Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Hoje estreia-se em Portugal o novo filme de Jonathan Glazer, chamado Debaixo da Pele. É um momento alto para todos os gajos que gostam de cinema, pela razão mais profundamente cinéfila de todas: é a primeira vez que Scarlett Johansson aparece nua (tirando aquelas fotos sacadas do seu telemóvel que andaram a circular pela net).

 

 

Não podem imaginar a quantidade de anos que os cinéfilos aguardaram por este momento. Afinal, a Scarlett é a Scarlett, e não havia ninguém, desde os tempos do cinema clássico americano e do código Hays, a fazer tantos papéis insinuantes e sedutores que tirasse tão poucas vezes a roupa. Vai daí, algumas imagens do filme de Glazer (adivinhem quais) começaram, ainda antes de o filme ter estreado, a aparecer em sites de... eeerh.... jornais respeitáveis, que são obviamente os únicos que eu frequento, como, por exemplo, o Jornal do Brasil.

 

Ora, já devidamente documentado sobre o conteúdo do filme, estava eu a conversar com um amigo sobre o tema em apreço quando ele, para meu grande espanto, se mostrou profundamente desiludido com o que viu. "Tantos anos à espera disto e, afinal, ela tem um corpo perfeitamente banal." Já não me recordo se ele disse "banal" ou "normal". "Mais valia não se ter despido", acrescentou.

 

 

 

Poderíamos discutir aqui que o verdadeiro voyeur - como o é qualquer bom cinéfilo, diria eu (já referi de passagem esse tema neste meu post sobre as cortinas) - é movido pelo desejo simplesmente de ver e não necessariamente de gostar do que vê, mas isso seria longa conversa, que fica para outro dia.

 

O que me interessa aqui é recusar essa ideia de que o "banal" (ou o "normal") é desprovido de graça e, como tal, é preferível ficar escondido, camuflado, porque o cinema é território exclusivo do 86-60-86. No meu caso particular, isso não poderia estar mais longe da verdade. Nada, ou quase nada, tem mais graça do que a girl next door; e nada, ou quase nada, é tão erótico quanto o poder da transformação de uma mulher. Ou seja, a questão não está naquilo que ela é, mas naquilo em que ela se pode tornar - e quanto mais se consegue alargar essa distância, maior é a força do glamour e o poder de sedução. 

 

O que para mim é realmente fascinante - deve ser por isso que sou tão dado à monogamia - é ver esse poder de transformação numa mesma mulher; a capacidade de se multiplicar a si própria. Eu odeio o modelo Barbie, porque a Barbie é sempre a Barbie, mesmo que mude de roupa. A Scarlett tem muitas Scarletts dentro de si (o sacana do Hitchcock, talvez o maior badalhoco da história do cinema - no bom sentido da palavra -, topou tudo isto há muito, porque a minha argumentação, não sei se notaram, começou na Janela Indiscreta e agora está no Vertigo).

 

Eu reparei pela primeira vez a sério na Scarlett Johansson num filme de 2001 chamado Ghost World, excelente adaptação pelo Terry Zwigoff de um livro de BD que eu adoro, do Daniel Clowes. E o seu papel no filme estava muito longe de ser sedutor. Era, sobretudo, uma adolescente complicada. Scarlett, a verdadeira, tinha na altura 17 anos.

 

 

Não é que estejamos perante uma rapariga feia. Ela sempre foi bonita. Mas estamos, precisamente, perante uma rapariga normal, como pode ser comprovado por algumas das suas fotos antigas:

 

 

 Passar daquilo que podemos ver em cima para aquilo que podemos ver em baixo...

 

 

 

é passar do normal para o extraordinário. E essa passagem é uma construção, como é óbvio.

 

Ainda recentemente, no número de Março da Vanity Fair, dedicado, como habitualmente, a Hollywood, o fotógrafo Chuck Close fez vários retratos de estrelas do cinema e da televisão, supostamente sem maquilhagem (digo "supostamente" porque acho que não é verdade que todos eles estejam sem maquilhagem, e porque, de qualquer forma, a iluminação é a melhor maquilhagem que um actor ou uma actriz podem ter, e essa está bem presente). Scarlett Johansson estava no grupo dos fotografados, tal como Kate Winslet:

 

 

E lá está, voltam as pessoas normais, as girl ou women next door (Winslet, aliás, sempre foi para mim um extraordinário exemplo de enorme sedução dentro da absoluta normalidade física). E para o caso de, afinal, sempre haver para aí uma senhora a ler este post, tomem lá o Brad Pitt de borla, nessa mesma sessão:

 

 

Visto realmente de perto, e mais ou menos descomposto, ninguém é assim tão bonito. E os anos notam-se bastante mais.

 

O que o meu amigo me diz, quando finalmente vê a Scarlett nua, é que a tal construção não corresponde à realidade. E que, assim sendo, prefere ver só a construção, e dispensa bem a exibição de um corpo normal. Eu não posso estar mais em desacordo. A distância que vai da mais despida realidade àquilo que se costuma ver nas fotos produzidas ou nos seus filmes desperta em mim um outro tipo de entusiasmo - não o da perfeição, como é óbvio, mas o da metamorfose; essa capacidade que qualquer ser humano tem em parecer outro, continuando a ser o mesmo.

 

Porque é que isso é tão importante para mim? Voltamos à monogamia: quando se ama alguém é possível que o outro nos vá aparecendo renovado. Eis uma pergunta recorrente de solteiros e divorciados: como manter o erotismo aceso em relações que se prolongam tanto no tempo e onde os corpos já parecem ter sido tão explorados? Resposta (minha): porque há, de facto, um poder de transformação feminino capaz de nos acelerar a circulação hormonal com gestos muito simples. Pode ser uma nova maquilhagem, uma nova saia, uns novos óculos, um novo corte de cabelo, ou simplesmente um novo pijama. Sim, um pijama, que até pode ser de flanela, ter malmequeres e ser altamente foleiro - só que é novo, é inesperado, é surpreendente e, por isso, naquele momento, é bom.

 

Quando o meu amigo vê a Scarlett nua, fica muito triste por ela não ser tão bonita quanto imaginava. Mas nenhum de nós vai dormir com a Scarlett Johansson. Por isso, quando a vejo nua e ela não é tão perfeita quanto eu a imaginava, fico contentíssimo: significa que uma alta percentagem da Scarlett é produção, e não natureza. E isso é óptimo, porque quanto à natureza não podemos fazer nada, mas quanto à produção podemos fazer alguma coisa. Nua, a Scarlett aproxima-se de nós e nós dela, e compreendemos, de alguma forma, que os nossos objectos de desejo não são tão longínquos quanto pensávamos. E isso é bom.

 

Pronto, era só isto que eu queria dizer. E posso garantir-vos que esta é a argumentação mais rebuscada que alguma vez produzi só para justificar o prazer de ver uma gaja nua.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:34


20 comentários

Imagem de perfil

De Veruska a 14.05.2014 às 15:53

Eu lembro-me dela em roupa interior no Lost in Translation.
Sem imagem de perfil

De David Costa a 12.05.2014 às 15:00

Eu acho a Scarlett Johansson boa. Mas existem melhores. Em termos de corpo. lol
O problema é que deixou de haver a factor surpresa do corpo dela e assim não ficam babados, porque se ela se continuasse vestida e tapadinha não haveria pessoas a falar mal dela. Eu não a acho gorda, tadinha com o corpinho que tem ser mais magra até lhe fazia mal, as pessoas têm vida própria e podem comer o que querem ou seguir uma dieta mais ou menos. Falam de maneira que parece que têm melhor que uma Scarlett, podíamos fazer um teste, metam aí 50, 100, 250 das melhores (boas) mulheres do mundo e vejam se há muita diferença. Quando já não há surpresa acerca de uma coisa deixa de ter valor. Se o Homem pudesse clonar mulheres boas, a quanto saía uma mulher? 5 euros? fogo. têm a visão de uma mulher nua de graça e perdem todo o respeito por ela. Nesse caso era melhor continuar tapadinha lá com os vestidos bonitinhos dela e continuar a ser uma gaja boa na mesma. Acho que isto foi para quebrar uma espécie de barreira em que nenhuma atriz antes se posou completamente nua num filme a não ser pornográfico.
Sem imagem de perfil

De Teresa Carvalho a 12.05.2014 às 14:40

Parabéns!!! Excelente!
P.S. qualquer Gjo com G e Gaja tb com G, devem ler este artigo!!
Teresa Carvalho
Sem imagem de perfil

De Caco a 09.05.2014 às 15:22

O poder de uma gaja boa, daquelas bem boas, nunca é de menosprezar. Usei esse método ontem lá no Caco, a fim de pôr em marcha a missão de captar audiência masculina e funcionou lindamente. Só posso aconselhar.
Sem imagem de perfil

De Bruxa Mimi a 09.05.2014 às 23:15

Com o comentário aqui também captou um elemento feminino...
Imagem de perfil

De blogdocaixote a 09.05.2014 às 13:23

"Porque é que isso é tão importante para mim? Voltamos à monogamia: quando se ama alguém é possível que o outro nos vá aparecendo renovado."
Gostei tanto desta afirmação. É exatamente isto que eu sinto na minha vida enquanto casada, sou capaz de ver o meu marido "renovado" e de me apaixonar por ele outra vez, em determinadas ocasiões. Sei, também, que é recíproco.
Sem imagem de perfil

De Maria a 09.05.2014 às 11:03

A Scarlett disse há pouco tempo que queria deixar de ser vista como um sex-symbol porque não se considerava como tal. Queria ser vista como uma mulher talentosa e inteligente, porque a beleza além de subjectiva, passa depressa. Isto segundo as palavras dela.

Talvez por isso estas imagens sejam tão importantes, até mesmo para ela. Ela nunca se despiu quando estava em melhor forma (e sim, ela é uma mulher bonita e sensual) mas fê-lo agora, que está numa fase diferente da vida. Talvez para que a imagem que as pessoas têm dela mude. - Passar do sex-symbol para o simples, natural e perfeitamente normal.
Sem imagem de perfil

De Nelson Sítima a 09.05.2014 às 08:41

Saúdo o facto de um homem poder e saber falar de gajas como acabou de o fazer. É importante essa sua abordagem, o elogio da normalidade em complemento à produção, ao invés da furiosa tendência de "são todas muito boas" ou "são todas falsas". O elogio da normalidade, da vizinha do lado, da colega de trabalho que é tesuda mas que lá na piscina de fato de banho e touca é igual ás outras, é qualquer coisa de entusiasmante. Soubessem as mulheres que mais do que as medidas é importante atitude, a metamorfose, a sensualidade e o glamour e poupavam-se muitos desgostos, a todos nós.
Sem imagem de perfil

De Paula a 09.05.2014 às 00:19

Eu sou daquelas pessoas que sempre que vi a Scarlet perguntava: mas acham-na mesmo bonita?
Para mim sempre foi a pessoa mais banal e desprovida de beleza. Mas isto é dos meus olhos, claro.
vidademulheraos40.blogspot.com (http://vidademulheraos40.blogspot.com/).
Sem imagem de perfil

De Pedr a 09.05.2014 às 09:29

Secalhar é essa banalidade que a faz ser especial, não? :)
Sem imagem de perfil

De Paula a 09.05.2014 às 09:47

Eu acho-a banal sem qualquer toque de especial...
Há tantas atrizes tão mais bonitas e até gosto muitos das com ar banal.
Esta, não acho mesmo especial.
Sem imagem de perfil

De VascoB. a 08.05.2014 às 22:15

Já discuti este tema diversas vezes.

Pessoalmente considero este passo da Scarlett um grande avanço. Quase um "grito do ipiranga". Acho importante que uma sex symbol dos nossos tempos tenha a coragem de admitir, do alto do seu metro e sessenta, que é uma mulher normal. Vai contra toda a cultura de photoshop, de corpos plastificados a parecerem teenagers, que dominam os nossos média. Fazia falta um travão destes, um contraponto.

Penso que esta nudez fez muito pela mulher e pela condição feminina, mais do que possa parecer. Quantas jovens se vão achar mais bonitas depois deste filme?

E sim, para mim enquanto homem e admirador da beleza feminina, digo sem duvidas: é muito bonita sim. É uma mulher verdadeira.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 11.05.2014 às 12:59

E menos jovens também... ;)
Sem imagem de perfil

De Ricardo Sá Pinto a 08.05.2014 às 21:12

Sempre me fascinou a Scarlett por uma razão simples: apesar de toda a produção que a poderá envolver, ela usa as suas imperfeições como armas. Há já muito tempo que defendo a tese de que nada há de mais aborrecido do que a perfeição - supondo que a perfeição existe, mas essa é outra conversa. As imperfeições certas numa mulher são o que a transforma em perfeita. Nem que seja para mim.
Por outro lado, não há mulheres perfeitas, há é mulheres que não conhecemos.
Tenho a impressão de ter lido no Amor Em Tempos de Cólera que a única forma verdadeira de amar é amar apesar de.
Sem imagem de perfil

De Bruxa Mimi a 09.05.2014 às 23:03

Gostei dessa citação (amar apesar de) - achei-a muito certeira.
Sem imagem de perfil

De Ricardo Pinto a 10.05.2014 às 11:42

O raciocínio que ele segue é igualmente bonito: só podemos amar quem conhecemos, porque antes de se conhecer, não se pode amar, não se pode amar nada ou ilusões. Acrescento que é por isso que as desilusões são a coisa mais positiva que pode acontecer: amar iludido é como cair de um prédio e achar que se está a voar - vai acabar cedo ou tarde e vai acabar de forma dolorosa. Também consigo fazer a ligação daqui ao "Eyes wide shut" do Kubrick.

Comentar post


Pág. 1/2




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D