Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Coisas de que só o Gui se lembra #5

por Teresa Mendonça, em 17.07.14

Da última vez que fomos aos Montes da Senhora, o Gui apercebeu-se que a Memi e a Zezinha não tinham um bloco de notas disponível para pequenos apontamentos na cozinha.

 

Vai daí, agarrou num bloquinho de folhas de papel e em vez de o pôr simplesmente em cima de uma bancada com um lápis ao lado, muniu-se de um rolo de fita-cola e desconstruiu o bloco de notas. Depois, colou-o à parede da cozinha, folha por folha, para que elas não tivessem o trabalho de ter que as separar.

 

Finalmente, cunhou cada uma das folhas com o seu nome e encabeçou o seu novo bloco com um desenho da família Mendonça Tavares, para que a Memi e a Zé nunca se esqueçam de nós. E nem a caneta faltou, que encaixou num buraquinho do seu novelo de fita-cola. Muito útil, como se imagina.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:19


Os cinco anos do Leãozinho

por João Miguel Tavares, em 09.01.14

Os miúdos, dotados de uma memória selectiva e, aos nossos olhos, bastante aleatória, recordam-se das coisas mais bizarras. Ontem à noite, o Gui não se calava com o aniversário do seu Leãozinho (um dos seus peluches favoritos):

 

- O Leãozinho faz hoje anos! Temos de lhe cantar os parabéns!

 

Eu não estava a perceber nada daquela conversa. Por que raio é que o Leãozinho fazia anos? Afinal, quem ontem fazia anos era a minha mãe. O que é que o peluche tinha a ver com isso? O Gui explicou:

 

- O Leãozinho faz anos no mesmo dia da avó Orquídea! Temos de lhe cantar os parabéns!

 

E, de repente, aquilo lembrou-me qualquer coisa. Decidi, então, ir aos arquivos do blogue investigar o que tinha acontecido no dia 8 de Janeiro de 2013. E não é que o puto tinha razão? Lá estava um post escrito pela Teresa, com o Gui a soprar as velas ao Leãozinho, na altura a comemorar o seu "quarto aniversário".

 

Aqui está a foto de há um ano para o provar:

 

 

Assim sendo, havia que cumprir a tradição que essa cabeça de vento chamada Guilherme Mendonça Tavares estranhamente preservara na memória. E assim foi: vestido, por mais um acaso do destino, exactamente com o mesmo pijama e o mesmo robe de 2013, acabámos a noite a cantar os parabéns e a soprar as velas ao Leãozinho.

 

 

Foi um quinto aniversário bonito e bem festejado, até porque as velas eram daquelas irritantes, que só se apagavam ao fim de 58 sopros. Suponho que para o ano haja mais.

 

Depois de ir deitar o Gui, fiquei a pensar em Italo Calvino e num conto de As Cidades Invisíveis sobre uma cidade cheia de fios, que assinalavam as relações entre os seus habitantes e que se enredavam das mais diversas formas, causando acidentes que acabavam por revelar sentidos surprendentes e lembranças inesperadas. Como - quem sabe? - o aniversário de um leãozinho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:59


As regras do Gui

por João Miguel Tavares, em 15.12.13

Obriguei o Gui a fixar quatro regras da casa:

 

1. Levantar a tampa e o assento da sanita quando faz chichi.

2. Puxar o autoclismo.

3. Apagar as luzes ao sair de uma divisão.

4. Fechar a porta.

 

Eu consegui que ele fixasse as quatro regras. Talvez daqui a uns anos consiga que ele as cumpra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:47


A preto e branco

por João Miguel Tavares, em 11.12.13

Estava no quarto muito entretido a ver um filme de João César Monteiro dos anos 70, Que Farei Eu Com Esta Espada?, filmado a preto e branco, quando o Gui entra e põe-se a olhar muito espantado para o ecrã. 

 

- Porque é que aquilo está cinzento?

 

Hum... acho que o vou pôr a dieta de Chaplin na próxima semana. O rapaz está claramente a padecer de um défice de cinefilia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:24


Insultuosamente sexy

por João Miguel Tavares, em 30.11.13

Vai a família pela rua, os pais e as meninas mais atrás, os dois rapazes lá mais para a frente, quando de repente o Gui começa a chorar:

 

- [Choradeira]

- O que é que se passa, Gui?

- [Continua a choradeira]

- Acalma-te, Gui, o que é que se passa?

- Foi o Tomás! [Mais um bocadinho de choradeira]

- O que é que o Tomás te fez?

- O Tomás está sempre a dizer que eu sou sexy!

 

E pronto, são assim os meus dias. Os meus filhos n.º 2 e n.º 3 acham que "ser sexy" é um insulto. Dá Deus nozes a quem não tem dentes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09


De um folheto faz-se uma família

por João Miguel Tavares, em 21.11.13

O Gui entrou-me pelo quarto adentro anunciando que tinha feito "um filho":

 

 

É um filho capitalista, como se pode verificar, feito com um folheto do Media Markt que estava na caixa do correio (se o Gui está ao meu lado quando abro a caixa do correio, nunca consigo deitar folhetos para o lixo - ele quere-os todos).

 

E pouco depois, "o filho" já era pai de quatro, com a sua família abstracta toda espalhadinha pelo chão do meu quarto.

 

 

São assim os meus dias, com dificuldade em distinguir a produção de criatividade da produção de lixo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:35


Gui, o criativo

por Teresa Mendonça, em 07.11.13

Ontem, enquanto recolhia a loiça depois do jantar, deparei-me com uns estranhos apêndices na mesa da cozinha. 

 

 

Ainda pensei que o João se tivesse lembrado de instalar ali uns novos botões para comandar a televisão ou o leitor de CDs, mas vendo mais de perto percebi que não se pareciam com um dispositivo electrónico. 

 

 

Será que a mesa tinha começado a padecer de politelia (presença de mamilos supranumerários) ou de uma apresentação de acne severo? 

 

 

Nada disso. Dada a estranha patologia da mesa ter surgido precisamente no lugar onde o Gui se havia sentado, um olhar mais atento desvendou o segredo:

a ementa do jantar foi polvo e o artista cá de casa resolveu usar as ventosas dos braços do bicho para ornamentar a nossa mesa, na qual terá detectado um défice de criatividade.

 

Não admira que durante a refeição o pai se tenha zangado várias vezes com ele por estar a mexer com as mãos na comida. Muito caladinho, nunca se descoseu. Afinal, o Gui não estava apenas a portar-se mal - estava a criar. Confesso que tive pena de desmanchar um trabalho tão imaginativo, mas tendo em conta que já havia uma mistura de azeite e molusco a escorrer pela mesa, achei que a higiene tinha de se sobrepor à criação.

 

A boa notícia é que se confirma que temos um artista em potência cá em casa. Um artista pouco asseado, mas um artista ainda assim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:12



Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D