Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Vai para a cama, sff

por João Miguel Tavares, em 30.01.13
Há uns dias encontrámos um colega da Teresa que ainda tem mais filhos do que nós, e ficámos a reflectir em conjunto sobre qual a conjugação de idades em que a nossa vida ficou mesmo um lodo. Cá em casa, por exemplo, foi quando o Gui era recém-nascido, o Tomás tinha dois anos e a Carolina quatro. Nenhum deles era verdadeiramente autónomo, portanto era uma loucura de fraldas, de roupas, de acordar à noite, e de sei lá mais o quê. Hoje em dia, apesar de serem quatro, é bastante mais fácil do que em 2010, o ano do contacto com o além (ou quase).

Mas depois a conversa continuou para a questão que mais me interessa neste momento, e não, não é acerca da existência de Deus: é como manter a sanidade mental e encontrar tempo para mim, me time, eu sozinho, sem ninguém a chatear, tempo para recarregar as baterias interiores. E aí o colega da Teresa foi taxativo: "Lá em casa está tudo na cama às nove da noite. Os mais novos a dormir, e os mais velhos a ler."

E esta foi a minha reacção interior: "SIM! SIM! SIM! É ISSO QUE EU QUERO PARA MIM!"

É isso que eu quero para mim, que eu tento há anos e anos, e que não consigo. Eu bem tento convencer a Teresa da importância disso, lanço-me aos seus pés, rogo-lhe para ela ter piedade, mas há sempre mais uma coisa, e mais uma, e mais uma, um TPC por fazer, uma música para tocar, um capítulo de Os Cinco para contar, e de cada vez que um puto adormece antes das dez e meia da noite eu lanço um foguete na direcção do lustre da sala só para comemorar.

O problema é este: a Teresa parece que nunca se cansa de ser mãe. Não sei se é uma coisa das gajas. Mas eu, aí pelas 21 horas, já estou cansadíssimo de ser pai. A minha paternidade está esgotada, precisa de ir dormir, e sobretudo o eu-João-Miguel-que-não-sou-só-pai precisa de acordar, viver três ou quatro horas, ver as vistas, ler uns livros, até o corpo desabar em cima de um colchão. Preciso tanto disto. E então se fosse antes de eles irem para a faculdade, seria estupendo.

  Da série World's Best Father, por Dave Engledow

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:57


31 comentários

Sem imagem de perfil

De mdemae a 18.02.2013 às 12:25

Bom dia!

Eu também sou mãe de quatro e não podia concordar mais consigo e com a Alda Benamor (alguns comentários acima :).
Os meus têm 9, 7, 5 anos e o pirralho tem 20 meses. Para já, os mais velhos vão para a cama cedo e adormecem rápido (o mais velho já gosta de ficar a ler :) mas com o mais novo, talvez porque nasceu prematuro e passámos com ele alguns momentos de muita angústia e também porque de manhã não tem hora para acordar, acabamos por deixá-lo connosco mais um tempinho.
Mas é um facto que ele cada vez prolonga mais a ida para a cama e que aquele momento de casal acaba por ser prejudicado.
Por isso, certamente que me vou aplicar em incutir-lhe os bons hábitos dos irmãos :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 06.02.2013 às 15:57

Lá por casa é um boy de 3 anos e está um rebento a caminho ( para Maio. O ritual de ir para a cama começa às 22h para que ele esteja a dormir às 22,30h ( na melhor das hipóteses.
Quem me dera que às 21h ele já estivesse na caminha. Era bom para mim e bom para ele. Mas chego a casa sempre por volta das 20h. Entre fazer o jantar e dar banho estamos a jantar às 21h. Acabar a janta e brincar um bocadinho com ele ou ele ver um bocadinho de tv está na hora de deitar. Como ele dorme até 9h da manhã não me preocupa muito que ele só adormeça às 22,30h. Quando me consigo despachar mais cedo, às vezes o pai, ainda diz "deixa lá o menino brincar mais um bocadinho pouis nao passamos tempo nenhum com ele" . E depois eu é que sou sempre a má da fita, mas aquele silêncio que advém da ida para a cama é bestial.
Quando nascer o rebento vamos ver como corre esta azáfama dária.
Já agora é a 1ª vez que escrervo aqui e adoro o teu blog.

Ana Tavares
Sem imagem de perfil

De Carmen Caeiro a 01.02.2013 às 12:24

Concordo! E eles precisam muito de dormir, não é?!
Sem imagem de perfil

De Maria a 01.02.2013 às 11:09

Sim, como é que isso se faz?
Na casa da Esquina da Vida são 4, ao todo. Não são 4 crianças. Eu tenho 4 filhos e trabalho, por vezes chego bastante tarde a casa. Eles precisam de atenção, têm TPC's para fazer e de estudar para testes. Como é que se consegue ter o jantar na mesa às 8 horas para eles se deitarem a horas decentes?
Sem imagem de perfil

De contosparacrescer a 31.01.2013 às 19:56

Concordo tanto...
Eu canso-me de ser mãe, mas não resisto a ler só mais um capítulo, só mais um conto...
E o tempo para mim? Tenho duas filhas, com sete e quatro anos, e ainda não consegui impor horas certas de deitar, de apagar a luz e de ser a hora dos grandes.
Sou um falhanço no que diz respeito a regras, fazer o quê?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2013 às 12:36

Sou mãe de dois e há dias que só me apetece fecha-los na despensa e sentar-me a ler com tampoes nos ouvidos, mas pronto, ADORO-OS e ... são meus!
Gostava muito de ter essa rotina, mas cá em casa é impossível, por várias razões:

Nunca chego a casa antes das 19.15h (nos dias bons), vou buscar a mais pequena que chegou da escola e ficou na avó.
O jantar nunca fica pronto antes das 20.15/20.30h e isto sem banhos nem nada disso.
E depois ainda há aqueles dias que o mais velho tem treinos de futebol e que chega a casa às 21h (ou mais).
Ainda tem de jantar e tpc....
Bem tempo deita-los (deitar-me) cedo, mas eles é sempre depois das dez/dez e meia (a pequena - 5 anos) e ele (10 anos) pelas onze...
Não consigo melhor...
Sem imagem de perfil

De nat. a 31.01.2013 às 12:21

Pois... Lá em casa é uma de 20 meses (estamos agora a planear o 2º) e, pelo menos para já, entre as 20:30, 21h está a dormir! e aí tratamos de nós... jantar... arrumar cozinha, respirar... mas sabe tão bem aquele silêncio, o não ter que ir a correr a qualquer parte da casa ver o que se passa... isto sendo eu apaixonada pela minha filha e adorando o meu papel de mãe... mas sem me esquecer de mim!

(também é a primeira vez que escrevo por aqui...)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2013 às 11:10

Como é que isso se faz?
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2013 às 10:56

Bom dia.
É a primeira vez que comento,apesar de todos os dias vos visitar.
Também sou mãe, de um menino de três anos.
E escrevo porque discordo do pai (:-)).
Na minha opinião, nós passamos tão pouco tempo com os nossos filhos que, se o "obrigar" a deitar às 21 horas, por exemplo, fazendo as contas, durante um dia, passo +- 4 horas com ele (uma de manhã e três à tarde/noite). É tão pouco... e eu quero aproveitar o meu filho mais um bocadinho... se virmos bem, nessas três horas depois da escola, entre tomar banho, jantar, lavar os dentes, que tempo sobra para "usufruirmos" um do outro?
Portanto, estou completamente de acordo com a mãe aí de casa... e deixo-o ficar até um bocadinho mais tarde, embora compreenda a sua necessidade de dormir e o incentive a isso, mas sem o obrigar...
Pronto, são opiniões, cada um tem a sua e aqui fica a minha.
Muitas felicidades para todos aí em casa.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2013 às 09:39

Em primeiro lugar, parabéns pelo blog! Os meus pais também são "pais de quatro" e eu adorei ter crescido com "tantos" irmãos! Por enquanto só sou mãe de uma, mas adorava ter a disponibilidade física, mental e financeira para ter assim uma família grande!

Sobre o tópico, lembrei-me de um excerto do livro que estou a ler "No coração das emoções das crianças" de Isabelle Filliozat, uma psicoterapeuta especializada no estudo das emoções, que diz o seguinte:

"Se nós não reconhecemos as nossas necessidades e nos sentimos frustrados pela falta de elementos essenciais ao nosso próprio desenvolvimento, é provável que tenhamos dificuldade em dar aos nossos filhos aquilo de que eles precisam. Os pais têm, portanto, o dever de ouvir e reconhecer as suas próprias necessidades, e de arranjar maneira de as satisfazer na medida do possível."

Portanto,arranje tempo para si, sem remorsos, para bem dos seus filhos!

MP

Comentar post


Pág. 1/4




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D