Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Olha tão giro - uma viagem dominical ao Piódão

por João Miguel Tavares, em 22.09.14

Como por esta altura os frequentadores do PD4 já terão certamente reparado, a excelentíssima esposa é também, com assustadora frequência, uma doidíssima esposa. Tendo ela ficado embevecida com a aplicação do Tomás na composição escolar sobre o Piódão, decidiu seguir a sugestão de certos leitores e lançar-se num verdadeiro trabalho de campo:

 

- E se hoje fossêmos ao Piódão com os miúdos?

- Olha que ideia tão gira. Sabes onde fica o Piódão?

- Para os lados de Viseu. Os miúdos iam adorar.

- Olha que ideia tão gira. Deixa-me cá ir ao Google... 296 quilómetros a partir de Lisboa. Ir e vir dá 592 quilómetros, se a matemática não me falha.

- Até podíamos passar por Viseu, para dar um beijinho ao teu irmão.

- Olha que ideia tão gira. Deixa-me cá ir ao Google... 84,1 quilómetros do Piódão a Viseu. De facto, era super-fixe irmos fazer 700 quilómetros de carro este domingo por entre montes e serras. Lembro-me de poucas coisas que me apetecessem mais.

- Fazíamos uma surpresa aos miúdos e não lhes dizíamos nada.

- Olha que ideia tão gira. Eles ainda não fizeram os trabalhos de casa.

- O Tomás ia adorar.

- Ia, ia. Infelizmente, ainda não fizeram os trabalhos de casa.

- Fazem rapidamente os trabalhos de casa e depois vamos.

- Já passa das dez da manhã. O Tomás tem de treinar um ditado.

- Treinamos pelo caminho.

- Já passa das dez da manhã.

- Comemos pelo caminho, no carro. Sobraram croissants do piquenique de ontem.

- #!##$&&#%#!!!

 

E lá fomos.

 

Partimos de casa às 11.30. Regressámos a casa às 23.30. No total foram para aí sete horas de carro, duas das quais às rodas na serra do Açor. Mas fizemos tudo o que a excelentíssima esposa planeou dentro da sua energética mona - incluindo ir a Viseu dar um beijinho ao meu mano.

 

Eis a prova:

 

 

Mas sabem qual foi a coisa mais curiosa? É que o melhor do Piódão não foi o Piódão. Foi a descoberta de uma ponte suspensa e de um incrível conjunto de santuários nas encostas de xisto na Foz d'Égua, num pequeno paraíso privado escondido num vale da Serra do Açor. Só para abrir o apetite (talvez um dia destes possa contar a sua história), ficam estas fotos, tiradas num dia cinzento, mas que, graças às extraordinárias capacidades persuasivas (género pica-miolos) da doidíssima esposa, acabou por ser bem divertido:

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:41



Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D