Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A riqueza de um bom vizinho

por Teresa Mendonça, em 28.05.14

Ontem foi o Dia Europeu dos Vizinhos. Achei maravilhoso que alguém se tivesse lembrado de oficializar um "estatuto" ao qual eu sempre dei tanto valor e que é tão pouco valorizado, ou então o é mas por questões meramente burocráticas e agilizadoras de questões de condomínio. 

 

Desde a minha infância os meus vizinhos foram sempre amigos de casa, e mesmo depois de vários anos e prédios passados continuam a ser. Na minha adolescência/ juventude vivi em Castelo Branco num prédio enorme, que tinha quatro fracções em cada andar. Acontece que as vizinhas de patamar, que ocupavam a fracção B e D, tinham o mesmo nome, e ainda hoje usamos carinhosamente as letras da fracção para as distinguir: a Anita do B e a Anita do D.

 

E mesmo depois de tantos anos passados, e de sofridamente a Anita do D já pertencer a outro Reino, a do B continua a ser a minha vizinha do coração. As memórias dos dias passados de porta aberta para o patamar com crianças a entrar e a sair, trocando de casa como se estivessem a trocar simplesmente de quarto, com serões passados na sala da casa ao lado, a aproveitar o aconchego da Anita do B para aprender as artes das suas mãos prendadas, são muito doces e perpetuam-se. 

 

E é muito bonito ver como os meus filhos conseguiram (mesmo estando a viver numa cidade muito menos "aldeia" do que aquela em que eu vivi na minha juventude) perceber e aproveitar a riqueza de um bom vizinho. Os nossos vizinhos de Entrecampos continuam com a mesma proximidade três anos passados, e sempre que lá vamos chovem tostas com doce de abóbora para tapar o "buraquinho" dos mais pequenos e as conversas fazem parar o tempo.

 

E mesmo no Areeiro, onde vivemos agora, com a saída dos vizinhos de cima e do lado, na sequência da nova lei do arrendamento, o carinho e a disponibilidade mantêm-se e é frequente pedirem-nos uma visita para matarmos saudades. E, graça das graças, os novos, que estão para entrar, parecem igualmente simpáticos e disponíveis. Também aqui as portas estão frequentemente abertas e os miúdos sentem-se no direito de ir desafiar o vizinho solteiro do R/C para um jogo de futebol (mesmo que não queira filhos, não tem outro remédio), ir brincar para a casa dos do 5.º andar, ir visitar o cão do vizinho do lado ou receber os mimos especiais da vizinha do 6.º. E é por isso que também eles sentem tanto a diferença que existe em relação a um único caso de vizinhança falhada, para quem os valores reconhecidos no dia de ontem não fazem sentido.

 

É maravilhoso poder contar com bons vizinhos, ainda que espalhados por Portugal! Graças a eles não será só o "sal" e a "salsa" que nunca faltarão cá em casa.

 

 

publicado às 10:22


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D