Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Teremos nós o direito de criticar Renée Zellweger?

por João Miguel Tavares, em 22.10.14

A propósito da plástica radical de Renée Zellweger, a jornalista Jennifer Gerson Uffalussy escreve um texto no Guardian em sua defesa, cujo título é suficientemente esclarecedor:

 

Nothing is wrong with Renee Zellweger's face. There's something wrong with us

 

O seu comentário vale a pena ser lido, e basicamente chama hipócrita a uma sociedade e a um sistema que deixa sem trabalho as actrizes que envelhecem, ou que as critica mal vislumbra um vestígio de celulite ou de barriga (o ridículo caso Jessica Athayde é uma boa defesa deste argumento), ao mesmo tempo que goza com elas e as tritura na praça pública se se atrevem a fazer plásticas.

 

Suponho que nos meios do cinema e da moda esse seja um argumento que faça sentido. Mas aqui no PD4 sempre nos honrámos de elogiar as marcas do tempo e sempre elogiámos essa extraordinária arte que é saber envelhecer.

 

Por isso, apesar da passagem do tempo ser cruel para todos nós, e sobretudo para as actrizes cuja beleza física é parte fundamental das suas carreiras, a verdade é que a transformação do corpo num campo de experiências plásticas que procuram perpetuar, de forma cada vez mais radical, uma juventude que já não existe, faz-me, de facto, muita impressão.

 

Além disso, parece-me que Jennifer Gerson Uffalussy passa ao lado do fundamental. Porque se a mim me fazem realmente muita impressão as cirurgias plásticas de Meg Ryan (logo ela...)

Meg-Ryan.jpg

ou da própria Nicole Kidman,

490186969.jpg

é porque em boa parte porque estamos a falar de actrizes que fazem parte de um imaginário cinéfilo e sexual (as coisas misturam-se) que nos é muito caro. Contudo, manda o rigor admitir que o caso de Renée Zellweger é muito diferente.

renee3.jpg

Diante de nós não está alguém que procurou apenas rejuvenescer - está uma outra pessoa (bonita, por sinal), que nós não reconheceríamos se passasse ao nosso lado na rua.

 

Claro que podemos sempre questionar a nossa legitimidade para falar com tanta facilidade, e tanta crueldade, sobre uma pessoa que não conhecemos, só porque ela é actriz - no entanto, esse é um outro assunto (aliás, bastante discutível, diria eu).

 

No entanto, esta ideia de termos de ser outros para permanecermos jovens é, obviamente, chocante, e não me parece que haja aí qualquer espécie de hipocrisia. O que nós vemos nestas fotos é a mutilação de uma identidade. E perante ela, reagimos como reagiríamos diante de qualquer mutilação - com horror. E com pena. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:40


29 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria2 a 22.10.2014 às 23:41

Eu não posso falar pelos outros. Mas senti que aquela rapariga bonita, com a qual nos identificávamos, desapareceu sem saber como ou porquê. Aquela que nos fazia sentir "normal" e de quem gostávamos por se aceitar como era.

As fotos não ajudam. Espero que ao ver um filme dela ainda consiga descobrir sinais do que via antes.

Comentar post




Os livros do pai


Onde o pai fala de assuntos sérios



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D