Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Faz mal bater às crianças? Parte III

por João Miguel Tavares, em 27.02.13
A propósito da minha observação sobre os suecos, incluída no ponto 3 deste meu post, comentou a Joana:

"Não concordo nada com o que dizes sobre os suecos (...). Lá porque os suecos são menos efusivos do que os portugueses, não quer dizer que tenham laços familiares mais fracos. Só o demonstram de forma diferente de nós. 
Só para dar um exemplo de como a família (e os seus laços) tem importância na sociedade: quando se tem filhos pequenos, é perfeitamente normal sair todos os dias do escritório cedo (o mais tardar às quatro e muitas vezes mais cedo) para os ir buscar - ninguém comenta ou olha de lado, como seria aí o caso. Os pais com filhos conseguem organizar o dia-a-dia de modo a que são eles que estão com os filhos nas tarefas diárias, e não precisam de depender de avós ou empregadas para estarem com os miúdos até se chegar a casa - como acontece tantas vezes em Portugal, em que muitas vezes se chega tão tarde que já são horas de os miúdos irem para a cama.

Aliás o Estado social e as instituições suecas nem poderiam ter evoluído para o que são hoje, se a família e os seus laços não fossem tão fortes como são. Moro na Suécia há oito anos, tenho montes de amigos da nossa idade e nos quarentas com filhos, desde bébés a adolescentes, e sei bem do que falo. E não sou casada com nenhum sueco, por isso acho que consigo manter a independência nas minhas observações e comparações :-)."

Um outro leitor saiu em defesa da minha tese, aconselhando uma visita ao Portal de Opinião Pública da Fundação Francisco Manuel dos Santos, e em particular aos dados relativos ao dever de amar e respeitar os pais, onde se compara Portugal e a Suécia (nós goleamos).

Não vivendo eu na Suécia, admito que possa ter a visão distorcida por demasiado cinema escandinavo, de Ingmar Bergman a Lars von Trier, cujos níveis de angústia existencial, amorosa e familiar são deveras assustadores. Além disso, tenho a profunda convicção de que o mais espantoso gesto que Portugal, enquanto povo, teve ao longo dos últimos 100 anos, foi a forma como conseguiu acolher perto de um milhão de pessoas oriundas das antigas colónias a partir de 1974, num movimento migratório de uma dimensão nunca antes vista na Europa no último século quando comparada com a percentagem da população residente em Portugal na altura.

Isso é, de facto, único e não sei que outro país o conseguiria ter feito sem o colapso da sua estrutura social. Não há outra explicação para essa extraordinária generosidade que não a profundidade dos laços sociais e familiares em Portugal e a capacidade que nós temos, enquanto povo, em ajudar as pessoas mais próximas que estão em dificuldades (claro que esta face branca tem uma face negra, que é a cunha, o favorzinho e a pequena corrupção, mas isso são contas para um outro rosário).

Dito isto, não quero cair no extremo oposto e fazer de Portugal o cume da civilização no que à educação das crianças diz respeito, portanto acho que a Joana tem alguma razão na crítica que me faz. A minha ideia original não era dizer "nós somos melhores do que eles", mas relendo o texto é, de facto, o que parece. A ideia original era apenas frisar que não estamos a discutir a segurança social, o funcionamento do Parlamento ou a aplicação da Justiça, e que portanto a utilização da matriz "país mais civilizado" para discutir estes temas é altamente perniciosa.


(Atenção, almas sensíveis: esta ilustração é só uma piada foleira. Até porque nunca arriscaria estragar a capa de um livro nos dentes dos meus filhos.)

publicado às 11:53


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D