Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A vida sexual das crianças em 1975 #2

por João Miguel Tavares, em 20.02.14

Tendo em conta que, nos comentários a este post, a Antónia Guerra e a Patrícia Fernandes falaram ambas de uma imagem do livro que nunca mais esqueceram, sobre uma relação sexual representada com a "zona genital transparente", não resisto a reproduzir aqui essa página, para efeitos de nostalgia softcore.

 

 

Lá está o truca-truca à transparência. Como vêem, não estava a mentir quando disse que o livro me parecia atrevidote para crianças dos sete aos nove. Os nossos pais estavam muito à frente.

 

Mas, curiosamente, o texto que acompanha esta ilustração tem um je ne sais quoi de conservadorismo. Ora vejam: 

 

Rapazes e raparigas gostam de estar juntos. Passeiam, vão ao cinema, emprestam livros e discos uns aos outros [reparem que há aqui uma certa erudição], encontram-se durante as férias.

 

E depois, um belo dia, um rapaz e uma rapariga descobrem que, como a tia Teresa e o tio Roberto [nota mental: perguntar à Teresa se conhece um Roberto] outrora, gostam de ficar a sós.

 

Quando estão sozinhos, apreciam muito conversar, mas têm, também, grande prazer em beijar-se [reparem: "também" têm prazer em beijar-se, mas apreciam sobretudo conversar].

 

Anseiam por viver juntos e procurarão ficar sempre cada vez mais próximos um do outro [ou seja, não há cá truca-truca sem desejo de juntar os trapinhos, que isto é um livro com desenhos de sexo explícito, mas respeitável]. O contacto dos seus corpos e a troca de carícias constituirão, para eles, uma grande felicidade [confere]. Um dia, finalmente, quererão unir-se por completo [linda expressão] e, mais feliz do que nunca [confere], o rapaz introduzirá o seu pénis na vagina da rapariga [não há hipótese: "introduzir pénis na vagina" continua a ser a expressão mais anti-clímax da história do sexo], experimentando ambos um novo prazer, que se denomina prazer sexual [é um livro optimista, que acredita que toda a gente sai satisfeita].

 

No momento em que o prazer é mais intenso, os espermatozóides saem do pénis do homem e entram pela vagina da mulher, percorrendo o tubo [o "tubo"?]. Algumas vezes, um deles encontra um óvulo no seu percurso. É dessa maneira que se pode, se assim se desejar [e muitas vezes não desejando], ter um bebé.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03


A vida sexual das crianças em 1975

por João Miguel Tavares, em 20.02.14

Ando a arrumar as estantes de livros dos miúdos e a tirar de lá coisas a que eles já não ligam nenhuma. No meio dessas andanças, encontrei um velho livro meu (ou seria do meu irmão?), que a minha mãe comprou quando eu ainda era criança: Enciclopédia da Vida Sexual 7/9 anos, da autoria de quatro ginecologistas franceses.

 

A minha edição é de 1975, gloriosos anos revolucionários, e o que me interessa não é tanto o seu conteúdo, embora em certas coisas me pareça um pouco atrevidote para putos de sete anos, mas sim a sua capa.

 

 

Ora, isto hoje em dia seria absolutamente impensável. Não só por "gente nua em cadeirão de verga" remeter automaticamente para um filme erótico que era contemporâneo desta edição, o clássico Emmanuelle (1974), com Sylvia Kristel,

 

 

como por numa época tão marcada pelos escândalos da pedofilia e a protecção das crianças, qualquer espécie de nudez infantil ter sido totalmente banida do espaço público.

 

Por curiosidade, andei à procura de uma edição mais recente dessa obra publicada em Portugal. E encontrei-a à venda no OLX. A capa, como seria de imaginar, não tem nada a ver:

 

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Não sei se os nossos pais eram mais ingénuos ou mais badalhocos em 1975, mas sei que, ao contrário do que muitos pensam, e do que é tantas vezes o discurso público da decadência dos hábitos e dos bons princípios, a nossa época não é, de facto, a mais laxista de todos os tempos. Longe disso. No que diz respeito às crianças (e também aos adultos, diria eu, mas isso é outra história), parece-me óbvio que nós somos infinitamente mais pudicos do que já fomos. Como o meu precioso livrinho tão bem o demonstra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:57



Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D