Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A mamã é médica #7.1

por Teresa Mendonça, em 16.01.13

Um leitor escreveu: O leite não é a maior fonte de cálcio disponível, não sendo necessariamente essencial à dieta de uma criança (como muitos meninos e meninas intolerantes à lactose que nem por isso deixam de crescer saudáveis o comprovam). Até amêndoas e sementes de sésamo têm mais cálcio do que o leite (e ambos podem ser incluídos facilmente em pães ou até bolachas caseiras - em que se controla os açúcares e nem por isso deixam de ser atractivas para os mais pequenitos.)
E ainda outro, a respeito de um post em que uma mãe se preocupava por o filho não gostar de leite: O pequeno parece comportar-se como os restantes mamíferos conhecidos. Ao que parece somos os únicos que insistem em continuar, e até obrigar-nos, a beber leite de outros bichos. 

Nos últimos anos têm sido muito acesas as discussões e debates sobre se o leite é ou não um alimento saudável para os humanos, em especial para as crianças. Os argumentos de um e outro lado da questão são múltiplos e por vezes extremados e pouco simpáticos (ou não fossem os nomes dos pobres animais que produzem o dito cujo - vacas e cabras - propícios a trocadilhos deselegantes). Por decreto, quando nos referimos a leite alimentar estamos a falar de leite de vaca. Quando queremos falar de leite de cabra ou outros temos que especificar a origem.


Como há muitos pontos importantes a discutir, divido a discussão em dois posts.

Comecemos pelos argumentos contra a ingestão: que há alimentos mais ricos em cálcio do que o leite, que somos a única espécie que bebe leite depois da infância e a única que bebe leite proveniente de outra espécie, que o leite contém hormonas que são administradas às vacas para crescerem mais rapidamente, que a maior parte dos lacticínios é pasteurizada e que esse processo destrói as proteínas do leite, que é homogeneizada e isso desnatura as proteínas e torna o leite mais difícil de digerir, que o leite tem mais colesterol que o bacon, que as vacas são alimentadas com milho e soja geneticamente modificados, restos de animais, pesticidas e antibióticos, que existe maior incidência de fracturas osteoporóticas em países com elevado consumo de produtos lácteos, que quem consome produtos animais tem um cemitério de bichos no estômago, e por aí adiante.

 
A decisão de ingerir ou não produtos animais é uma filosofia de vida e, desde que todos os nutrientes sejam incluídos na dieta, por vezes com necessidade de recorrer a suplementos, é uma escolha que só a cada um diz respeito. Não devem ser aqui esquecidas as crianças (em especial os lactentes) que em raros casos sofrem défices vitamínicos importantes, com sérias consequências para a sua saúde, pelas escolhas alimentares pouco informadas dos pais.
 
É verdade que existem alguns alimentos mais ricos em cálcio do que o leite. As sementes de sésamo ou as amêndoas (estas muito menos) são um exemplo. Agora vejamos: aproximadamente, a quantidade de cálcio existente numa chávena de amêndoas integrais é 378 mg e numa de leite é 300 mg. Só que se ingerirmos a primeira estamos a consumir cerca de oito vezes mais calorias do que com a segunda. Percebe-se, portanto, porque é que as amêndoas não são consideradas pela FDA (órgão governamental que controla os alimentos e medicamentos nos EUA) um boa fonte de cálcio (por definição a quantidade de referência diária de um determinado alimento deve fornecer 10-19% da dose diária recomendada desse nutriente para ser considerada uma boa fonte nutricional), ainda que o seu consumo seja altamente recomendável.
 
Sobre o conteúdo ilícito de antibióticos, hormonas, pesticidas e bactérias no leite alimentar não me vou pronunciar. Os métodos de análise e controle do leite estão regulamentados, são minuciosos, e é suposto que funcionem e sejam verificados pelas entidades responsáveis.
 
É verdade que o tratamento térmico que o leite alimentar sofre (com vista a destruir os organismos indesejáveis), e a sua homogeneização, alteram significativamente a fracção proteica útil do leite e induzem perda de nutrientes. Aqui o que conta é o que se obtém da relação custo-benefício e ainda assim o resultado, segundo estudos credíveis de equipas credenciadas na área de Pediatria e Gastrenterologia, é positivo, re-assumindo-se o leite como uma fonte primordial de proteínas e cálcio.
 
Sobre o conteúdo de gorduras no leite já aqui me referi em A mamã é médica #2.

Em relação às patologias que se associam ao consumo de leite falarei no post seguinte. 



publicado às 11:30


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D