Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A primeira audição

por João Miguel Tavares, em 25.03.13

Eis o meu texto de ontem na revista do CM, sobre um tema de que já falei neste blogue: a primeira audição da Carolina:

Ergueu-se. Fez uma vénia ao público presente. Sentou-se ao piano muito direita. Tocou três pequenos temas sem se enganar. Levantou-se. Ouviu as palmas. E foi sentar-se, enquanto sorria orgulhosa para os pais.

Num dos últimos sábados, a Carolina teve a sua primeira audição pública de piano. Ela entrou este ano para o Instituto Gregoriano, e é impressionante o que evoluiu em apenas seis meses. Nem eu nem a Teresa sonhamos com uma filha pianista profissional, até porque o piano exige um nível de dedicação obsessiva que não bate de todo com o perfil da Carolina, mas queremos muito que ela tenha uma formação musical sólida. Para além da maravilha que é alguém conseguir sentar-se a um piano e tocar, por puro deleite estético, a música dá disciplina mental, estabelece regras, impõe rotinas e fortalece a personalidade, tudo capacidades fundamentais que nos ajudam pela vida fora.

A Teresa tem quatro irmãs e um irmão, e todos eles frequentaram o Conservatório e aprenderam um instrumento. Eu, pelo contrário, fugia da música a sete pés quando era criança e nada me atemorizava mais do que um ditado melódico nas aulas de Educação Musical. Eu era aquele aluno clássico que tinha boas notas a tudo excepto a Música e a Educação Física, e a quem depois os respectivos professores caridosamente inflacionavam as notas finais, para não estragar a média. No fim do terceiro período, lá tinha uns 4 roubadíssimos, embora merecesse um 3, quando não um 2.

No sétimo ano, quando a Educação Musical saiu finalmente do meu currículo escolar, teria aberto uma garrafa de champanhe se a tivesse à mão. Só mais tarde, quando comecei a frequentar grupos de Igreja e a aprender a tocar guitarra, já com os meus 15 ou 16 anos, é que comecei a lamentar tudo aquilo que não aprendi. E ainda hoje continuo a lamentá-lo.

À medida que a família cresce, vou, portanto, acumulando invejas: há mais de 20 anos que invejo o ouvido da Teresa e o enorme talento que ela tem para cantar e para tocar flauta transversal; há seis meses que invejo a Carolina por tocar piano; e com sorte irei invejar também o Tomás, o Gui e a Rita, que estão condenados a aprender música, mesmo que não lhes apeteça. Cá em casa o dó-ré-mi é tão importante quanto o á-bê-cê – é preciso aprender a ler, a escrever e a tocar. Como é típico dos analfabetos (sonoro, neste caso), eu dou bastante valor àquilo que me falta.


A ilustração é do José Carlos Fernandes.

publicado às 08:21


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D