Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Teremos nós o direito de criticar Renée Zellweger?

por João Miguel Tavares, em 22.10.14

A propósito da plástica radical de Renée Zellweger, a jornalista Jennifer Gerson Uffalussy escreve um texto no Guardian em sua defesa, cujo título é suficientemente esclarecedor:

 

Nothing is wrong with Renee Zellweger's face. There's something wrong with us

 

O seu comentário vale a pena ser lido, e basicamente chama hipócrita a uma sociedade e a um sistema que deixa sem trabalho as actrizes que envelhecem, ou que as critica mal vislumbra um vestígio de celulite ou de barriga (o ridículo caso Jessica Athayde é uma boa defesa deste argumento), ao mesmo tempo que goza com elas e as tritura na praça pública se se atrevem a fazer plásticas.

 

Suponho que nos meios do cinema e da moda esse seja um argumento que faça sentido. Mas aqui no PD4 sempre nos honrámos de elogiar as marcas do tempo e sempre elogiámos essa extraordinária arte que é saber envelhecer.

 

Por isso, apesar da passagem do tempo ser cruel para todos nós, e sobretudo para as actrizes cuja beleza física é parte fundamental das suas carreiras, a verdade é que a transformação do corpo num campo de experiências plásticas que procuram perpetuar, de forma cada vez mais radical, uma juventude que já não existe, faz-me, de facto, muita impressão.

 

Além disso, parece-me que Jennifer Gerson Uffalussy passa ao lado do fundamental. Porque se a mim me fazem realmente muita impressão as cirurgias plásticas de Meg Ryan (logo ela...)

Meg-Ryan.jpg

ou da própria Nicole Kidman,

490186969.jpg

é porque em boa parte porque estamos a falar de actrizes que fazem parte de um imaginário cinéfilo e sexual (as coisas misturam-se) que nos é muito caro. Contudo, manda o rigor admitir que o caso de Renée Zellweger é muito diferente.

renee3.jpg

Diante de nós não está alguém que procurou apenas rejuvenescer - está uma outra pessoa (bonita, por sinal), que nós não reconheceríamos se passasse ao nosso lado na rua.

 

Claro que podemos sempre questionar a nossa legitimidade para falar com tanta facilidade, e tanta crueldade, sobre uma pessoa que não conhecemos, só porque ela é actriz - no entanto, esse é um outro assunto (aliás, bastante discutível, diria eu).

 

No entanto, esta ideia de termos de ser outros para permanecermos jovens é, obviamente, chocante, e não me parece que haja aí qualquer espécie de hipocrisia. O que nós vemos nestas fotos é a mutilação de uma identidade. E perante ela, reagimos como reagiríamos diante de qualquer mutilação - com horror. E com pena. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:40



Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D