Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Quem adivinha o que é isto? - A resposta

por João Miguel Tavares, em 27.05.14

Vamos então à resposta da questão de ontem, que tenho de admitir ser mais difícil de acertar do que a derradeira pergunta do Quem Quer Ser Milionário. Então, isto...

 

 

...é a antecâmara disto:

 

 

E isto, para além de borrachas entrançadas de forma altamente foleira e mais ou menos caótica, merecia, como é óbvio, mais uma pergunta sobre o que raio é, já que não se percebe nada. Mas estejam descansados, caros leitores, que eu não tenho vocação para Miss Marple, e portanto dou já a resposta.

 

Isto é... um Pou.

 

Claro que isto merecia, como é óbvio, mais uma pergunta sobre que raio é um Pou. Mas estejam descansados, caros leitores, que eu não tenho vocação para Hercule Poirot, e portanto dou já a resposta.

 

Um Pou é isto:

 

 

E isto merecia, como é óbvio, mais uma pergunta sobre que raio é isto. Mas estejam descansados, caros leitores, que eu não tenho vocação para Sherlock Holmes, e portanto dou já a resposta, prometendo não continuar a escrever sempre as mesmas frases, mudando apenas o nome das personagens dos policiais.

 

O Pou é um jogo foleiríssimo para tablets e telemóveis, que recupera a saudosa (not) figura do Tamagotchi, uma das mais irritantes invenções de todos os tempos.

 

Os seus criadores garantem tratar-se de um diminutivo de batata ("potato", se ainda bem se recordam das aulas de inglês), daí ser castanho. Mas eu não acredito lá muito nisso. Acho simplesmente que o nerd que inventou esta treta estava a gozar connosco e quis fazer uma declinação do clássico "Poo", que como todos sabemos significa, em linguagem anglo-infantil, "cocó".

 

O Pou é muito mais parecido com este Poo...

 

 

 

...do que com uma batata.

 

Mas enfim: seja ou não um jogo subversivo, a verdade é que os miúdos parecem adorar jogar aquela treta. E inclusivamente, quando eu pedi à Carolina para tirar uma foto ao seu Pou para mostrar no blogue, ela pediu-me desculpa por ele estar "com sono".

 

Qual é a moral desta história? A moral desta história é que eu estou velho e o mundo infanto-juvenil tem uma dinâmica própria, que me passa completamente ao lado.

 

Eu comecei por perguntar à Carolina que raio era aquilo que ela estava a fazer com dois garfos, e a partir daí fui sugado para um mundo que mete tutoriais de elásticos em espanhol e jogos de computador bastante estúpidos.

 

Esta mistura de quatro filhos e, entre os filhos, uma pré-adolescente a nascer, vai-me empurrado cada vez mais para fora dos seus campos de interesse. Tudo me passa tão ao lado, que nunca antes tinha sido apresentado ao Pou (estou certo que a excelentíssima esposa vai dizer que conhece o Pou e toda a sua família). Não pensem, no entanto, que isto é uma queixa: adoro que eles vão procurando as suas próprias coisas para se entreterem fora das asas dos pais.

 

Claro que preferia que não fossem Pous com pinta de cocó nem a p**** da praga das pulseiras, que hoje em dia já se desdobram nas mãos da Carolina por coisas como símbolos da paz...

 

 

 ...ou moranguinhos.

 

 

Mas, enfim, é a vida deles. E é bom que à medida que crescem comecem a conquistar os seus próprios territórios, que não foram herdados dos pais. Territórios onde somos nós, e não eles, que temos de bater à porta para entrar. São territórios um bocado parvos, é certo. Preferia que a Carolina estivesse a introduzir-me à música barroca do que ao entrelaçamento das borrachas coloridas. Mas são territórios só deles, que eles dominam muito melhor do que nós - e os miúdos precisam disso.

 

Freud certamente explicaria: é a própria indivualidade de cada um que se está a construir, à medida que que os nossos campos de interesses deixam de colonizar os deles. A Carolina começa a fazer coisas que eu não sei o que são, nem me interessam. Chama-se a isso autonomia e independência. As mamãs costumam ter um bocado de medo disso. Mas eu gosto - as pulseiras estúpidas são toda uma ponte para um novo mundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:25


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Polliejean a 28.05.2014 às 09:59

Ora eu não acho isto das pulseiras assim tão parvo. Vamos a ver, a moda em si é parva, sim. Mas aquilo que lhes ensina (agilidade de mãos e gosto pelas manualidades) pode, mais tarde, vir a desenvolver competências manuais interessantes e dar em hobbies bem mais salutares do que passar horas em frente ao computador. A minha filha ainda é pequena e não tem a destreza de mãos para conseguir fazer as pulseiras (ela bem tentou, coitada), mas eu ficava muito contente se ela (se fosse mais velha) conseguisse ir para além das pulseiras e ser criativa ao ponto de fazer símbolos da paz, morangos e até Pous!
É uma moda bem mais interessante do que... por exemplo, a parvoíce da Violeta que não é mais do que Morangos com Açúcar para crianças pequenas. Aquilo ensina o quê? No entanto, todas as miúdas de 5 anos da escola da minha filha passam o tempo a cantar as músicas da Violeta...
Imagem de perfil

De Carolina Maria a 27.05.2014 às 15:03

Hoje, na crónica "Você vê... Eu explico" do Dtr Quintino Aires, o tema recaiu sobre estes famosos elásticos e o que se pode fazer com eles (principalmente as pulseiras)... Esta moda que vai desde crianças de pré-escolar, até aos seus pais.
Quanto ao Pou, tenho a dizer-lhe que, no meu tempo, adorava brincar com o Tamagotchi. Agora, com os Tablets, compreendo que eles adorem o Pou. Se no meu tempo gostávamos tanto dos Tamagotchi que eram tão pequeninos e a preto e branco como é que, nos dias de hoje, eles não hão-de gostar do Pou?!
Sem imagem de perfil

De Sn a 27.05.2014 às 14:16

Ah, ah, ah!
Sem imagem de perfil

De Joana a 27.05.2014 às 13:37

Um Pou em elásticos é muito bom!
Sem imagem de perfil

De anónimo a 27.05.2014 às 12:01

Acho que está a pensar (e a sentir) muito bem, JMT!!!
Digo isto do alto da minha experiência de mãe de uma jovem adulta. Ou seja, já passei por essas fases equivalentes às das pulseiras e afins (no nosso tempo houve mesmo a do verdadeiro Tamagotchi - que ela felizmente nunca chegou a ter porque preferimos dar-lhe um cão a sério). E sei onde é que elas vão dar - à descoberta de que gostar de ter filhos é muuuuito mais do que gostar de bebés. É, acima de tudo, gostar de criar uns laços muito especiais com alguém que num piscar de olhos é um adolescente, um jovem, um adulto. Que pensa pela sua própria cabeça, pois claro! E aí há tanta coisa boa para descobrir!
Eu sei que está a brincar (quer dizer, acho) quando diz que preferia que a Carolina estivesse a introduzir-lo à música barroca. Mas, agora a sério, vai ver o prazer que é quando ela (eles, cada um no seu tempo) lhe começarem a dar conselhos (não estou a ser irónica), quando o ajudarem, consciente e deliberadamente, a ver o mundo de maneiras de que o JMT antes nem suspeitava. Porque não são A nem B, antes pelo contrário. A vida torna-se muito mais sofisticada, com muitas camadas. Se não os tivéssemos, penso eu, seríamos muito mais a preto e branco.
Em certos momentos, dá-se também o caso de passarem a ser os campos de interesses deles que colonizam os seus. Parece assustador? Não é tanto como parece! É mais tipo: ponham os cintos e... enjoy the ride!

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D