Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Abram alas para a Ana dos Cabelos Ruivos

por Teresa Mendonça, em 23.05.14

Cá em casa todos adoramos cinema, miúdos incluídos. Desde antes dos dois anos que os introduzimos nos filmes e séries que mais admiramos e, por vontade deles, aproveitariam os fins-de-semana para ficarem agarrados a ver de enfiada todos os episódios das sequelas ou séries que mais gostam. Assim a saúde dos seus olhos (e dos seus neurónios) o permitisse.

 

Os desenhos animados não fogem à regra, e depois de lhes mostrarmos com saudosismo e admiração as séries mais emblemáticas da nossa infância, estas passaram a ser também as suas preferidas. Heidi, Conan, D'Artacão, Willy Fog, Abelha Maia, As Misteriosas Cidades de Ouro ou Tom Sawyer já foram vistas e revistas inúmeras vezes.

 

Mas há uma que, porque nunca cativou o ultra-cinéfilo da família, nunca pôde ocupar o horário nobre da exibição de conteúdos cá de casa: a Ana dos Cabelos Ruivos. Esta menina orfã - que adora dar asas à imaginação, que fica paralisada de felicidade com a beleza das pequenas coisas do mundo, que ferve em pouca água, que adora usar palavras caras, que quando um nome de uma coisa não lhe agrada se apressa a arranjar-lhe outro muito mais estimulante e que mudou a vida de dois velhos irmãos (Marília e Matias) resignados à sua existência dura e solitária - ocupa um cantinho muito especial nas minhas memórias. A Carolina também já se rendeu aos seus encantos e foi vendo os seus episódios muito espaçadamente, em momentos de distracção do papá.

 

Mas há dois dias tudo mudou. O Tiago Cavaco rendeu-se publicamente aos encantos da Ana dos Cabelos Ruivos e, por sua causa, o meu mega-cinéfilo ficou com a pulga atrás da orelha. É agora ou nunca! Já sei qual vai ser o programa especial de fim-de-semana depois das natações, audições e apresentações de livros já marcadas. 

 

Muito obrigada, Tiago!

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54


Eu, o Tiago Cavaco e a Cristina Ferreira

por João Miguel Tavares, em 28.03.14

Eu não vos tenho chateado com as minhas aparições televisivas a propósito do lançamento de Manual de Sobrevivência para Pais e Maridos, mas esta foi muito especial para mim e faço questão de a partilhar convosco.

 

Ontem estive com o Tiago Cavaco no Você na TV, e descobri que isto de falar de família é muito mais giro aos pares. Tirando o facto de o Tiago se ter esquecido de promover o seu próprio livro, o que só demonstra que ele é um homem muito mais do espírito do que da matéria, a conversa foi muito divertida e correu lindamente.

 

Estou, aliás, a pensar propor ao Tiago que nos transformemos no Chitãozinho & Xororó das famílias numerosas, e partamos em digressão pelo país a falar do assunto. Para quem não viu, aqui está esse momento altíssimo da televisão portuguesa:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:27


Felizes para Sempre segundo a Carolina

por João Miguel Tavares, em 13.02.14

 

Como aqui dei conta, estive ontem na apresentação de Felizes para Sempre e Outros Equívocos Acerca do Casamento, do Tiago Cavaco. E como foi devidamente previsto, a melhor parte da noite ficou a cargo das canções de Samuel Úria. Ainda assim, a repórter Carolina acompanhou o evento com o seu sketchbook, e não resisto a trazer para aqui uma tradução bastante fiel daquilo que se passou:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:35


Felizes para Sempre na Fnac do Chiado

por João Miguel Tavares, em 12.02.14

O Tiago Cavaco, homem, pastor baptista e pai de quatro que muito admiro, lembrou-se de me convidar para falar um pouco do livro que lançou recentemente, Felizes para Sempre e Outros Equívocos Acerca do Casamento. Não sei se ele terá escolhido a pessoa certa (desconfio até que terá escolhido a pessoa errada), mas tentarei que a minha pouca fé não envergonhe a imensa fé que atravessa todas as páginas que escreveu.

 

A apresentação de Felizes para Sempre é hoje, pelas 19 horas, na Fnac do Chiado. Sei que não é horário ideal para pais de família, mas um dia não são dias, e podemos garantir que o fórum estará devidamente pejado de crianças, que tentarão com toda a naturalidade sabotar o evento. A parte melhor disto tudo é que, mesmo não estando o apresentador à altura do desafio, no final haverá canções de amor de Samuel Úria. E as canções do Samuel parecem compostas por um Cupido sniper: apontam ao alvo e nunca falham.

 

Tudo isto para vos dizer: apareçam. Com tanta fé por metro quadrado, há-de valer a pena.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34


O ABC do Tiago Cavaco

por João Miguel Tavares, em 10.01.14

Perdoem-me antecipadamente a imodéstia deste post, mas eu espero em breve poder justificar melhor este pequeno momento de vaidade pessoal. O Tiago Cavaco fez no seu sempre excelente blogue uma avaliação pessoal de 2013, ordenada de A a Z, onde atribui o T de Tavares a mim e à Teresa.

 

Aquilo que ele diz é muito importante para mim, porque é um texto que vê por dentro o que somos e que explica na perfeição - melhor do que eu seria capaz - porque gostamos de partilhar a nossa vivência familiar no espaço público. Há muito tempo que eu ando para escrever sobre isso, e não sei bem se o Tiago me tirou ou me colocou as palavras na boca. Certo, certo é que lhe estamos profundamente gratos pela generosidade das suas palavras, que aqui ficam com uma certa baba e a devida vénia:

 

T. Tavares


Conheci o João Miguel Tavares na Faculdade. Ou melhor, conheci-o a ele mas ele só me conheceu a mim uns anos mais tarde. O João era do ano anterior e já na altura tinha reputação entre os miúdos do curso de Ciências da Comunicação. Fui acompanhando-o depois no DN e depois quando, com o Mexia e o Lombra, integrou a "Geração de Setenta". Fast forward e hoje o João é meritoriamente um nome incontornável na nossa imprensa. Este ano encontrámo-nos umas quantas vezes e nasceu uma amizade entre as nossas famílias. Aliás, mais que uma amizade, nasceu uma admiração dos Cavacos pelos Tavares.

 

A Teresa e o João são o único casal público que conheço que assume a condição da família como exemplo cívico. Não quero teorizar muito sobre isto, até porque eles merecem melhor, mas resumiria desta maneira: os Tavares mostram-se como família sem o pudor imposto por uma cultura que supostamente protege a família não por razões familiares mas por razões individualistas. Com todo o respeito pelos meus amigos que escolhem fazer diferente, creio que esconder as nossas crianças da exibição pública diz mais sobre o que pensamos acerca de nós mesmos do que sobre o que pensamos acerca delas. Pode funcionar como um narcisismo retroactivo, coroados que nos sentimos pelo modo tão sensível como conseguimos separar o privado do público.

 

A partir do momento que somos pais, acreditem, a manutenção da linha que separa o público do privado é seguramente a tarefa menos importante que nos é dada. A partir do momento que somos pais, acreditem, temos uma responsabilidade pública. Se a soubermos viver publicamente faremos muito mais por todas as restantes individualidades. Com isto não sugiro que os pais pespeguem ao segundo a vida das suas criancinhas online, mas que entendam que boa parte da reserva de proteger a família do olho colectivo pode ter mais cinismo que coração. Olhem para o exemplo da Teresa e do João. Sem exagero, é das melhores coisas a acontecer na nossa vida pública. Mostra coragem, uma qualidade muito perdida nos nossos dias tão calculistas. 

 

Ilustração de José Carlos Fernandes

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:50



Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D