhos)


Sem imagem de perfil

De Filipa a 26.07.2014 às 23:02

Na minha opinião...
Todas sabemos o quanto é importante não descurar o casamento quando chegam os filhos. Tentar arranjar oportunidades para estar juntos, fora da rotina e dos horários e dos sítios ditos normais, dar e receber mimos e prazer.
Mas não é fácil. Temos muitas preocupações, com os miúdos, o trabalho, a casa, as contas...e acabamos por andar (mais ou menos) sempre cansadas.
Também é verdade que conseguimos satisfazer-nos facilmente com o sorriso e o sucesso dos babies, uma ida às compras, um almoço com as amigas, uma boa série, um elogio ao nosso trabalho ou ao nosso cabelo...;-)
Mas tb é verdade que quanto mais sexo, mais vontade... E que quanto menos sexo, mais preguiça para os preliminares...
Uma das minhas teorias prende-se tb com o facto de perdermos alguma libido quando decidimos que já não queremos mais filhos...
Mas continuo a acreditar que há que ter iniciativa, insistir, variar e "ouvir"...
Sem imagem de perfil

De esse antonio a 26.07.2014 às 12:28

A propósito do post e das queixas no Excel, veio-me à cabeça uma velha história/anedota, se quiserem. Um fulano tinha problemas com a esposa que, de uma maneira geral só lhe dava negas sempre com a velha frase ... "desculpa, querido, mas dói-me tanto a cabeça". Face a estas negativas - constantes - resolveu tentar uma vingança. Um sábado, depois do almoço, disse à esposa. "que tal se fôssemos ao Jardim Zoológico distrair um pouco?" Ela concordou. Depois de andarem por lá a visitar vários locais, chegaram à sala dos chimpanzés. Ele, enquanto ela olhava distraída para os animais, resolveu baixar-lhe o decote e mostrar um pouco das maminhas dela ao chimpanzé. De imediato o animal começou aos berros e a tentar rebentar as grades da jaula, o que conseguiu. A mulher entrou em pânico com o chimpanzé desvairado a correr atrás dela. Dizia o marido todo contente, a contemplar a cena: "vá diz-lhe como me dizes a mim. Desiste, por que me dói a cabeça..."
Imagem de perfil

De na primeira pessoa do singular a 26.07.2014 às 07:45

Quando via notícia, comentámos na nossa. Estou casada há quase 14 anos, mas começamos a passar a mão pelo pêlo um do outro há quase 23 anos. Tirando um mês em que tentamos quase todos os dias ( e foi uma seca, só valia mesmo tentar engravidar - para mim, engravidar foi sempre um pesadelo, significou muito choro, comprimidos e injecções...)', as coisas mantêm-se compostas e muito agradáveis. Durante o namoro, tínhamos os fins de semana, e não todos, porque estudávamos a 350km um do outro. Depois de casados, temos quando queremos, podemos e o corpo e a cabeça nos deixa. Temos horários parvos, temos as filhas, chatices de trabalho, coisas da vida...e sabemos que nem todos os dias são um bom dia. Mas não temos de fazer requerimento um ao outro. Basta um olhar, um encosto, um aconchego, e a coisa dá-se, naturalmente. Obviamente que vamos sempre lavadinhos para a cama! Porque podemos ficar com ideias e não há cá desculpas...e ambos sabemos que é uma actividade que resolve insônias e diversos tipos de dores, incluindo as de cabeça. Que durante a gravidez também funciona tudo muito bem - estamos grávidos de novo! E que se for preciso rever qualquer coisa na tv, pomos a gravar ou sacamos da net. E também sabemos muito bem o que gostamos de fazer, e já concluímos que, a entrar nos 40, a qualidade do acto aumentou! Que se mantenha assim por muitos anos, amen!
Olhando muitos dos comentários anteriores, assustei-me, depois só pensei: VIVA NÓS !
Sem imagem de perfil

De Patrícia a 01.08.2014 às 15:53

Ir lavadinho para a cama! Tão importante! Outro coisa que os pais esquecem de ensinar aos filhos rapazes. ;)
Sem imagem de perfil

De Miguel a 26.07.2014 às 00:08

Eu já desisti.
Ao fim de mais de 10 anos de casamento e 3 filhos desiti.
3 noites num mês, para mim seria filet mignon. A certa altura decidi que não ia tomar a iniciativa e fiquei mais de 6 meses sem nada. Consigo contar com os dedos das mãos as vezes que aconteceu por iniciativa dela.
O que é engraçado é que quando há é bom. E antes de casar era a loucura. Neste momento sinto que fui usado.
Resisti mais do que uma vez a ter sexo fora do casamento. Não é o meu género. Devo gostar dela. Mas está-se a proporcionar mais uma vez. Desta vez vai acontecer. E o casamento vai por ali abaixo.
E não tenho complexos nenhuns com a minha sexualidade. Sei que poderia não estar chegar para a "encomenda", mas não é isso. Ela não precisa. É um favor que faz. Acabou-se.
Sem imagem de perfil

De a serio que disse isso? a 28.07.2014 às 14:25

A serio que disse que como se está a proporcionar sexo fora do casamento que vai concretizar porque ela lhe diz que não? O que é giro é que não coloca em causa a sua performance... ahh não isso é perfeito... será mesmo? Ela precisam você é que pode ser estronço o suficiente para não perceber como a coisa funciona, em vez de pular a cerca já tentou falar com ela perceber o que aconteceu?
Ah não vou mas é para a cama com outra e o casamento vai por agua abaixo...
Ganhe vergonha nas fuças.
Sem imagem de perfil

De Miguel a 28.07.2014 às 19:54

Cara anónima,

Expliquei-me mal. Sem ironia.
Nunca falei em performance, mas sim em "minha sexualidade". Ainda assim, o que queria dizer é que mesmo não sendo um super-homem sexual, e passe a aparente falta de modéstia, o problema não tem que ver com a minha sexualidade. Estou convicto disto, depois deste tempo todo, desta dura experiência.
E sim, já tentei tudo o que me lembrei. Já falámos disto até à exaustão, já a convenci a ir a um psicólogo (e eu também fui, obviamente), já esgotei a via romântica... acho que fiz o que podia. Só leva-la a jantar fora é uma luta.
Para além disto, o problema não é só sexual. Acho que numa frase ela deixou de ser mulher para ser mãe a tempo inteiro. E se alguma culpa possa ser minha, falando com ela não consigo perceber como.
Posto isto, um homem tem um limite. Eu preciso de uma mulher. não apenas de uma mãe para os meus filhos.
Não tenho problemas de vergonha. Tenho problema em acabar com um casamento que podia dar certo, que queria que desse certo, e para o qual fiz tudo o que sabia para dar certo.
Eu não disse que ia pular a cerca. apenas que se estava a proporcionar e que deveria acontecer. É diferente. Não vou jantar com uma e dormir com outra. O casamento vai acabar antes disso.
Sem imagem de perfil

De baltazar a 28.07.2014 às 21:36

Caro Miguel.

Primeiro: acho que uma pessoa que partilha o que acha/sente, não deve ter como resposta "ataques" um roçar a insulto como foi o caso da anónima anterior.

Segundo: 10 anos e 3 filhos são já um "património" pelo qual vale a pena insistir e lutar.
Daquilo que expressou, parece que o que não está a funcionar é a intimidade; para isso, há solução: o dialogo intenso, terapia de casal se necessario.
Se sente que quando investe, tem sempre resposta positiva, talvez esse seja o registo da relação, e tenha que assumir que as coisas a esse nível funcionam com o seu investimento

Bem haja

Se
Sem imagem de perfil

De baltazar a 25.07.2014 às 10:57

Pois bem.

Acho curioso a ala feminina ser tão ciente dos seus direitos e dos deveres do companheiro, em termos de igualdade de género, mas quando se fala em equiparar as investidas "sexuais" de cada um, há um subentendido "sempre foi assim", "é a natureza das coisas".
Curioso, no mínimo.
Seria como imaginar um homem assumir que a limpeza do WC está naturalmente a cargo da mulher porque "sempre foi assim", "é a natureza das coisas"

Para mim, essa é uma questão sensível.
O sentir se desejado não parte apenas na receptividade dada pela companheira aquando duma investida.
Parte também, e muito, no facto das investidas serem equilibradas (não digo igualadas).

E nesse aspecto, a minha companheira acolhe bem as minhas investidas, mas muito raramente investe.


Sem imagem de perfil

De marta a 24.07.2014 às 15:33

estou junta há 5 anos c o meu marido e temos uma filha de 3 anos. nunca na minha vida dei a desculpa da dor de cabeça...acho q seria horrível e humilhante para o maridão...às vezes não apetece de todo..a grande maioria das minha noites, são 11 qdo me sento um pouco no sofá e acabo por adormecer...mas mesmo não apetecendo, é como dizem aqui - devemos ir..Às vezes temos surpresas e acaba por ser muita bom...portanto, eu cá com ou sem vontade, lá vou...q é tão raro termos um momento a 2 q não dá pra desperdiçar...
Sem imagem de perfil

De Vera a 24.07.2014 às 10:28

Quando o sexo é mesmo bom, não são necessárias desculpas
Sem imagem de perfil

De Sofia a 24.07.2014 às 08:41

Acho que depende muito do tipo de relação e do "egoísmo" do parceiro...
Numa relação que tive de 3 anos acho que conto pelos dedos de uma mão as negas que dei e foram todas bem justificadas. Na relação seguinte que não passou de um ano e meio perdi-lhes a conta.
Qual a diferença?
O primeiro preocupava-se com a minha satisfação sexual, dava-lhe prazer que eu tivesse prazer e sabia que assim aumentava a probabilidade de ter mais quando quisesse.Eu sabia que ia ser pra lá de bom e "ia a todas" como li num comentário anterior. :)
O segundo tinha alturas que devia me confundir com uma boneca insuflável, despachava-se e eu que me *piiii*.
E com os dois tomei várias vezes a iniciativa e provoquei e brinquei mas se com um isso tinha como resultado ser tratada como uma rainha e ter orgasmos até quase à exaustão, com o outro isso só acelerava o "despachanço" dele.
Pensem que existem sempre dois lados para cada história. ;)
Por fim, pergunto-me é porque raios a mulher nunca tomava banho e mesmo assim ele queria ir brincar na mesma... Homens! Hehe!
Sem imagem de perfil

De marina a 23.07.2014 às 21:08

Ola a todos.
Casei me com 37 e ate esta idade so tive relaçoes de sexo.
O meu marido é mau na cama e eu nao insisti porque tinha vontade de ter um relacionamento sem ser baseado no sexo. O filho nasceu e acho que nao ha sexo ha 6 meses. Eram tantos os naos que ele desistiu. Fica contente com uma ajudinha da minha mao e sinto que este casamento vai terminar. Nao tenho vontade de fazer sexo com ele.

Comentar post


Pág. 1/3




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D