Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Uma Canção Desnaturada

por João Miguel Tavares, em 23.04.14

Eu agora não tenho tempo para responder a alguns comentários ao último post - fica prometido para amanhã -, mas para quem ficou muito horrorizado com a minha frase

 

A paternidade, felizmente, tem muitos momentos de prazer, mas até certa idade, se eu me puser a fazer as contas, o saldo é francamente negativo.

 

deixo aqui uma das canções de Chico Buarque que mais me comovem e tocam, num dos vários momentos de génio da genial Ópera do Malandro. Chama-se "Uma Canção Desnaturada", ou a extraordinária arte de um progenitor amaldiçoar um filho. Dor, horror, amor - tudo junto e a rimar, como na vida. Podem chorar, que eu choro de vez em quando:

 

 

Eis a maravilhosa letra:

 

Por que creceste, curuminha
Assim depressa, estabanada
Saíste maquiada
Dentro do meu vestido
Se fosse permitido
Eu revertia o tempo
Para reviver a tempo
De poder

Te ver as pernas bambas, curuminha
Batendo com a moleira
Te emporcalhando inteira
E eu te negar meu colo
Recuperar as noites, curuminha
Que atravessei em claro
Ignorar teu choro
E só cuidar de mim

 

Deixar-te arder em febre, curuminha
Cinquenta graus, tossir, bater o queixo
Vestir-te com desleixo
Tratar uma ama-seca
Quebrar tua boneca, curuminha
Raspar os teus cabelos
E ir te exibindo pelos
Botequins

Tornar azeite o leite
Do peito que mirraste
No chão que engatinhaste, salpicar
Mil cacos de vidro
Pelo cordão perdido
Te recolher pra sempre
À escuridão do ventre, curuminha
De onde não deverias
Nunca ter saído

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:16


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 24.04.2014 às 13:48

Caramba, parece uma canção de depressão pós-parto!
Sem imagem de perfil

De Terrybear a 24.04.2014 às 12:50

Nem imagina a quantidade de vezes que já cantei esta música ao meu filho mais velho...
E antes dele nascer, de cada vez que uma grande amiga minha se queixava dos filhos, cantava-a também para ela.
Sim, os filhos são maravilhosos, dão-nos imenso prazer e imensas alegrias, mas às vezes dá mesmo vontade de "pelo cordão perdido, te recolher pra sempre, à escuridão do ventre, curuminha, de onde não deverias nunca ter saído", não só porque "cá fora" dão muito mais trabalho, mas também porque "lá dentro" estavam muito mais seguros e nós controláva-mo-los muito melhor.
(Pronto, agora provavelmente também serei alvo de críticas. Mas não faz mal, porque eu sei o quanto amo os meus filhos)
Um abraço
Sem imagem de perfil

De Simplesmente Ana a 24.04.2014 às 12:30

A letra é bastante adequada a um filme de terror...
Sem imagem de perfil

De EF a 24.04.2014 às 11:38

Já o vi em melhores dias!
Aproveite todos os sorrisos, risos e gargalhadas que cada um dá. Quando crescerem tudo é mais difícil.

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.04.2014 às 22:47

Há uma grande diferença entre

"Se fosse permitido
Eu revertia o tempo
Para reviver a tempo
De poder..."

... poder e fazer!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.04.2014 às 22:14

Música linda. Letra genial... mas horrível! :/
Fiquei arrepiada (not in a good way).

Sem imagem de perfil

De Caco a 23.04.2014 às 15:35

Que liiiindddddoooo!!! Amei!

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D