Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Garrafa dos Palavrões

por João Miguel Tavares, em 12.02.14

A Olívia fez uma observação a um leitor mais dado às liberdades de linguagem nos comentários a este post:

 

Só para dizer que deveria, no meu entender, escrever sem utilizar constantemente asneiras... não é de bom tom!

 

Tendo em conta esta repreensão, e o facto de cá em casa sairmos com demasiada frequência do "bom tom", eu senti-me interpelado a partilhar convosco a última invenção da nossa casa: a Garrafa dos Palavrões.

 

Infelizmente, eu estou mesmo como o leitor mais dado às liberdades de linguagem: de vez em quando saem-me pela boca umas palavras que eu não gostaria que eles ouvissem; e eles, por seu lado, andam a aprender na escola um vocabulário que eu preferia que não conhecessem. Portanto, tendo em conta que falta manifestamente à família a devida polidez, resolvi construir no último sábado isto:

 

 

A Garrafa dos Palavrões é constituída por uma garrafa vazia de Pepsi (embora eu seja um homem Coca-Cola Zero), na qual fiz uma abertura para as moedas com um x-acto e na qual colei um rótulo novo, com uma descrição minuciosa do funcionamento do produto.

 

A partir de agora, sempre que alguém disser um palavrão, paga 1 euro. Isto é uma coisa democrática: abrange pais e filhos por igual. Aliás, receio bem que eu tenha sido um dos primeiros a estreá-la: os meus filhos ouviram-me a falar ao telefone com um amigo e parece que soltei dois "palavrões óbvios e horríveis" - e pimba, ficaram logo lá dois euros.

 

 

Mas o maior problema da casa e dos meus filhos não são os "palavrões óbvios e horríveis", que em geral (digo "em geral" porque às vezes eles aprendem umas coisas novas sem que tenham a menor noção do seu significado e do seu peso) eles sabem perfeitamente que não podem dizer. O problema é mesmo a velocidade com que os "estúpidos" e os "gajos" e os "putos" e os "chiças" são debitados.

 

Essas palavras foram designadas como "feias", e cada uma delas paga 50 cêntimos. Para não haver dúvidas, resolvemos fazer uma lista em família, que ficou registada na garrafa. Neste momento constam "gajo", "gaja", "fosga-se", "caraças", "idiota", "parvo", "parva", "chiça", "bosta" e gestos de "pilinha sexy" (não queiram saber).

 

O "estúpido" e a "estúpida", dada a recorrência da sua utilização, mesmo não sendo tecnicamente palavrões, sofrem penalizações extra: 1 euro. 

 

Ainda não decidimos o que fazer com o dinheiro quando a garrafa encher (porque, receio bem, há-de encher), mas para estarmos todos comprometidos em melhorar o nosso vocabulário, a Garrafa dos Palavrões foi devidamente assinada por todos os membros do agregado familiar, pais incluídos. Apenas ficou de fora a Ritinha, até porque só sabe dizer "papá", "mamã" e "já tá". 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:52



Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D