Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O jornal The Independent publica hoje um estudo (soube dele via Observador, que tem vindo a dar - e bem - muita atenção a estas coisas da família e das relações) que demonstra que, a partir dos anos 90, os casamentos têm tendência para serem mais sólidos se homem e mulher tiverem o mesmo nível de educação.

 

Não era assim nos anos 50, em que o homem casava abaixo das suas habilitações - afinal, era o tempo em que eles preferiam as loiras. As loiras baixavam a bolinha, conformavam-se ao seu papel de fadas do lar, e os casamentos duravam e duravam. A partir dos anos 60 tudo isto implodiu, e pelos vistos foram precisas três décadas para os casais conseguirem assimilar um posicionamento igualitário dentro de casa.

 

Só que igualdade com igualdade se paga - e aqueles contos de fada do príncipe que descobria uma qualquer Cinderela infeliz e poeirenta tornaram-se mais complicados. Infelizmente, eles já não vivem felizes para sempre: o príncipe do século XXI não tem pachorra para uma Cinderela pouco letrada.

 

O título do artigo do The Independent é: "Gentlemen prefer brains: similarly educated couples last". Mas a questão não é só dos "brains" - é que a educação e o "upbringing" têm um efeito poderosíssimo em relações não-hierarquizadas, como é suposto serem as actuais. Se ela é professora universitária e ele tem a quarta classe, a vida nunca será fácil. É pouco romântico, mas é mesmo assim.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:50


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Amélia a 30.07.2014 às 17:55

Bem, eu acho que tudo depende das pessoas em questão. Já os conheci letrados, donos de mestrados e mil e uma pós-graduações e com a cabecinha bem dentro da caixa. Por outro lado, já os conheci com pouca educação superior, dotados de uma inteligência e cultura invejáveis e capazes de manter uma conversa durante horas. *não obstante, o inverso também é uma realidade: inteligentes e com curso superior e menos intelectualmente estimulante e sem um* Claro que a possibilidade de se tirar um curso superior/ou ter oportunidade de estudar mais - testemunho pessoal - abre fronteiras, pessoais e profissionais, e essa abertura desperta curiosidades: mas não é imperativo. Por isso, sim aos contos de fadas. Às criadas que nas horas vagas vão para as dispensas ler Shakespeare e actualizar-se sobre o estado político do país. E sim aos príncipes que se despem de vaidades e se dão ao trabalho de as conhecer. E sim (mais uma vez), eu sou do tempo em que para os miúdos a Gata Borralheira e a Bela e o Monstro eram filmes de culto obrigatório. aha
Beijinhos a todos! : )
Sem imagem de perfil

De Amélia a 30.07.2014 às 18:02

e deixem-me corrigir: despensa*
Sem imagem de perfil

De Carlos Duarte a 29.07.2014 às 17:37

João,

O estudo era muito americano, pelo que dá a entender. No Reino Unido, por exemplo, sempre foi impensável (menos agora, até!) que se casasse fora da classe social - e isto tanto se aplicava a homens como a mulheres.

Na realidade, o que o estudo "diz" é que as pessoas têm uma maior probabilidade de sucesso conjugal se casarem dentro do seu "meio". Nos dias que correm isso passa muito pela parte intelectual - mais do que estratos culturais. Mas Cinderelas sempre houve muito poucas e com sucesso, ainda menos.

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D