Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O Gustavo #2

por Teresa Mendonça, em 12.11.13

Isto de ter um marido que escreve a toda a hora (com um garfo na mão, a fazer o pino, a fazer equilibrismo, enquanto bate uma soneca) não é justo. Sobretudo quando se é uma mulher cujo trabalho não permite que se passeie pela net, e muito menos se faça um post ou se facebook qualquer coisa, durante o trabalho. A vantagem está sempre do lado dele - até porque também não é quando se chega a casa e os banhos, o jantar, os TPCs e a preparação do dia seguinte estão à nossa espera, que há tempo para responder a provocações do excelentíssimo esposo. A maior parte das vezes nem chega a haver tempo para o fazer antes de cair para o lado numa cama qualquer lá em casa.

 

Mas isto hoje foi de tal ordem que acabei de receber uma mensagem de conforto sobre o post do Gustavo. E resolvi ocupar a minha hora de almoço (a hipoglicemia costuma provocar irritabilidade, portanto logo à noite já tenho desculpa para o ajuste de contas) para responder...

 

É nisto que dá ceder às vontades do marido depois de nove anos a dizer "não". Desde que a Carolina nasceu que o João rabuja de cada vez que levo os miúdos ao cabeleireiro: porque é uma loucura o que se paga por cortar três fios de cabelo (e é!), porque não se corta tanto quanto se devia (cortar é sinónimo de rapar no dicionário joãomigueltavariano), porque só se devia perder tempo a cortar o cabelo dos miúdos uma vez por ano e não uma vez por estação do ano (quando se levam três miúdos a cortar o cabelo demora sempre algum tempo), porque eu é que devia cortar o cabelo aos miúdos para poupar tempo e dinheiro...

 

Exactamente porque já não conseguia ouvir mais o excelentíssimo esposo com este último argumento em relação à Rita, e uma vez que ela tem estado doente e eu não a queria meter num cabeleireiro, este fim-de-semana resolvi seguir as dicas de uma supermãe com quem estive há uma semana e cortei o cabelo à Rita. Resultado: claro que correu mal, visto que nunca frequentei a cadeira de auto-apipocanço e os meus dotes de mãos não incluem saber tratar de cabelos, unhas e pele. Com muita pena minha.

 

Mas daí a chamar Gustavo à minha Rita vai uma grande distância. Então uma menina já não pode ter o cabelo curto que começam logo a dizer que fez uma viagem suspeita à Suíça?

 

É pena que um homem tão cinéfilo como o meu marido não se aperceba das semelhanças com famosas figuras da Nouvelle Vague onde a cabeleireira amadora se inspirou.

 

Jean Seberg

 

Rita Mendonça Tavares (com conjuntivite a bordo)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51



Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D