Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Ter filhos é óptimo. O chato é ser pai

por João Miguel Tavares, em 01.06.14

Foto de Nuno Ferreira Santos 

 

Hoje, as minhas queixinhas paternas - ou, de maneira mais séria, as minhas reflexões sobre a paternidade no século XXI - fazem a capa da revista de domingo do Público. É um longo texto de 30 mil caracteres sobre o tema, bastante mais elaborado do que é, naturalmente, a minha prática neste blogue. Se puderem, leiam e digam coisas. Ele também pode ser encontrado no site do jornal, aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:46


5 comentários

Imagem de perfil

De onossolugar a 04.06.2014 às 12:59

Adorei o artigo e as fotos :-)

Há 4 anos que tive o meu filho e sempre me lembro de ouvir a minha mãe dizer "não o habitues ao colo e nem à vossa cama, olha que eles apanham as manhas todas e depois não descansas nada."
A minha ginecologista-obstetra na consulta 1 mês após ser mãe, desejou-me muitas felicidades e nunca mais me esqueço desta frase que me disse: "não se esqueça que antes de ser mãe já era mulher, tá?!" e piscou-me o olho. Eu percebi perfeitamente o "recado".

Já fui alcunhada de "Hitler" por estabelecer certas regras ao meu filho, regras essas que eu considero fundamentais para o seu crescimento e desenvolvimento como pessoa. Não me interessa o que dizem, prefiro assim do que ter de dizer que não o posso levar a certos sítios porque se porta mal, ou dizer que fez esta birra ou outra e que tratou mal alguém...
À parte disto amo-o incondicionalmente e não dispenso dar-lhe milhões de beijos todos os dias, brincar com ele e dar-lhe mimos e um castigo ou palmada quando for preciso :-)

Continuação de excelentes textos e felicidades para toda a família.
Sem imagem de perfil

De Cristina a 02.06.2014 às 12:52

Adorei as fotos. Os seus filhos são uns queridos!!
Sem imagem de perfil

De Simplesmente Ana a 02.06.2014 às 12:45

Não são são os pais - homens - que acham piada ao Go the Fuck to Sleep. Eu reveio-me imenso no livro! E em muitas piadas sobre a maternidade/paternidade.

A questão é: se eles nos cansam, irritam, exasperam e tudo o mais, que raio de mecanismo biológico é que nos leva a querer ter mais filhos? Porque não nos ficamos pelo primeiro? Porque é que vemos um bebé e ficamos absolutamente enternecidos (bom, não o JMT ;).
Imagem de perfil

De Carolina Maria a 01.06.2014 às 18:44

É por artigos destes (e não só) que eu gosto tanto de seguir este blogue. Lá está, como o JMT disse é normal que, nos dias de hoje, os pais se queixem mais dos filhos, e se deparem com esse tipo de conflitos interiores, pois participam na sua educação. E eu acho isso natural pois se a mãe começou a sair para trabalhar, é importante que o pai tenha entrado para fazer parte da educação dos filhos.
Há 2 semanas, a capa da revista sábado, referia casais que não têm filhos por opção. Casais que alegam ter mais tempo e dinheiro para viajar, namorar, fazer o que lhes apetece, não ter horários para comer em dias de folga, e por aí fora. Por um lado compreendi os seus pontos de vista. Por outro, continuei sem perceber como alguém consegue pensar assim. Porque o JMT fala sobre a necessidade de desabafar, mas ao mesmo tempo refere que adora os seus filhos. Porque por mais complicado que seja educar um filho, por mais dificuldades com que um pai (e uma mãe) se deparem sua na educação, isso é algo que faz parte. Algo que, para além das constantes dúvidas e preocupações, trás também imensas alegrias.
Eu espero ainda ser mãe antes dos 30 e confesso que não estou com medo de um filho enquanto criança. O meu medo é, quando essa criança chegar a adolescente (essa fase é que me preocupa bastante).
Mas continuando a falar de crianças, referindo a citação (retirada do seu texto) de C.S. Lewis “Nós alimentamos as crianças para que em breve elas sejam capazes de se alimentar sozinhas”. Eu acho que nós também as alimentamos para que, um dia mais tarde, sejam elas a alimentar-nos a nós.
Eu, pelas experiências que vou vendo e conhecendo, acho que, por mais que uma mãe e/ou pai se queixe dos seus filhos e do trabalho que dão a educar, o difícil é, quando chega o dia de os ver sair de casa, para construírem eles as suas próprias vidas independentes…
Sem imagem de perfil

De Joana a 01.06.2014 às 14:29

Gostei. Deixo só aqui este artigo sobre um estudo dos cérebros dos pais (só para não dizer que os pais servem apenas para caçar mamutes e não para adormecer bebés): http://www.independent.co.uk/news/science/gay-fathers-brains-change-when-they-are-the-primary-caregiver-9442757.html

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D