Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A fadinha dos dentes veio de panzer

por Teresa Mendonça, em 07.04.13
Na quinta-feira caiu mais um dos dentes incisivos do Tomás. É engraçado como a queda de um dente é motivo para tamanha alegria nas crianças. O miúdo não se calava desde o fim-de-semana, dizendo que tinha um dente a abanar. Todas as manhãs e noites perguntava-me se era agora que ele ia cair, porque cá em casa eu sou a dentista de serviço - mesmo que o João mostre vontade de lhes dar um jeitinho ao dente, eles respondem logo que a mamã é que é médica.

Ora, como na quarta-feira de manhã eu lhe disse que estava mesmo quase, quase a cair, o Tomás declarou na escola que no dia seguinte já voltaria desdentado. Acontece que nessa noite cheguei muito tarde a casa, e quando ele se aproximou de boca arregalada para lhe tratar do dente eu chutei para canto e disse-lhe que era muito tarde e que ele podia sangrar muito...

O Tomás ficou desconsolado. Ele leva a sua palavra muito a sério, e se diz na escola que vai regressar sem dente, é mesmo para regressar sem dente - nem que seja preciso arrancar um de propósito. Resultado, na quinta de manhã, apareceu-me no quarto assim que acordou, e lá lhe dei uma traulitada no dente com ar de quem estava a fazer um tratamento dentário de elevadíssima dificuldade. Já com um dente a menos, foi de sorriso arreganhado para a escola, e se alguém passava por ele sem perceber a falta do dente, o Tomás encarregava-se logo de esclarecer a situação, mesmo que se tratasse de um desconhecido.

À tarde é que foram elas! Ele pediu-me para dizer à fadinha dos dentes que queria uns mini-soldadinhos da Segunda Guerra Mundial em troca do dente. O Tomás é o miúdo mais pacífico do mundo, mas adora fazer lutas e guerras com mini-soldadinhos desde que descobriu que esta era a brincadeira favorita do pai quando era pequeno. Como o João tinha ido para o Porto, eu não podia sair à noite para os procurar, e por isso tive de enfrentar umas filas de trânsito gigantes ao fim da tarde para conseguir ir ao Corte Inglès à procura deles na secção de modelismo.

Valeu a pena. Apesar de ter atrasado todas as tarefas do fim do dia, ao menos já tinha uma prenda em casa no momento em que ele foi buscar o dente à caixinha onde o tinha guardado de manhã. Claro que o Tomás andou agarrado ao dente até se deitar, e a páginas tantas já pensava que o tinha perdido no meio dos brinquedos. Virámos as caixas, comigo mais ansiosa do que ele para ao menos compensar o esforço da ida ao El Corte Inglés, e finalmente o dente lá apareceu. A normalidade foi reposta, e o Gui (só ele é que se lembra destas coisas) pediu para deixar a porta do quarto aberta para a fadinha entrar.

De manhã, mal abriu um olho, o Tomás agarrou na prenda que estava debaixo da almofada e anunciou deliciosamente que a fadinha dos dentes tinha muito bom gosto, porque tinha escolhido os soldadinhos das divisões Panzer alemãs, exactamente os que o papá andava a mostrar nas aulas sobre a Segunda Guerra Mundial durante a hora do jantar. "Muito esperta, a fadinha", disse ele.

E nem quando o papá chegou e se disse espantado por a mamã ter encontrado exactamente os soldadinhos Panzer, o Tomás se atrapalhou: "Ó papá, não foi a mamã! Foi a fadinha dos dentes!" A força da magia dentária é muito forte nesta casa. Mantê-la dá bastante trabalho, como se vê, e obriga a raides apressados a centros comerciais. Mas, no final, o esforço compensa.

A divisão Panzer em exercícios de combate na mesa da cozinha

publicado às 12:48


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Luísa Pinto a 07.04.2013 às 23:11

Eles vibram mesmo com a histórias dos dentes! E nós temos de nos virar, para activarmos a versão desenrasca quando nos apanham desprevenido. O primeiro dente da Pikitim caiu mais cedo do que estávamos à espera - ainda não tinha cinco anos! Estávamos na Tailândia, logo no início da nossa viagem de volta ao mundo em família, e ela engoliu-o quando trincava uma fatia de melancia de manhã...! preocupação dupla: será que a fadinha dos dentes a ia encontrar tão longe de casa? Como é que a fadinha iria acreditar que lhe tinha caído o dente se ela não o tinha para lhe mostrar, e por debaixo da almofada?
Ela própria arranjou uma solução: desenhou um dente, e colocou-o debaixo da almofada. Nós também tivemos de solucionar a nossa parte, se bem que na ilha a que tínhamos acabado de chegar (Koh Lanta), não havia muitas opções. A fadinha trouxe à Pikitim mais marcadores e livros para desenhar e colorir. E que contente ela ficou! Durante a viagem caíram-lhe mais dois. Mas não se preocupou mais com a fada...

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D