Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Agarrem-me senão eu mordo-o! #3

por João Miguel Tavares, em 28.05.14

Vamos então à entrevista do doutor Carlos González, mas não sem antes fazer um aviso prévio: eu nunca li nenhum dos seus livros, e é possível que nunca venha a ler, até porque o mais famoso tem nome de bolero mexicano - Bésame Mucho -, inclusivamente em Portugal. Confesso que tenho alguns preconceitos acerca de livros de pediatras com títulos de boleros mexicanos. Por isso, limito-me a comentar o que está escrito na entrevista, que eu consigo perceber que seja uma simplificação do seu sofisticadíssimo pensamento.

 

Aliás, para não acharem que isto é só má-vontade, devo dizer que concordo com algumas coisas do que ali é dito. Por exemplo (palavras dele a itálico negro, palavras minhas a redondo):

 

Defendo que devemos tratar os nossos filhos com carinho e respeito. O que se passa é que alguns pensam que podem amar os filhos sem ter de lhes pegar ao colo ou consolá-los quando choram.

 

Ainda existe alguém em 2014 que não pega filhos ao colo ou recusa consolá-los quando choram? Pelos vistos, sim. E aí, não há como discordar de González: sim, por favor, peguem nas crianças ao colo e mimem-nas, ok? Isso é importante.

 

As crianças pequenas despertam várias vezes durante a noite, quase a cada hora e meia ou duas horas, sobretudo entre os quatro meses e os dois ou três anos. Para os pais é muito incómodo terem de se levantar três ou cinco vezes por noite para cuidar do filho. Por isso, muitas famílias descobrem que é mais cómodo dormirem todos juntos.

 

Sim, também me acontece muito: há alturas que estamos tão cansados que lá temos de aturar o puto na nossa cama. E também há alturas em que um dos miúdos tem um pesadelo tão assustador que eu tenho de ir dormir para a cama dele. Mas isso são excepções. Excepções. Acontece. Mas, quando falamos da cama do casal, o filho ir lá parar deve ser, em primeiro lugar, uma resposta à necessidade do casal, e não da criança. É um "anda para aqui que eu estou morto", nunca um "anda para aqui que isto é tão fofinho e eu gosto muito de agarrar o meu novo peluche de carne e osso". As crianças não são peluches nem Nenucos. Têm vida própria.

 

E isto até por questões técnicas e por causa de actividades frutuosas, que certamente o senhor González achará desinteressantes, como, por exemplo, pinar. Pinar, estão a ver? Truca-truca? Aí está uma coisa que, apesar de estar casado há muitos anos, me continua a divertir, e de vez em quando apetece. E apetecendo, se seguirmos os conselhos do Dr. González, de repente olhamos para o lado e está um a mais na cama. É verdade que podemos enveredar por uma abordagem kinky, do género, "querida, vamos tentar fazer isto sem que ele acorde", o que até pode ser um desafio interessante. Mas, por amor de Deus, a regra tem de ser "putos fora da cama". Sempre. Quanto mais cedo, melhor. Eles que vão à vida deles. Eu não existo para os servir. Repetir 100 vezes: "O sentido da minha vida não é servir os meus filhos." Mais: comecem a dormir com eles todas as noites e depois perguntem-se porque é que o vosso casamento já viu melhores dias.

 

Os vegetais são muito saudáveis, mas o importante não é quantos vegetais comemos aos nove meses, mas sim durante toda a vida. Obrigar um bebé a comer muita verdura, fazer com que este a odeie e, de seguida, deixar de tentar é um desastre. Se o deixarmos estar, comerá pouco na infância e, uma vez crescido, comerá mais.

 

Eh pá, esta vou deixar para a excelentíssima esposa responder, ok? Das duas, uma: ou o González tem razão e a minha mulher anda a enganar-me há 10 anos, ou então ele está a querer implodir tudo o que é aconselhado por respeitáveis nutricionistas. Mais: a minha experiência pessoal desmente-o completamente. Os meus filhos não gostam de todos os vegetais, mas cada um deles gosta muito de certos vegetais. E isso é simplesmente porque se habituaram a comê-los. Se o menino não gosta não come, é? A sério: o homem frequenta mesmo crianças à hora das refeições? Os putos, como princípio de vida, não gostam de nada do que é novo. Têm zero curiosidade nesse aspecto. Temos quase sempre de os obrigar a provar. E depois provam e - voilà - muitas vezes passam a gostar.

 

O que fazemos com os maridos ou esposas que são desobedientes ou manipuladores? Com os namorados, amigos, parentes ou empregados? Será que os adultos nunca fazem nada de mal? Claro que sim, mas não os punimos (a não ser que cometam um delito que apenas os juízes podem punir). Eu não castigo a minha esposa ou os meus amigos, vizinhos, taxistas… Como médico não castigo os meus pacientes nem a minha enfermeira. Porquê castigar apenas os meus filhos? Que terão feito eles de tão terrível para merecerem um castigo? É absurdo.

 

OK, aqui entramos na parte dos castigos, mas antes de discutir os castigos propriamente ditos (se calhar é melhor deixar isso para outro post, que este também já vai longo), quero discutir a comparação, que é daquelas que me deixa doido: AS CRIANÇAS NÃO SÃO ADULTOS!!! Por isso é que umas se chamam crianças e as outras se chamam adultos. Por isso é que nós somos legalmente obrigados a cuidar dos nossos filhos, mas não somos legalmente obrigados a cuidar dos nossos pais. Por isso é que eles não podem votar, nem casar, nem conduzir um carro - e nós podemos. Que raio de comparação é esta?

 

Como é que este grande defensor do poder da "intuição", do "não é preciso ler livros para aprender a ser pai" (concordo com ambas as afirmações), depois dinamita com estas comparações absurdas aquilo que a mais pura intuição nos diz - que existe uma caminhada de 16, 18, 20, 22 anos (depende muita das personalidades) até o homo sapiens se tornar um adulto independente, capaz de cuidar da sua própria vida? E até chegar a esse ponto, ele está ao nosso cuidado. A sua formação é responsabilidade nossa. E educar e socializar é um processo que implica retirar a criancinha do seu estado puro e selvagem, de forma a que aprenda a segurar nos talheres e a cumprimentar os vizinhos. 

 

Aliás, até entre adultos a sua comparação é estúpida. Porque, de facto, nas relações profissionais, existe uma hierarquia que manda, pune e castiga. Portanto, nem entre adultos a sua afirmação é verdadeira. Sempre que há hierarquia há poder e violência (é ler o Foucault), e a não ser que o doutor González queira também acabar com a hierarquia entre pais e filhos, eu francamente não sei como se educa sem se castigar. Admito perfeitamente que não se bata. Mas não castigar de maneira nenhuma? Só pode estar a gozar comigo.

 

"Ah, espera", dizem os seus admiradores: ele não diz que não devemos impor limites. Diz apenas que não devemos castigar. Peço então encarecidamente a quem leu o livro com nome de bolero mexicano que me explique como é que isso se faz: como é que se impõem limites sem recorrer ao castigo? Agradeço por antecipação. E a prosa continua amanhã, que o González é um poço sem fundo.

 

 O beatífico Carlos González, numa foto onde já parece ter transposto as portas do Paraíso

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:34


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Jorge Queiros a 02.06.2014 às 22:04

"Como se impõe limites sem recorrer ao castigo!?!?"
Acho que na própria interrogação encontramos a origem e a solução para o problema...os limites não se impõem, vão crescendo natural e gradualmente com os exemplos que vêmos à nossa volta...
Somos seres que aprendem por imitação certo!?Temos a tendência de querer pertencer "ao grupo"...isso faz parte do ser humano...
Logo os nossos filhos fazem aquilo que nós fazemos, comem aquilo que nós comemos, dormem quando nós dormimos...certo!?Ou talvez não...
Se calhar os problemas começam porque queremos que os nossos filhos façam o que dizemos e não o que fazemos...
Eu falo por experiência própria, fiz "co-sleeping" (partilha de cama com o bébé) desde os 0 meses, andei de "sling" em casa, na rua, no shopping, no parque, etc...ou seja o bébé estava em permanente contacto comigo ou com a mãe, observava tudo, aprendia, explorava, imitava...
Tudo isto fez com que a criança se adaptasse muito mais facilmente ao mundo novo que a rodeava.
Como é óbvio e como em todas as crianças, fez/faz asneiras mas os seus limites nunca foram impostos...ela arruma o quarto porque desde de bébé que vê de perto os pais a fazê-lo, come a quantidade que quer porque nós também não temos o mesmo apetite todos os dias, brinca com lápis e canetas mas sabe que só pode riscar no papel porque isso lhe foi demonstrado e não imposto...
Como podemos dizer a um filho nosso para não gritar se o tentarmos impor aos gritos!?!?Como podemos fazer compreender a um filho que não se bate se lhe damos uma palmada no rabo quando ele nos levanta a mão!?!?Assim não funciona...
Dêem o EXEMPLO, partilhem TEMPO e ESPAÇO com os vossos filhos e vão ver que os limites nascem naturalmente...
Sem imagem de perfil

De Jiariel a 03.06.2014 às 10:00

Exactamente!! Não podia concordar mais....

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D